quinta-feira, 25 de agosto de 2022

FOGO

Há um fogo que queima, queima, queima. 

Há uma forma de apagá-lo, sem alarde, sem reboliço para que ele não continua aceso, aceso e galgue as alturas. 

Há quem goste de botar lenha nas fogueiras das palavras banais, que não levam a lugar nenhum, a não ser aos lugares baixos do atraso, da conversa fiada num niilismo sem fim. 

No lugar do fogo, joguemos água, ícone do silêncio bem silêncio mesmo. É silêncio que silencia os fogos mais queimantes. Este é o melhor remédio para que o  fogo não suba às alturas: Um balde de silêncio sobre as redes. Não é necessário que seja um balde grande, não. Basta que cada um jogue um baldinho, que o fogo baixará e terá baixa, até extinguir por completo.

Nenhum comentário:

CHUVINHA

Uma tarde tão linda e com chuvinha, e com nublagem, e com preguiça, enfim. Um pequeno, um simples exemplo de polissíndeto.