segunda-feira, 31 de maio de 2021

RETORNO

As neblinas de hoje pela tarde apontam para um retorno do período chuvoso nesse último dia do mês. No primeiro dia, 12mm. Hoje vamos esperar por uma boa chuva. A cidade está cercada de chuvas. 

PROVÉRBIO

Não ter pés e querer dar coices.

domingo, 30 de maio de 2021

ENTRETENDO - EDIÇÃO DE DOMINGO

Peço vênia ao autor de "Upanema, de povoado a vila", professor Josafá Inácio, para reproduzir o prefácio, ipsis litteris, escrito por Anaximandro Eudson:

PREFÁCIO DO LIVRO "UPANEMA, DE POVOADO A VILA",  DE JOSAFÁ INÁCIO DA COSTA

Emitir uma opinião sobre um fato traduz-se numa responsabilidade muito grande. A opinião quando dita, falada, ecoa pelo ar; quando ela é escrita, ela fica registrada para sempre. Portanto, considerei um desafio atender ao pedido do Professor Josafá Inácio da Costa de prefaciar a maior obra literária já escrita sobre Upanema. Especialmente, comentar um livro que conta histórias de uma época que não vivenciei.

O livro "Upanema, de povoado a vila" soou inicialmente como uma grande aula da História de Upanema. Na verdade é, mas, é mais! O livro com sua linguagem simples e direta, passeia pela genealogia upanemense, sendo muitas vezes didático com os enlaces familiares que nos transformaram no que somos hoje. Para mim, o livro já valeria pela grande pesquisa desenvolvida pelo autor, que buscou informações nas mais diversas esferas históricas sobre os primeiros habitantes de nossa terra. Obstinado pela história de nosso povo, o professor Josafá avançou  e revela com riqueza de detalhes a vida econômica e social; a arquitetura, a política, a religiosidade, o transporte, a educação, o comércio e fatos pitorescos da vida cotidiana dos nossos ascendentes.

Os leitores não precisam ser especialistas ou conhecerem de forma aprofundada a nossa história. O livro está organizado em seções, para facilitar a leitura, sendo muitas vezes citados capítulos anteriores, com a finalidade da compreensão dos fatos. Os primeiros capítulos são extremamente necessários para o entendimento do livro. O autor fez questão e detalhar o parentesco e a afinidade dos primeiros habitantes do povoado, para que na continuação do livro, os leitores pudessem enxergar a importância de seus antepassados na construção de nossa sociedade.

Apaixonado e orgulhoso de sua família, o autor também destaca a participação de familiares na vida social upanemense, citando muitas vezes seu pai e sua mãe, sem  esquecer também a sua grande contribuição para a mesma. Em vários momentos o autor passa para o pronome da primeira pessoa singular, patenteando sua marca na história local.

Impressiona a capacidade do autor em descrever momentos e lugares da década de 1930, 40 e 50. É um verdadeiro exercício de imaginação para aqueles que, como eu, jamais viram certos prédios ou lugares de nossa cidade. O centro da cidade é descrito com muita precisão, citando até mesmo espaços vazios que, hoje, são ocupados pelo comércio local. As fotos antigas servem para ilustrar aqueles lugares e nos levam a imaginar como era a vida na época.

Inicialmente o livro poderá ser interpretado como saudosista. Acredito que não, porque o que nos rodeia hoje é, em grande parte, o legado dos nossos ancestrais. Devemos aos nossos pais, avós e bisavós o próprio fato de estarmos vivos. Retratar de forma séria, através de uma pesquisa ampliada durante anos, nada mais é do que reconhecer o trabalho desenvolvido por nosso sangue. 

Um escritor disse: fazer história é melhor que escrever sobre ela. Por isso, a contribuição histórica do professor Josafá, com a publicação deste livro, já o emoldura nas mais belas páginas de nossa história. O livro "Upanema, de povoado a vila" nos lembra que nossas semelhanças são maiores que nossas diferenças. Um livro para se ler, refletir, imaginar e guardar para as próximas gerações.

Anaximandro Eudson de Oliveira Barbosa e Silva

Secretário Municipal da Prefeitura de Upanema

DIA DO LANÇAMENTO DO LIVRO DE JOSAFÁ SOBRE A HISTÓRIA DE UPANEMA

Naquele dia, presenciei o evento. Mais tarde publiquei neste blog o seguinte texto:

Estive hoje no lançamento do livro do professor Josafá Inácio da Costa - Upanema  - de povoado a vila. Como o próprio autor reconheceu, tinha mais gente do que se esperava. As pessoas vieram homenagear o professor de longe. Até de Brasília veio gente.

A festa de lançamento começou um pouco mais de 7 da noite e se estendeu às dez, por causa dos autógrafos. Segundo dados preliminares, o autor vendeu mais de duzentos exemplares só na noite de hoje. Era 17 de setembro de 2011.

JORNAL DE UPANEMA (Nossa coluna)

Edições de “Lingu@gem.comNAL DE UPANEMA” do Jornal de Upanema

LINGU@GEM•COM Xavier.gondim@bol.com.br

Fr@ncisco X@vier Gondim (3ª edição)

COMPOSITOR

@ Refiro-me ao jovem compositor Emanoel Rafael da Costa. Ele compõe músicas com tons ardentes de paixão. Seu estilo nos lembra algumas duplas sertanejas. Transcrevo um trecho de uma de suas composições: “Quero saber o que faço agora/pois o meu pensamento /voa no espaço/feito pássaro livre no ar./ Venha, a saudade é uma flecha /Me acerta o peito /A porta está semi-aberta”.

NOSSA HISTÓRIA

@ “A História dos Três Poderes – De Distrito a Cidade”, é uma modesta obra que trata da história de nossa terra com o enfoque nos três poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário. Teve seu lançamento no mês de setembro próximo passado. Foi um trabalho árduo e produzido a quatro mãos por Inêz Tavares de Mendonça e José Wilson Tavares Bezerra. É sucinto, porém é uma pesquisa séria. Vale a pena lê-lo.

POMBEIROS

@ A palavra tem vários significados. Segundo os melhores dicionários, pode ser “negociante ou emissário que atravessava os sertões comerciando com indígenas; uma variedade miúda de milho branco; vendedor ambulante de pombos, galinhas, etc. Em algumas regiões do Nordeste brasileiro, é” revendedor de peixe". A palavra tem para nós upanemenses uma conotação que talvez em outro lugar não encontremos. Se o leitor encontrar, que me comunique para ser corrigida na próxima edição deste jornal. Refiro-me aos pequenos grupos de pessoas que se congregam, de preferência em frente a residências, com o intuito de discutirem os assuntos que estão na pauta do dia, principalmente a política. Posto à mesa, o prato é saboreado por todos, notadamente se for a política local. Os pombeiros modernos são ainda muito jovens: começou aproximadamente no ano de 1985. Estima-se que hoje tenhamos cerca de 20 na cidade, sem contar com os da zona rural.

SEPULTADOR

@ Na edição passada, na coluna ATUALIDADES dos colunistas José e Kalênia, conhecemos uma palavra que poderá ser incorporada ao léxico dos upanemenses: sepultador. Outros sinônimos têm o verbete: sepultureiro, enterrador e coveiro. “Sepultador” pode ser um eufemismo para “coveiro”. Todas essas palavras querem dizer “aquele que leva as pessoas para o lugar derradeiro nesta terra: a cova”.

BATISMO

@ Do grego, baptismós, “imersão”, pelo latim, “baptismu”. 1. Sacramento da Igreja Católica Apostólica

Romana, no qual a ablução, a imersão ou a simples aspersão com água significa um renascer espiritual, com purificação de todas as culpas e pecados; ato de dar nome a uma pessoa ou coisa ; a primeira campanha em que um militar toma parte. Na capoeira é “um ritual de iniciação no qual os alunos jogam com os mestres, ou capoeiristas antigos, e recebem os apelidos pelos quais serão conhecidos na roda”. Upanema teve o primeiro encontro de capoeira neste dia 20 de dezembro, no Ginásio Poliesportivo “Wilneran Cabral”. Naquele dia os membros tiveram o seu batismo e fizeram suas apresentações ao público. O Migli é o orientador do grupo que recebe suas instruções há menos de um ano.

JORNALEIRO

@ Todo jornaleiro tem algo de jornalista, pois conhece todas as notícias que estes escrevem e as anunciam aos leitores para que comprem os jornais. Nossa homenagem, portanto, aos entregadores de jornais ou, como também são conhecidos, os gazeteiros, de modo especial a Valdeci, o “Ninhada”, e ao conterrâneo Joab Carvalho, que distribui o JORNAL DE UPANEMA em Natal, pela passagem de seu dia: 15 de dezembro.

DICIONÁRIO

@ “Deus me livre! Tô nem aí! Me poupe! Sei não! Meu fio né fei! Isola! Passarás! Sai, cara!”

Expressões como estas e outras farão parte de uma coletânea que nós (do JORNAL DE UPANEMA) estamos organizando para publicarmos, num futuro próximo, algo como um “Dicionário Upanemês”.

23H

@ Meus cumprimentos ao professor Dequinha Bezerra pelo anúncio correto da abreviação da hora para o início de sua festa do dia 28/12 com a banda Grafith, no Clube Municipal: 23h e não 23hs como vemos em quase todos os anúncios de festas ou qualquer evento. A abreviatura de hora é h para o singular e plural.

DITOS

@ — Menino, vá ali na padaria comprar sete pães!
—Agora, vá!
Outra cena:
—Menino, tá na hora de ir pra escola.
—Agora vá! Agora estude!

São assim os ditos populares que correm nas bocas das pessoas mais simples possíveis. E assim, dos menos sábios aos mais letrados, muitas vezes a gramática é pronunciada com propriedade. Aqui o uso do subjuntivo foi corretamente empregado.

SÃO NUNCA

@ Passei batido no mês de novembro, mas agora vou contar esta pequena anedota que tantas vezes escutei dos mais velhos: “Um homem devia a outro uma quantia em dinheiro. Cada vez que era cobrado, ele pedia prazo e não cumpria. Um dia resolveu marcar o pagamento para o dia de ‘São Nunca’. No dia 1° de novembro o credor não perdeu tempo: foi lá cobrar sua dívida com toda razão”.

VOLTANDO

@ E trazendo de Mato grosso na bagagem alguns textos em forma de sonetos, o professor Erivan Silva. Aqui está um poema de 14 versos, distribuído em dois quartetos e dois tercetos um deles:

Amo alguém que não me ama
Quero alguém que não me quer
Sonho com algo que não tenho
Espero por alguém que não vem.

Ao vê-la com outro alguém
O choro vem, pois não me detenho
Sinto dentro de mim uma chama
Que queima e fere meu ser.

Você não pode imaginar
Como isso me faz sofrer
E tento de qualquer forma, esquecer.
Esse amor cruel e doído
Amor infiel e bandido
Esse meu amor sofrido.

POESIA

Poetando (João Carlos Neto)

A poesia nasce
De uma inspiração
Que chega de supetão
Vinda não sei de onde.

Não tem tempo pra chegar
Nem porto pra aportar.



sábado, 29 de maio de 2021

MINÚSCULA CHUVA DE ONTEM

A chuvinha de ontem aqui foi de 3mm.

ESTÓRIA COM AGAR

Numa das campanhas políticas do passado aqui em Upanema, um político discursava empolgado e o povo aplaudia. O velho orador, raposa velha da política, observava um senhor de idade que não cessava de aplaudi-lo e dizer “viva!” “É verdade” “Muito bem!”

Quando terminou o comício, o candidato desceu do palanque e foi diretamente cumprimentar o eleitor. Este aproveitou para pedir. Pediu pouca coisa: uma moedinha pra tomar uma de cana. O político quis saber se o homem votava aqui mesmo. O homem respondeu com toda a sinceridade, na bucha: “Não voto nem no senhor, nem em ninguém, mas tô no meio da cachorrada de vocês.”

sexta-feira, 28 de maio de 2021

COISAS DA LÍNGUA: O QUE É UMA AFÉRESE?

É s queda de um fonema no início de um vocábulo. Ex: abbatina virou em batina.

Dizemos Zé, no lugar de José.

O VAIVÉM DAS INFORMAÇÕES

O movimento do serrote foi denominado por um senhor de vaivém. Vaivém passou a ser o nome do próprio serrote.

Pois não é que as informações acerca da vacinação das pessoas ligadas à escola pública e privada já virou esse vai e vem? Uma hora estamos certos de que seremos vacinados na próxima semana, para logo sabermos que não haverá mais e não tem previsão de quando será.

A mais quente é que nos próximos lotes virão vacinas para o pontapé inicial da imunização. 

PROVÉRBIO

Não ter calo no coração para poder ouvir.

quinta-feira, 27 de maio de 2021

VAMOS RELEMBRAR NOSSAS EXPRESSÕES

Balaiúdo(a) – Diz-se de pessoa que está com o cabelo bem aumentado e assanhado. O cabelo nesse estado tem a forma de um balaio.

Balaio-de-gato - Confusão. Ex: Na minha rua aconteceu o maior balaio-de-gato entre duas vizinhas.

Baldear - Agitar a água tornando-a suja.

Baleia - Pessoa muito gorda.

Bale – Baile.

Bambo - Sorte. Ex: Ele acertou a ave no bambo. Há quem diga "no bamba".

Bananada - A banana misturada com leite e passada no liquidificador formando uma vitamina. Existe o "embananado", que é o que está meio misturado, sem saber o que fazer ou dizer.

Banda - (Pras) bandas é mesmo que “naquele lugar, local”.

Banguela ou banguelo - Que não tem os dentes completos; desdentado.

Barai – Baralho. Nem todo mundo diz "barai". Só os iletrados ou os letrados descuidados.

Barbatão – Pessoa velha e rabugenta.


NOSTRADAMUS E A EPIDEMIA

O nome Nostradamus é uma forma latinizada do sobrenome de Michel de Nostre-Dame, médico e astrólogo francês (1503-1566). Estudou Filosofia e Medicina. Fez fortuna como médico, exercendo a profissão com rara magnanimidade e coragem, especialmente por ocasião de epidemias. Desgostoso com atitudes de colegas que lhe invejavam o favor público, retirou-se a uma vida solitária, dedicando-se a fórmulas farmacêuticas. 

Publicava-as, atribuindo-lhes propriedades ocultas. Além disso, publicava prognósticos astrológicos versificados, as famosas Centúrias, que a credulidade dos contemporâneos acolhia avidamente. Quando aconteceu cumprir-se sua predição da morte trágica de Henrique II, sua fama não conheceu limites, e muitos lhe atribuíram o dom profético. Havendo sido um homem generoso e realmente douto, é hoje difícil discernir entre o charlatanismo deliberado de sua parte e o fanatismo de seus numerosos admiradores. (Enciclopédia Brasileira Globo, volume 8)

SOMOS MALA

Cuido que cada um de nós, em algum momento das nossas vidas somos mala. Mala em não reconhecermos nossas fragilidades, imperfeiçoes e finitudes. Teimamos e teimamos, de cabeças duras, cocais até.

Somos um bando de mala quando não agradecemos por muitas coisas que temos, recebidas de graça, mão beijada, por assim dizer.

Uns verdadeiros mala: uns mala agradecidos! Ou mal agradecidos, numa linguagem mais refinada.

INIMIGO NÃO ENCURRALADO

Os decretos e mais decretos com o objetivo de encurralar o minúsculo e poderoso inimigo não estão conseguindo surtir o efeito desejado. Isso nos lembra aquele velho e sábio ditado que diz: ninguém se salva sozinho. E nem se condena sozinho.

Enquanto isso, o bichinho malvado e safado se esgueira entre os pulmões das pessoas.

PROVÉRBIO

Não ter baú pra guardar desaforo.

quarta-feira, 26 de maio de 2021

AFASIA: O QUE É?

Alteração da faculdade psicológica da linguagem, resultante de lesões dos centros nervosos; ausência de fala parcial ou total. 
(Dicionário de gramática)

Apresenta-se de forma variada, podendo ocorrer problemas como a dificuldade de articular bem as palavras até a perda total da linguagem oral. Pode manifestar-se também na escrita pela perda da capacidade de simbolizar, de traduzir o comando cerebral para a linguagem escrita. 
(Dicionário de termos médicos, enfermagem e radiologia)

Ao olharmos a definição acima de afasia, podemos observar diariamente pessoas com os problemas descritos acima e nem nos damos conta que pode ser isto mesmo. Costumamos atribuir a uma preguiça de raciocínio, ou porque aquela pessoa não se interessa porque não quer. Mas pode ser afasia.


AULA DENTRO DOS APLICATIVOS

Uma volta ao passado

Estamos em aulas dentro dos aplicativos. Não parece ser estranho para ninguém esse fato. Dar aula remotamente não é novidade. Pode ser para a geração que agora vive e não conhece o passado. Resgato, mesmo de forma superficial, os anos 60. Foi um um período que passei perto, mas não o alcancei. 

Sem mais delongas, digo que as antigas aulas remotas eram através de um rádio, que sintonizava apenas numa emissora. As aulas eram ministradas por um monitor, na boca da noite, período em que os trabalhadores tinham chegado do trabalho. Havia espaço para crianças e jovens. Não preciso dizer que a dita escola era preferencialmente na zona rural. 

O quadro que se pinta hoje não será necessário gastar tecladas, pois o leitor está totalmente informado. O que não se pode é estarmos achando essa prática da aula remota ou inovadora. Não. Assim não devemos pensar.

PROVÉRBIO

Não tem fubá quem foge do moinho. (Minas)

terça-feira, 25 de maio de 2021

COISAS DA GRAMÁTICA

Adversativa

Conjunção que relaciona orações, que se contrariam, ou liga uma oração que tem ideia de compensação.
Queria ser sábio, mas sou, apenas, um culto. (Walmírio de Macedo, em Dicionário de gramática)

Adversativa lembra adversário. Alguém que contraria suas empreitadas. No Brasil essa palavra é gasta em expansão a cada dois anos.

PROFECIAS

Nos velhos tempos, havia muitos profetas, principalmente nos arraiais religiosos e místicos. Houve até que tenha se notibilizado  como autor de profecias sobre pestes e cataclismos que apontavam o fim de uma era ou do mundo. Nostradamus foi um deles.

No meio daqueles, havia os que também se firmaram como grandes falsos profetas, que eram logo denunciados pelos verdadeiros. Agora os tempos mudaram. Há tantos e mais tantos que profetizam com a maior facilidade como se estivessem explicando um dois mais dois ou o Brasil é o maior país da América do Sul.

Os prognósticos são arriscados. E com muitos riscos. Não é que eu e todos nós deixamos de dar nossas profetizadas ou profetadas, como preferem outros.


PROVÉRBIO

Não te aproximes da casa onde haja cães flacos (Gaúcho).

segunda-feira, 24 de maio de 2021

PALAVRA CERTA

Com certeza ou concerteza?

Com certeza, o certo é com certeza.

SÓ NA FICÇÃO

Ficamos olhando, saboreando até. O movimento do vai e vem de jovens, fazendo o caminho para casa e de volta no outro dia.

Os colegas, naquele clima de conversas interativas para todos ou as clássicas e condenáveis conversas paralelas e ainda os desafios inúteis contra quem eles acham que não estão diante de autoridade alguma, mas um "parceiro" ou mero mediador de aprendizagem, como bem assinalam, cheios de orgulho, os devotos das pedagogias fracassadas. As perguntas sem sentido e a irritação pelo peso da profissão.

E a fila da merenda? E o cafezinho na sala de professores?

Tudo isso e muito mais, só podemos ver agora na ficção. Na vida real ainda vai demorar. A incógnita é:

Quem sente alívio e quem sente saudade?

PROVÉRBIO

Não suba o sapateiro além do seu chinelo.

SELEÇÃO

Vivemos de selecionar as coisas.

Quando podemos, selecionamos o que queremos comer. Também selecionamos o que queremos ler e ouvir (falando em música). Mesmo com a música, nem sempre conseguimos selecionar. Estamos em um lugar por aí ou mesmo em casa, e de repente alguém aumenta o volume: rá, rá, ri, ri, ró, ró, ru, ru.

Um time esportivo também é formado através de uma seleção feita pelo técnico. Não pudemos escolher entre os vários pais e mães do mundo, em diversos países ou eras, qual seriam os nossos.

Podemos, então, através da nossa inteligência, lutar pela escolha de fazer o bem ao outro e não o mal. Lutar, sim, porque não é fácil, muitas vezes, escolher fazer o bem, ou pelo menos deixar de fazer o mal a si ou aos outros, e muitas vezes evitar não ter inveja do outro.

domingo, 23 de maio de 2021

ENTRETENDO - EDIÇÃO DE DOMINGO

MINHA PREVISÃO PARA O DIA DE HOJE

Sol forte e chuva mais tarde.

CARPE DIEM

A canção seguinte, ainda um grande sucesso do momento, apesar do tempo passar velozmente, mostra um exemplo clássico daquilo que chamamos de "Carpe diem" (carpe dim) - Expressão latina que significa literalmente "colhe o dia". A música tem seu lado bom, interessante e digna de reflexão. Por outro lado, coloca no espírito humano o desespero de fazer hoje, numa pressa, como se não houvesse o amanhã. É também o desespero de quem não acredita na vida eterna:

     Segura teu filho no colo
     Sorria e abraça os teus pais enquanto estão aqui
     Que a vida é trem-bala, parceiro
     E a gente é só passageiro prestes a partir.

TREM BALA (Ana Vilela)

Não é sobre ter todas as pessoas do mundo pra si
É sobre saber que em algum lugar alguém zela por ti
É sobre cantar e poder escutar mais do que a própria voz
É sobre dançar na chuva de vida que cai sobre nós.

É saber se sentir infinito
Num universo tão vasto e bonito, é saber sonhar
Então fazer valer a pena
Cada verso daquele poema sobre acreditar.

Não é sobre chegar no topo do mundo e saber que venceu
É sobre escalar e sentir que o caminho te fortaleceu
É sobre ser abrigo e também ter morada em outros corações
E assim ter amigos contigo em todas as situações.

A gente não pode ter tudo
Qual seria a graça do mundo se fosse assim?
Por isso, eu prefiro sorrisos
E os presentes que a vida trouxe pra perto de mim.

Não é sobre tudo que o seu dinheiro é capaz de comprar
E sim sobre cada momento, sorriso a se compartilhar
Também não é sobre correr contra o tempo pra ter sempre mais
Porque quando menos se espera a vida já ficou pra trás.

Segura teu filho no colo
Sorria e abraça os teus pais enquanto estão aqui
Que a vida é trem-bala, parceiro
E a gente é só passageiro prestes a partir.

DITADO

É melhor andar só do que mal acompanhado.

Então, alguém retrucou: "Pois acho melhor andar mal acompanhado do que só"!

NADA FEITO

A vacina não chegou para os professores. Razão: atropelaria alguns degraus da ordem dos vacinados proposta pelo Ministério da Saúde.

TEXTO INTERESSANTE

El Sombrero

CENA: região inóspita e de vegetação raquítica, com um vento leve a suspender a poeria, enfim, uma paisagem de região subdesenvolvida. Ao fundo uma igreja tosca de onde vem o murmúrio  dos fieis rezando. Nisso surge um mexicano daqueles de bigode escorrido, sombrero enterrado até as sobrancelhas e preguiçoso, de olhos semicerrados. Debaixo do braço um violão e no andar a displicência de todos os mexicanos.

Para à porta da igreja, olha lá pra dentro e resolve entrar, sem se dignar a tirar o sombrero. Desrespeitosamente entra com ele enterrado na cabeça, sempre abraçado ao violão. Uma senhora de preto e ar compungido que está no último banco olha-o e chama a sua atenção:

- Señor, el sombrero!

O mexicano parece não a ter ouvido e continua a caminhar devagar pelo corredor entre os bancos. Logo uma outra senhora, alertada pelo protesto da primeira, interrompe suas orações e sussurra ao seu ouvido:

- El sombrero, señor!

Mas o mexicano não dá importância e continua sua caminhada:

- El sombrero - reclama um velho exaltado, de dedo no nariz do mexicano, que passa por ele sem o menor sinal de atenção.

Pouco a pouco, todos os presentes estão a exigir que tire o chapéu e os gritos de "el sombrero" partem praticamente de todas as bocas:

- El sombrero, el sombrero, el sombrero.

O mexicano impávido. Até parece que não é com ele. É quando o sacristão resolve tomar uma atitude e, já no fim do corredor, agarra-o pelo braço e diz:

- El sombrero, por favor!

Então o mexicano para, olha em volta com seu olhar preguiçoso e, empunhando o violão, diz: - Ya que ustedes insisten... De Perez Y Gimenez, cantaré "El Sombrero". (Stanislaw Ponte Preta - Português Dinâmico, 7ª série, Siqueira & Bertolin)

HUMOR

Um homem estava a cavar um buraco, enquanto que, ao mesmo tempo, seu amigo cobria o buraco. E assim passaram o dia todo, um a cavar e o outro a cobrir. Um "curioso" que por ali passara umas três vezes neste mesmo dia, já não mais aguentando aquela cena absurda, aproximou-se dos dois homens, e foi logo perguntando:

- Mas o que significa isso, senhores?

- Ora, respondeu um deles, estamos trabalhando.

- E vocês não têm certeza de que não há algo errado?

- Bem... se tem, a culpa é do Joaquim que faltou hoje. 

- Mas quem é o Joaquim? - perguntou novamente o curioso, já se esvaindo de curiosidade.

- É quem coloca as sementes. (Texto selecionado por Helena Batista Ribeiro, em Andradas, MG - Folhinha do Coração de Jesus, 2001)


sábado, 22 de maio de 2021

COISAS DA LÍNGUA

O que é acepção?  Significado que uma palavra assume na fala.

Ex: O professor, após brilhante concurso, conseguiu uma cadeira na Universidade.
       O técnico da equipe falou de cadeira.
       A sambista balançou as cadeiras.
       Comprei uma confortável cadeira.

Temos aí várias acepções para a palavra cadeira, mas, em cada frase, temos uma acepção única e exclusiva. (Dica do Dicionário de Gramática, de Walmírio de Macedo)

O mesmo que polissemia.

        

QUE PALAVRA!

Carrapicho

Nome comum a vários subarbustos das leguminosas, compostas, gramíneas, malváceas e tiliáceas, cujos frutos, com pequenos espinhos ou pelos, aderem à roupa e ao pelo dos animais. (Aurélio)

Porção de cabelo que se ata no alto da cabeça. Cabelo próprio da etnia negra. Nome comum a diversas plantas de sementes espinhosas. (Soares Amora)

Chatíssimo o apego do carrapicho em nossas roupas ou os couros do corpo. Na roupa, demora a sair. No corpo, dói e deixa  às vezes os espinhos ficam no corpo.

O carrapicho em outro sentido (cabelo), passou a ser nome próprio (apelido) a pessoas que têm o cabelo próprio da etnia negra, como diz Soares Amora.

O DESCAMINHO DA ESCOLA

Vacinação não será agora

A vacinação dos profissionais da educação não será agora. Estava prevista para a próxima semana. Devido o vacinar agora ultrapassar cronograma nacional, foi sustada a sua execução.

Vamos esperar por nova data. 

REGISTRE-SE

Decreto governamental proíbe venda de bebidas e volta a restringir acesso de fieis a templos: 30% é o máximo dos frequentadores.

PROVÉRBIO

 Não ser peru que morre na véspera.

sexta-feira, 21 de maio de 2021

PROVÉRBIO

Não ser feito papel de seda para virar balão.

AULAS SÍNCRONAS E ASSÍNCRONAS

Aulas síncronas e assíncronas

Nesses meses, duas palavras que eram usadas somente em meios escolares e intelectuais passaram a ser usadas para todo o público: síncrona e assíncrona.

Com a impossibilidade de haver aula presencial, as aulas através da tecnologia de que dispomos obrigou-nos a oferecer ao alunado as aulas não-presenciais e de duas formas: ao vivo, através de celulares, tablets ou notebooks, utilizando o Google meet - aulas síncronas. Ou através de plataformas como o Google Classroom, onde deixamos as atividades prontas para que os alunos respondam as atividades - aulas assíncronas.

Sincronia 

Diz o Dicionário de gramática, de Walmírio de Macedo que sincronia é "o conjunto de fatos que se processam numa mesma época". E é isso mesmo que ocorre com as aulas síncronas: os alunos estão reunidos, mesmo que distantes fisicamente, mas presentes, podendo interagir como se presentes estivessem.

De sorte que o mundo intelectual de hoje pouca coisa tem o que apresentar de novo. Buscaram numa palavra muito utilizada no passado uma nova forma de apresentar comportamentos no presente.

Raízes

Por isso é que advogo com muita convicção o estudo profundo das origens das palavras. Só assim compreenderemos melhor o presente.

quinta-feira, 20 de maio de 2021

GRAMÁTICA FÁCIL

Sob 

É uma preposição que indica lugar ou modo.

Ex: Sob a janela.

       Sob tal desculpa, ele fugiu da escola. 

CAMINHO DA ESCOLA

O caminho da escola hoje é feito de modo nunca imaginado. É por vias aéreas e por fios invisíveis. Seres que se embrenham em aparelhos, materializam-se com vozes e imagens.

Tempos diferentes!

CAMINHANDO E REFLETINDO

Não dá para praticarmos o que não deu certo no passado. Agora é "Caminhando, pensando e seguindo a razão, estamos todos em um barco numa mesma direção".


PROVÉRBIO

 Não ser caju que nasce com a castanha pra baixo (Não ser tolo).

quarta-feira, 19 de maio de 2021

RITMO DO CORAÇÃO

Mais uma vez, os ritmos do coração serão testados em partida de futebol. É o Fla que vai para o campo daqui a pouco.

As torcidas de sempre estarão em ação.

PROVÉRBIO

Não se pode servir a dupla serventia.

terça-feira, 18 de maio de 2021

VAMOS TOMAR UMA

Uma dose de conselho

Compartilhar somente o que é bom.

DEZ DIAS

As chuvas por aqui deram um tempo

Foram dez dias consecutivos de chuva, a começar pelo dia primeiro deste mês. Depois pulou para o dia 14, e depois até agora não tivemos mais chuva. Só bons tempos.

PROVÉRBIO

Não se pode exigir que uma jaboti dê laranja.

segunda-feira, 17 de maio de 2021

EXPRESSÃO CERTA

Já pagou ao motorista?

O verbo pagar exige sempre a ou lhe.

Já pagou ao motorista?  
Sim, já lhe paguei.

Para coisas, usamos o ou a (artigo): 

Você já pagou o carro? Já pagou a dívida?

Dicas de Antônio Sacconi.

O QUE ERA DOCE

Governo do RN elabora plano para vacinar profissionais da Educação em maio

Em mais uma iniciativa visando a volta às aulas presenciais na rede pública prevista no Decreto 30.562, o Governo do Estado começou a elaborar o plano de vacinação dos profissionais da Educação no Rio Grande do Norte. 

Os detalhes preliminares da proposta ainda em construção, que tem como parâmetro a Deliberação 1.689/2021 da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), foram apresentados à governadora Fátima Bezerra e ao vice-governador Antenor Roberto nesta sexta-feira (14). (www.rn.gov.br)

Para quem está achando doce ficar ministrando aulas (professores) e assistindo (alunos) através das plataformas digitais, o que é doce vai deixar de ser. Não se sabe ainda quando, mas já dá pra notar que está mais perto do que longe.

Depois da vacinação dos profissionais da educação, tudo se encaminha para a volta das aulas presenciais. Não acredito que seja tão breve, mas acredito numa volta a médio prazo: junho? julho?


PROVÉRBIO

Mais vale um amigo na praça do que dinheiro na caixa (ou na arca).

domingo, 16 de maio de 2021

ENTRETENDO - EDIÇÃO DE DOMINGO

ZÉ DE ZERIN

No blog "Imagens de Upanema", publicado ontem, temos a figura folclórica Zé de Zerin. confiram:
https://imagensdeupanema.blogspot.com

LITERATURA UPANEMENSE

Se alguém se referir a Marlênio Severino da Costa, pouca gente sabe quem é. Mas se dissermos que se trata de Manin de Xisto, o número de pessoas aumenta. É também conhecido pelo nome de Mano Costa. É músico, como baterista. Escreveu alguns poemas. Já tocou em bandas no Ceará. Suas poesias   têm estilos diversos. Mistura lirismo, existencialismo, sensualismo, histórias etc. Utiliza versos livres e às vezes prefere rimar, dando mais beleza ao texto. Espera quem possa ajudá-lo a publicá-las.

A seguir, um dos poemas dele:

PÉROLA NEGRA

Que no crepúsculo de cada manhã
Sopra o vento sobre a praia
De águas coloridas e turvas.

Onde o sol se encontra com o mar
Onde as ondas fazem chamego
Sempre na areia a se misturar
Onde barcos e velas começam a navegar.

O dia vai, o dia vem
Gaivotas começam a voar
A natureza se mistura
E eu olhando as águas do mar...

Amazonas, o Rio-Mar  - Oranice Franco, Amazonas, o Rio-Mar, Editora Conquista

Para descermos o rio, tomamos o navio "gaiola' e vimos coisas maravilhosas. De tão largo que é, de um lado não se avista a outra margem. Imagine, seu Mestre, que em sua maior parte tem  de seis a oito quilômetros de largura, mas quando chega na foz, ao desaguar no oceano, é largo de noventa e dois quilômetros! Do "gaiola" se vê a muralha verde da floresta que vai acompanhando o rio. Há sempre um grande silêncio. Mas quando o navio a pita, espanta bando de pássaros com as cores mais lindas que há. 

A região do Amazonas é coberta de florestas virgens, onde o perigo é constante. Mas o caboclo a tudo enfrenta para extrair da seringueira o látex, espécie de leite com que se faz a borracha.

O seringueiro desperta antes de o sol surgir. Sai de sua cabana e penetra na floresta. Nem jacaré, onça ou cobra detém o seu trabalho no meio dos seringais. 

A floresta do Amazonas é tão fechada que mesmo durante o dia é sempre noite na mata. É cortada por milhares de rios, chamados igarapés. 

Por toda parte há flores e a maior delas e mais bonita é a vitória-régia, que nasce dentro dos lagos. 

Tem tudo no Amazonas. 

É tão grande a região do Amazonas, que a sua maior parte ainda não foi explorada. Existem muitas tribos de índios. Uns são ferozes, não se deixam conquistar. Outros são pacíficos. (...) Aqueles que já são civilizados, comerciam ao longo do rio. Enchem suas canoas, leves e ligeiras, com as coisas que fabricam e vão trocá-las por tudo de que precisam. 

Amazonas, conhecê-lo e defendê-lo faz parte dos primeiros deveres de cada brasileiro. (Fragmento do livro didático Português Dinâmico, 6ª série, Siqueira & Bertolin)

MÚSICA NA MINHA VIDA

Uma música marca cada pessoa por qualquer cena ou palavra. A música seguinte foi numa certa noite, junto de amigos, uma pessoa perguntou a mim se eu sabia aquela música: Sabe... (sorry)

Fiquei procurando na minha cabeça e não encontrava. Até que depois, com muita luta, a pessoa balbuciou a melodia. E era a canção seguinte:

Baby, can I hold you? (Tracy Chapman)

Sorry
Is all that you can't say?
Years gone by and still
Words don't come easily
Like sorry
Like sorry

Forgive me
Is all that you can't say?
Years gone by and still
Words don't come easily
Like forgive me
Forgive me

But you can say: Baby
Baby, can I hold you tonight?
Maybe if I told you the right words
At the right time
You'd be mine

I love you
Is all that you can't say?
Years gone by and still
Words don't come easily
Like I love you

I love you

But you can say: Baby
Baby, can I hold you tonight?
Maybe if I told you the right words
At the right time
You'd be mine

Baby, can I hold you tonight?
Maybe if I told you the right words
At the right time
You'd be mine
You'd be mine
You'd be mine

SUPERSTIÇÕES

Vestir camisa com a frente para trás, traz uma surpresa.

TEMPO MODERNO

Uma pessoa especial é aquela que tem alguma dificuldade, no andar , no falar, no ver, no escutar, no agir.

HUMOR

Os fiéis se reúnem em torno de um homem que pula de alegria na igreja. 
-Meus irmãos e irmãs, aconteceu um milagre. Eu estou andando outra vez! Aleluia! - gritou ele.
Alguém fica curioso para saber o detalhe e pergunta:
- Pode nos dizer como o milagre aconteceu?
- Vendi meu carro!



sábado, 15 de maio de 2021

COMORBIDADE: QUE PALAVRA!

Comorbidade

Com muita facilidade encontraremos nos sites da grande rede o significado de comorbidade. 

Difícil ou impossível acharmos em dicionários antigos.

Em dicionários da área da medicina encontraremos a definição, como no Dicionário de termos médicos, enfermagem e radiologia, da Editora Rideel: 

Doenças que se associam a uma doença principal, agravando seu quadro clínico.

CHUVINHA DE ONTEM

Foram apenas seis milímetros a chuvas de ontem entre tarde e noite.

PROVÉRBIO

Macaco velho não enjeita coco.

sexta-feira, 14 de maio de 2021

EXPRESSÃO CERTA

Café com muito açúcar

É assim que devemos escrever e dizer. Se açúcar é palavra masculina, logo deve acompanhar a palavra muito.

MANHÃ DE CHUVA

Chuva leve caiu há pouco. Está aquele mundão de chuva por aqui. Maio veio chuvosa.

AULAS CONTINUAM REMOTAS NA REDE ESTADUAL

Rede Estadual mantém posicionamento de só retornar ao trabalho presencial após vacinação

A Rede Estadual de ensino decidiu manter o posicionamento de somente retornar ao trabalho presencial após uma ampla vacinação. A deliberação foi anunciada durante Assembleia virtual realizada na tarde desta quinta-feira (13) pela direção do SINTE/RN. Assim, ficou decidido que os trabalhos remotos continuarão normalmente. (Site do Sintern)


O QUE ELA TROUXE

Além dos estragos nas vidas humanas, na economia e no sossego e no desmantelamento dos nervos de muita gente, ela revolucionou a linguagem. Trouxe muitos nomes e termos que não conhecíamos ou que não existiam nos dicionários convencionais. Algumas palavras como lockdown em inglês, não achamos nos velhos dicionários.

Em português, é comorbidade. Que palavra! Acharemos aqui na grande rede e em dicionários de termos médicos.

A doença mais comentada no momento - covid-19 - será lembrada daqui pra frente como a que mexeu com o mundo e o deixou de cabeça para baixo.

PROVÉRBIO

Não puxar o céu antes da hora.

quinta-feira, 13 de maio de 2021

PALAVRA CERTA

Massa alimentícia em tiras largas (Aurélio)
Massa de farinha de trigo em tiras largas (Soares Amora)

Estou me referindo a quê?

Faço referência à lazanha ou lasanha?

Um bom dicionário responderá que a segunda alternativa é a correta. 

MANHÃ

Manhã nublada e sonolenta. Prato cheio para os que gostam de dormir. Dormir sem sonhar só para não perder tempo.

PROVÉRBIO

Não perder por esperar.

quarta-feira, 12 de maio de 2021

PREVISÃO DE CHUVA

O Climatempo avisa

Previsão de chuva em Upanema às 15h.

CONTRA ELA

Todo mundo contra ela e no combate ferrenho. Agora chegou a vez dos professores serem vacinados  contra a gripe.

CONTINUAREMOS

Continuaremos sem aulas presenciais, segundo o novo decreto governamental. Bares e restaurantes poderão vender bebidas alcoólicas. 

A vida vai continuar em marcha lenta até um dia desaguar na normalidade.

PROVÉRBIO

 Não saber onde põe o nariz.

segunda-feira, 10 de maio de 2021

COISA DA LÍNGUA

Abstrato

Nome de objetos são independentes, que necessitam apoiar-se em algo para subsistir. O nome abstrato não tem subsistência própria. assim devem ser abstratos: a dor, a tristeza, a alegria, a sombra, etc. (Dicionário de gramática - Walmírio de Macedo)

As coisas abstratas são fáceis de ser identificadas. Elas dependem de outras para existirem. Não existe a dor isoladamente. Se há dor, é porque há alguém com dor. O amor existe, mas nunca ninguém viu o amor vagando por aí sozinho.


 

CHUVA DE ONTEM PELA NOITE

Onze milímetros a precipitação pluviométrica de ontem à noite.

PROVÉRBIO

Não se pode assobiar e tocar flauta ao mesmo tempo.

domingo, 9 de maio de 2021

ENTRETENDO - EDIÇÃO DE DOMINGO

CHUVA DE ONTEM

35mm.

MÚSICA NA MINHA VIDA

"Sertaneja", interpretada por Orlando Silva, é uma das músicas na minha vida porque recorda meu tempo de criança na Lagoa Seca ou Baixa do Juazeiro. Não sabia quem era o cantor e nem mesmo o que ele estava dizendo, mas achava bonito. Eu ouvia pelas rádios dos outros e provavelmente na voz de Nelson Gonçalves.

Sertaneja

Sertaneja, se eu pudesse,
Se Papai do Céu me desse
O espaço pra voar,
Eu corria a natureza
E acabava com a tristeza
Só pra não te ver chorar.

Na ilusão deste poema
Eu roubava um diadema
Lá no céu pra te ofertar
E onde a fonte rumoreja
Eu erguia tua igreja,
Dentro dela o teu altar.

Sertaneja, por que choras
Quando eu canto
Sertaneja, se este canto
É todo teu?
Sertaneja, pra secar
Os teus olhinhos
Vais ouvir os passarinhos
Que cantam mais do que eu.

A tristeza do teu pranto
É mais triste quando eu canto
A canção que te escrevi
E os teus olhos, neste instante,
Brilham mais que a mais brilhante
Das estrelas que já vi.

Sertaneja, vou embora
A saudade vem agora
E a alegria vem depois.
Vou subir por essas serras,
Construir lá noutras terras
Um ranchinho pra nós dois.

Camelo extraviado - Mark Twain

Um condutor de camelos perdeu o seu camelo e, encontrando um homem perguntou-lhe:- Acaso, o senhor não encontrou um camelo extraviado?
O homem respondeu:
- Não é um camelo cego do olho esquerdo?
- Sim.
- Que perdeu um dente de cima?
- Sim.
- Que mancava da pata esquerda traseira?
- Sim.
- Que carregava milho de um lado e mel do outro?
- Sim! O senhor não precisa apresentar mais detalhes. É esse exatamente o camelo que procuro. Estou com pressa. Onde o senhor o viu?
- Eu não vi camelo nenhum, respondeu o homem. 
- O senhor não o viu? E como pôde descrevê-lo tão detalhadamente?
- Por que sei me servir dos olhos para observar as coisas. A maioria das pessoas têm olhos que não lhes servem de nada. Eu sabia que um camelo havia passado, porque vi os seus rastos. Sabia que mancava da pata esquerda traseira pelas marcas diferentes deixadas no chão  do lado esquerdo. Sabia que era cego de um olho porque só pastou a erva do lado direito do caminho. Sabia que perdeu um dente de cima porque deixou falhas nas raízes que mordeu. Notei que aves comiam os grãos de milho que foram caindo do lado esquerdo. Sei que o mel escorreu do lado direito porque observei muitas moscas juntas desse lado. Sei tudo sobre o seu camelo, mas não o vi. (Português Dinâmico, 6ª série, Siqueira & Bertolin)

MÃES NA MÚSICA

Muitos compositores puseram a mãe como tema. Antônio Marcos cantou em "Vai, meu irmão": Chega maio a mãe é minha.
"Lady Laura", de Roberto Carlos virou clássico da música sobre mãe. ele corajosamente cantou à beira do túmulo no dia do sepultamento de Laura. Curioso é o fato de que muitas pessoas curtiram a música sem saber quem era Lady Laura.
Aguinaldo Timóteo e Ângela Maria também lembraram de homenagear a mãe em "Flor mamãe". Aguinaldo também cantou "Mamãe, estou tão feliz" e "Mãezinha querida".
A dupla Rick e Renner também gravou "Mãe" e ainda faz sucesso.
"Minha mãe, minha heroína", interpretada por Lindomar Castilho, foi sucesso nos anos 70 e ainda toca neste dia.
The Fevers gravou "Mãe". O povo não esqueceu e canta todos os anos neste dia.
Fábio Júnior, que teve muito sucesso com "Pai", não teve sucesso com "Mãe".
Chitãozinho e Xororó cantou “Fogão de Lenha”.
Zezé di Camargo e Luciano canta “No dia em que eu saí de casa”. José Wantuil também gravou uma música com o título "Mãe".

UMA MÃE EXCEPCIONAL

Fora dos círculos materiais, está uma mãe diferente. É a mãe de Jesus, que deu à luz um menino muito importante para a cristandade.  Para católicos e outras religiões, ela também é mãe espiritual, já que na cruz, o filho entregou-a a um discípulo, que representava ali a Igreja.

SÓ ELAS ENTENDEM

Somente as mães entendem o que é ser mãe de verdade.

SÓ NÓS ENTENDEMOS

Somente nós que as perdemos é que entendemos seu valor de verdade.

VONTADE DE SER NOVAMENTE UM MENINO

Qual o filho que não sente essa vontade de ser novamente menino para desfrutar das benesses da mãe?

HUMOR

Vendedor ambulante para a dona de casa:
- Interessa-lhe uma apólice de seguros?
- Não, já tenho uma.
- E a enciclopédia em nova encadernação?
- Não, senhor, muito obrigada!
- E uma bateria eletrônica, com 873 ritmos diferentes?
- Claro que não! Não quero nada!
- Para se ver livre de mim, a senhora compraria um sabonete?
- Compro até dois!
- Obrigado, madame! É isso mesmo que eu vendo. São cinco reais. (Folhinha, 2001)


sábado, 8 de maio de 2021

QUE PALAVRA!

Carrapeta

Pequeno pião que se faz girar com os dedos. (Aurélio)

Espécie de pião que é girado com os dedos. (Soares Amora)

Pequeno pião. (Antônio Houaiss)

Mulher pequenina e danada. Que vive rodando, comprando briga. Fazendo piruetas.(Raimundo Nonato)

Silveira Bueno não registra a palavra carrapeta.

Entre nós, a expressão significa o mesmo que registrou o pesquisador Raimundo Nonato em seu Calepino Potiguar.

CHUVA DE ONTEM

Treze milímetros foi a precipitação pluviométrica de ontem.

Ainda não temos os dados da Emparn.


VOLUME D'ÁGUA DA BARRAGEM DE UMARI

A barragem Umari, terceiro maior reservatório do Estado, também começou a receber recarga. Acumula 211.533.762 m³, equivalentes a 72,24% da sua capacidade, que é de 292.813.650 m³. Há dois dias, o manancial estava com 199.897.985 m³, percentualmente, 68,27% do seu volume total. (Site do Igarn, ontem)

PROVÉRBIO

Não se pergunta a macaco se quer banana.

sexta-feira, 7 de maio de 2021

DEZ

Dez milímetros foi a chuva de ontem.

COMPARANDO OS DADOS

Os dados pluviométricos da emparn do dia 4, terça-feira, em Upanema apontam 27,8mm, enquanto  nossos dados, 36.

A diferença se dá provavelmente por causa do local onde foram colhidos. Há variações de lugar para lugar. Temos notícias de precipitações de 12, 15, 20mm.

PROVÉRBIO

Não se meta em cabaço, que você se enrasca.

quinta-feira, 6 de maio de 2021

QUESTÃO ORTOGRÁFICA

Abreviatura

É a simplificação de um vocábulo. Consiste essa simplificação em escrever apenas a letra inicial ou as letras iniciais.

As abreviaturas são muito usadas nas ciências, nos telegramas e, muito especialmente, nas formas de tratamento.

a. C. - antes de Cristo.

A.D. no ano do Senhor. 

Outra forma de escrevermos por extenso a abreviatura A. D. é Anno Domini ou d. C: Depois de Cristo.

As informações acima tiveram o auxílio do Dicionário de  Gramática, de Walmírio de Macedo.



MAIS PRECIPITAÇÕES EM UPANEMA

Chove bem agora em Upanema - passam alguns minutos das 17:30h.

Nesses dias, tem sido essa pisadinha de chuvas.

PRECIPITAÇÃO

A boa chuva de ontem foi de quarenta e cinco milímetros.

PROVÉRBIO

 Mais vale almoçar e jantar bem que ficar sem ceia (São Paulo)

quarta-feira, 5 de maio de 2021

TRINTA E SEIS

Trinta e seis milímetros foi a precipitação pluviométrica na virada da noite de ontem. 

A maior de maio até agora.


PROVÉRBIO

Macaco velho não mete a mão em cabaça.

MAIO COM CARA DE MAIO

O mês de maio, com relação às pancadas de chuva, está parecido com todos os maios que presenciei desde menininho.

Apesar de não ser um maio, nem de longe, um mês com chuvas densas, está trazendo chuvas amiudadas, quase todas as viradas da tarde ou mesmo a noite inteira, num xi, xi, xi legal.

Passagem molhada - As águas rio transbordam por cima da passagem molhada devido as chuvas nas cabeceiras.

Abrejo - Abrejo em locais baixos. Sinal de que estamos em maio.

COMO NOSSOS DEDOS

Os bons pingos de ontem rendaram aqui no meu medidor 9mm. Houve lugares que foram 12 e noutros, 20.

As precipitações pluviométricas são como nossos dedos: não são iguais.

terça-feira, 4 de maio de 2021

SALÁRIOS ATRASADOS

Governo não define pagamento dos salários atrasados: incerteza continua

Na reunião com o Fórum Estadual dos Servidores, nesta terça-feira (04) o governo do Estado não apresentou nenhuma novidade em relação ao pagamento da folha atrasada referente ao 13º de 2018. Enquanto as entidades sindicais que compõem o Fórum apresentam um documento em que define que não negociaria metodologia de pagamento que não fosse imediato e integral de todo o passivo atrasado pelo Estado.

O chefe do Gabinete Civil, Raimundo Alves, informou aos sindicatos que haverá um novo encontro virtual na próxima sexta-feira, às 11h, para informar a metodologia de pagamento definida pelo próprio governo. O pagamento deve ser apenas do 13º salário de 2018, ainda restando informar quando será pago a folha atrasada de dezembro de 2018.

De acordo com a secretária de Administração, Virgínia Ferreira, ainda resta a 40.101 servidores o pagamento do 13° de 2018. Desses: 25.108 são inativos, 11.138 ativos, e 3.855 são pensionistas do Estado. (Do site do sinsprn)

COISAS DA LÍNGUA

Abreviamento - Redução do corpo fônico de uma palavra: cine por cinema, foto por fotografia. Em latim, é a passagem de uma vogal longa a breve.

NOVE

O pinga-pinga de ontem pela noite resultou em 9mm.

PINGA-PINGA BOM

Passamos a noite num pinga-pinga bom. Isso rendeu alguns milímetros de chuva.

LIBERDADE DE ESPREÇÃO

A liberdade de expressão é tão extraordinária que permite a gente escrever assim:

LIBERDADE DE ESPREÇÃO

Permite que discordemos também.

ASSOBIAR E CHUPAR CANA

Será possível sermos bons em duas coisas ao mesmo tempo? Às vezes não se consegue conciliar profissões ou ser bom em duas coisas.

O poeta notou isso e cantou assim:

Seria muito bom
Seria muito legal
Se cantor ou compositor
Pudesse ser ator ou jogador de futebol.

Nem tudo pode ser perfeito
Nem tudo pode ser bacana
Quero ver o cara sentar numa praça
Assobiar e chupar cana. (Benito Di Paula)

PROVÉRBIO

Não quero saber de nada, quero a roupa lavada.

segunda-feira, 3 de maio de 2021

PALAVRA CERTA

Quociente e cociente

Catorze, cota, cociente.
Quatorze, quota e quociente.

A pronúncia das respectivas palavras é a mesma. A escrita é que muda.






CHUVA DE ONTEM

A chuva de ontem em Upanema foi de 8mm.

PROVÉRBIO

Lua nova trovejada, três dias de molhada, se um quarto continua, chove por toda a lua.

PALAVRÕES

Pandemia

Ouvíamos falar da palavra pandemia com muita naturalidade, já que era coisa que estava muito longe de nós. Em livros de história em histórias contadas por pessoas, tínhamos um pequeno roteiro do que aquilo poderia significar. 

A realidade é outra quando vimos a coisa ao nosso redor, agredindo e gritando perto de nós, todos os dias. E mais: ela não tem pudor e respeito por seu ninguém. Por quem quer que seja, ela não dá trégua. É um espantalho, uma coisa, um negócio que assusta. É um palavrão daqueles que faz torcer a cara e tapar os ouvidos dos que escutam. 

Pandemia entra nos nossos ouvidos, com força, ferindo, rasgando, amedrontando, deixando os nervos comprometidos. Melhor, muitas vezes, não ouvirmos o noticiário da TV, porque ela está lá, todos os dias, sendo pronunciada, palmo a palmo em cada matéria jornalística. É um palavrão que não vai ser esquecido e descartado tão cedo. Infelizmente.

domingo, 2 de maio de 2021

ENTRETENDO - EDIÇÃO DE DOMINGO

TEXTO

Boa desculpa (Cornélio Pires)

Nhô Lau era um bom homem, possuindo um sítio em que plantava de tudo, à margem do rio Tietê. Ultimamente notara que as suas roças de milho estavam sendo "broqueadas". Ao ver tanto milho quebrado, atribuiu o estrago às capivaras, pois não podia acreditar que os seus vizinhos, todos compadres, fossem capazes de furto.

A fim de defender a roça, mandou fazer profundo fojo (foge na expressão dos caipiras) nos carreiros, cobrindo-os com ligeira camada de sapé e terra. À tardinha, viu arrematarem o serviço e partiu satisfeito para casa.

- Amanhã cedo voltaremos e almoçaremos lombo de capivara...

- Nois vai tê paçoca da boa, somana intêra...comentou o Zé Boliero.

No outro dia, pela manhã, de longe bradou Nhô Lau:

- Eu não dizia! Lá está o foge destapado! Pegamos já uma!

Ao chegar à borda do profundo buraco, notou, com espanto, uma capivara deitada de cansaço e o seu compadre Julião, todo esfolado, meio escondido por trás de um grande saco cheio de milho...

- Ô c'os diabos! Decurpe compadre! gritou Nhô Lau para baixo.

Jogou uma corda e continuou:

- Me esqueci de mandar avisar o compadre que tinha feito os foges...E aqui é o atalho por onde o compadre costuma passar...

- Foi o diabo! comentou lá embaixo Julião, agarrando-se à corda para ser guinchado.

Nhô Lau, sempre bonachão, bradou-lhe:

- Amarre o saco de milho pra subir unto, comprade.

- O saco de mio num é meu... Só se é da capivara...

ANTIGUIDADE

Ouvi num desses apps que o primeiro fakenews foi que um lado da borracha de duas cores apagava lápis a tinta.

ANTIGUIDADE II

Nota de falecimento chegava sofrivelmente pela rádio Rural de Mossoró, em "Notas e avisos", e através do comunicador Seu Mané. No domingo havia as "Mensagens musicais" e "Notas e avisos". Hoje, enquanto escrevo essas linhas através das teclas do notebook, sei, quase em tempo real, a informação de duas mortes de conterrâneos. É a velocidade da informação que o nosso mundo véio sem porteira nos oferece, para o bem e para o mal.

COMPORTAMENTO

Compartilhar - Era costume a gente compartilhar somente coisas boas. Certos compartilhamentos são dispensáveis. entretanto, nem sempre conseguimos deixar pra lá.

REGISTRO DA CHUVA DE ONTEM À NOITE

Foram 12mm.

HUMOR

Um bêbado entra numa livraria religiosa e pede:

- Me dá uma cachaça aí!

- Aqui não tem cachaça, amigo - responde o balconista. - Aqui só vendemos artigos religiosos.

- Então me dá um São João da Barra, completa o bêbado.

sábado, 1 de maio de 2021

NOVE

 A chuva de ontem pela noitinha foi de 9mm.

A PROPÓSITO DESTE DIA

Jeca Tatuzinho

Monteiro Lobato

Jeca Tatu era um pobre coitado que morava no mato, numa casinha de palha tão esburacada que mais parecia uma tapera. Vivia ali em grande pobreza, junto com sua mulher, magra e feia, e vários filhinhos, amarelos e tristes.

Jeca tinha horror ao trabalho. Passava os dias de cócoras no terreiro, pitando enormes cigarrões de palha, sem coragem de fazer coisíssima nenhuma. 

Ia ao mato caçar, tirar palmitos, cortar cachos de cocos, mas não se lembrava de plantar nem um pé de couve. Plantar não era com ele. 

Perto corria um ribeirão, onde pescava de vez em quando uns lambaris e um ou outro bagre. Com isso lá ia vivendo. 

Dava dó ver a miséria da sua casa. 

Não havia nela nem móveis, nem roupas, nem asseio, nem nada que significasse comodidade. Um banquinho de três pernas, umas peneiras furadas, uma espingarda que negava fogo, e só.

As crianças tinham cara de sofrimento. Viviam chorando de dor de barriga, dor disto, dor daquilo. Jeca, em vez de curá-las, dizia:

- Viver é padecer. 

Todos que passavam por lá e viam tamanha lambança, murmuravam:

- Que grandessíssimo preguiçoso!

Jeca Tatu nem parecia gente, de tão feio e desengonçado que ficou. Não escovava os dentes, não lavava a cara, não tomava banho - tudo de preguiça.

Além de feio, fraco. Tão fraco que quando ia ao mato lenhar vinha com uns feixes que pareciam brincadeira. E vinha arcado, como se estivesse carregando toda a mata nas costas. (Português Dinâmico, Siqueira & Bertolin, 6ª série)

CONTINUAÇÃO DA HISTÓRIA - Todos pensavam que Jeca era preguiçoso porque queria, mas quem prosseguir na história, veremos que o personagem era preguiçoso porque era doente. Ele fica forte ao tomar remédios e passa a trabalhar muito.



ABRIL ABRIU SOMENTE NO DIA 3

Concernente às chuvas, o mês de abril deste ano teve sua abertura no dia 3, com uma pequena chuva de 3mm.

Quanto ao fechamento do mês, também concernente às chuvas, foi de uma pequena pancada, mas muito boa, pela entrada da noite.

PROVÉRBIO

Lua fora, lua posta, um quarto de maré na costa, preamar nas cabeceiras.

VACINA: O QUE É?

Vacina: Substância fabricada a partir de proteínas, toxinas, partes de bactérias ou vírus, ou, ainda, vírus e bactérias inteiros (atenuados ou mortos0; ao serem introduzidas no organismo, essas substâncias desencadeiam a reação do sistema imunológico, tornando o organismo imune ou resistente a esse agente (e às doenças por ele provocadas) por determinado período. 

(Do Dicionário de termos médicos, enfermagem e radiologia)

QUE PALAVRA!

Carrapato

Animal acarino parasito, hematófago que adere à epiderme dos vertebrados. (Aurélio)

Na linguagem figurada, é uma pessoa que não larga o outro nem por cem e uma cocada.

Um negócio parecido com charada

Alguém me disse que não existe carrapato. Aí eu disse: por que?

Ele respondeu:

- Há carragasolina, carraóleo, carraálcool, carradiesel, mas, carrapato, não!

Está dado o recado!

QUANDO OS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO SERÃO VACINADOS

A Coordenadora-geral do Programa Nacional de Imunização (PNI), Franciele Francinato, disse nesta sexta-feira (30) que "profissionais de educação serão atendidos provavelmente em junho".

Alguns estados já iniciaram a vacinação de profissionais da educação, entre eles, Espírito Santo, Maranhão e São Paulo. (Do g1.com, ontem)

PROVÉRBIO

O que dá fama, dá desdém.