quarta-feira, 22 de abril de 2020

PIRILAMPOS

Abri meus olhos vi seis pirilampos
Clareando a sala da gente jantar
Em cada um deles uma luz brilhava
De cor diferente pairando no ar.
Eu fiquei parado olhando aquelas luzes
Brilhando e piscando sem se apagar. (Os seis pirilampos - Do poeta patuense José Augusto).

A propósito, fazia tempo que não via um pirilampo. Recentemente vi um, já moribundo. Estava tão frágil que não durou muito tempo vivo.

Quando menino, gostava de contemplá-los durante muito tempo. Na zona rural onde morava, sem energia elétrica era momento e lugar favorável para o espetáculo.

Nenhum comentário:

ESPANTA-MURIÇOCAS

Um vento-brisa que soprou por aqui ontem no início da noite, trouxe bons ares e serviu como um bom espanta-muriçocas.  Elas não nos deixam e...