sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

POR TANTO FALAR EM ASFALTO

Vejam a letra da música "Tabuleiro", de Sá e Guarabyra, um dos grandes sucessos de "Fera Radical", novela global das seis, do ano de 1988. O texto fala do presente (anseio da população) que quer se tornar num eterno futuro:

No sertão as cidades esperam o dia em que o asfalto chegar
No sertão as cidades esperam o dia em que o asfalto chegar
Lá se vão os amigos
Lá se vão os tropeiros
Lá se vão automóveis
Tudo no mesmo areião
Lá se vão os amigos
Lá se vão os tropeiros
Lá se vão automóveis
Tudo no mesmo areião
Tabuleiro.

Fica o sol no caminho da campo brilhando na mata rasteira
Fica a ponte do tempo entrando no mundo pra lá da poeira
Da poeira, da poeira
No mundo pra lá da poeira
Os amigos
Os tropeiros
Automóveis
Tudo no mesmo areião.

Lá se vão os amigos
Lá se vão os tropeiros
Lá se vão automóveis
Tudo no mesmo areião
Tabuleiro.

Fica o sol no caminho da campo brilhando na mata rasteira
Fica a ponte do tempo entrando no mundo pra lá da poeira
Da poeira, da poeira
No mundo pra lá da poeira
Os amigos
Os tropeiros
Automóveis
Tudo no mesmo areião.

Lá se vão os amigos (os amigos) 
Lá se vão os tropeiros (os tropeiros)
Lá se vão automóveis
Tudo no mesmo areião
Tabuleiro.

No sertão as cidades esperam o dia em que o asfalto chegar
No sertão as cidades esperam o dia em que o asfalto chegar.

Nenhum comentário:

QUE PALAVRA!

Cabide Móvel com pequenos braços, ou móvel, ou objeto apropriado, onde se penduram roupas, chapéus, toalhas, etc. (Aurélio) Silveira Bueno a...