sábado, 29 de agosto de 2015

50 ANOS - TEXTO 34

Provérbio de sábado

Boca calada não entra mosca

O provérbio acima encaixa-se nas vezes em que falamos de modo inadequado.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

50 ANOS - TEXTO 33

Os filmes

Os filmes de antigamente tinham mais graça do que hoje. O local de se assistir é algo mágico. Tinham locais específicos como os cinemas, mercados ou prédios públicos.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

50 ANOS - TEXTO 32

Progresso

Apesar do progresso da medicina, muita gente está doente. Por que?

A natureza diariamente é agredida pelos humanos, nas mais diversas formas. A comida está cheia de veneno e o meio ambiente, poluído. Eis a razão.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

50 ANOS - TEXTO 31

Saudades

Mais uma das antigas se foi. Faz menos de um mês que dona Caboca, antiga vizinha, faleceu.

Octogenária, faz parte do meu passado, no tempo em que Upanema via as águas do rio tomarem as várzeas. Era época em que podíamos dormir com as janelas e portas escancaradas e podíamos deitar no calçamento por um bom tempo sem que fôssemos incomodados.

50 ANOS - TEXTO 30

Cidade boa

Cidade boa é aquela onde estamos nos sentindo bem.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

50 ANOS - TEXTO 29

Ainda é tempo de aprender

Diz-se que o anedótico Camonge estava no finzinho do segundo tempo de sua vida, próximo dos acréscimos, quando o único amigo que o assistia pegou um pouco de areia e colocou um brasinha em cima, assoprando de leve e deixando a chama acesa.

O moribundo não perdeu tempo nem a pose e disse:

"É morrendo e aprendendo!"


50 ANOS - TEXTO 28

Saudades dos que se foram

Algumas pessoas do nosso convívio, não tem jeito. Um dia vão e nem sequer podem dizer adeus.

Minha lista é enorme. Destaco Dona Celina, moradora da Rua Francisco Agostinho. Em sua casa, muitas vezes acompanhado de minha mãe, escutava "A hora da coalhada" e a Ave Maria. O primeiro programa era na Rádio Rural de Mossoró. O outro, na Sociedade da Bahia.

50 ANOS - TEXTO 27

Uma geração da teclagem

Além de ser acostumada com o visual, a atual geração é tecleira. Não tem o costume de escrever usando a mão da forma que se usa canetas.

O problema é que as teclas e as canetas convivem juntas e não consegue entender que há momentos que a caneta é indispensável. Quando? No vestibular e no ENEM.




50 ANOS - TEXTO 26

A tecnologia que atrapalha

Com a eferverscência das redes sociais, professores e pais estão sofrendo por causa do uso inadequado dos aparelhinhos na vida escolar e no lar.

O que poderia ser instrumento positivo, atrapalha.

O problema persiste e não vislumbra-se uma solução a curto prazo.

50 ANOS - TEXTO 25

Orkut já era

O Orkut, apesar de tão moderno, foi-se cedo demais, dando lugar ao face.

A pergunta que não quer calar:

O que vão inventar daqui pra frente?

50 ANOS - TEXTO 24

Facebook

O Face deveria ser um instrumento de amizade verdadeira e ambiente de interação, tirando os exibicionismos, a hipocrisia e a revelação da intimidade. Fora disso, é uma maravilha!

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

50 ANOS - TEXTO 23

Açaí

O açaí e o sanduíche são dois mercados em alta. Quem quiser uns bons trocados é só botar um desses comércios.

50 ANOS - TEXTO 22

Câmara

A cara da Câmara de vereadores precisa mudar. Nos quatro cantos da cidade os edis estão queimados. Precisam mostrar serviço.

50 ANOS - TEXTO 21

Venha teu reino

O reino de Deus só chega quando ahudamos o rei a governar.

50 ANOS TEXTO 20

Acolhida

É mais fácil espantarmos os outros do que acolhermos. A acolhida é para poucos.

50 ANOS - TEXTO 19

Pobreza

Pobreza não é motivo para delinquência.

50 ANOS - TEXTO 18

A cada dia

A cada dia mais aumentam os politiqueiros. E é na internet onde eles mais trabalham.

50 ANOS -TEXTO 17

A Cada dia

A cada dia mais o mundo fica mais perigoso. Motivo?

Os valores imateriais foram para o beleleu.

50 ANOS - TEXTO 16

A CADA DIA

A cada dia mais perde-se a crença na classe política.

50 ANOS - TEXTO 15

Pena de morte

O número dos que defendem a pena de morte aumenta, porque os humanos perderam a capacidade de resolver seus problemas.

50 ANOS - TEXTO 14

O narrador onisciente

Diz-se do narrador onisciente aquele que penetra no íntimo das personagens. É como Deus: sabe nossos pensamentos e intenções.

50 ANOS - TEXTO 13

As praças

As praças têm sido tema recorrente neste informativo. Acho que elas precisam ser mais cuidadas. São pontos de encontro de todas as idades.

50 ANOS - TEXTO 12

Não tem mais vestibular

De repente deu uma coisa nos intelectuais da educação do país. Dessa vez foi com o vestibular.

Inventaram de não haver mais vestibular.

Não sabem eles que acarretará prejuízo a muitos alunos, pois o ingresso somente pelo ENEM restringe a entrada. E além disso, o ENEM é muito mais difícil do que alguns vestibulares.

50 ANOS - TEXTO 11

Escolas profissionalizantes

Aos poucos as escolas profissionalizantes deixaram de existir.

Agora já fala-se na volta delas, pois deixaram uma lacuna considerável.

50 ANOS - TEXTO 10

As trapalhadas

Somente quem está longe do poder tem a capacidade de vê que as autoridades, via de regra, atrapalham-se com suas "competências" no exercício do poder.

50 ANOS - TEXTO 9

Amar a todos, indistintamente, com todos os defeitos.

Eis o grande desafio.

50 ANOS - TEXTO 8

A cabeça da mulher

As pessoas estão aos poucos se acostumando a não terem cabeças que os guiem.

Antigamente dizia-se que o homem era o chefe da família (cabeça).

Caminhamos, caminhamos. E na brincadeirinha, todos querem ser cabeças. E o mundo piorou.

Mas as formigas ainda têm cabeças.

50 ANOS -TEXTO 7

A sílaba tônica, que é a mais forte da sílaba, ainda é pedra no sapato de muitos leitores.

Muitos problemas não resolvidos na infância e adolescência são levados para a adulta. É o caso da sílaba tônica.

50 ANOS -TEXTO 6

Para mudar minha cidade

O que ainda falta em Upanema para ser uma cidade desenvolvida? Mais supermercados? Um banco de vinte e quatro horas? Escolas de qualidade? Um hospital de médio porte?

50 ANOS - TEXTO 5

Os bons conselhos sempre são palavras sensatas que nos ajudam a caminhar na estrada do bem. Mas...

A cada dia os conselhos soam como comichões nos ouvidos.

"Se conselho fosse bom, não seria gratuito, mas custaria uma fortuna, " dizem alguns.


50 ANOS - TEXTO 4

As armas

As ideias constituem-se em grandes armas de que dispomos. Elas podem fazer o bem ou mal.

50 ANOS - TEXTO 3

Um mundo melhor

Que fazer para o mundo melhorar?

Dizem que um sorriso é um gesto mágico que pode ajudar alguém a aumentar a autoestima.

Ser correto e cortês em filas de banco e no trânsito também ajudam a melhorar o mundo.

50 ANOS - TEXTO 2

Mudanças

Quando falamos em mudança, todo mundo quer que as coisas mudem, mas nem todos estão dispostos a mudarem de comportamento. Geralmente queremos que os outros e não nós mudemos.

Fala-se em mudar a cidade, o estado, o país. Mas quando chegam lá, é só frustração do povo.

50 ANOS - TEXTO 1

No que cri

Já acreditei em cada coisa que às vezes nem acredito que acreditei naquelas coisas.

domingo, 23 de agosto de 2015

QUEM SE LEMBRA?

Vou-me embora pro passado

Ainda no rastro de Jessier Quirino, lembro-me do jeep. Como diz o ex-jogador e hoje comentarista Neto, diga-se de passagem, o jeep é um dos tipos de automóveis que sei diferenciar. Diferencio muito bem um jeep de um fiat.

O jeep me faz recordar o de Manezim Crispim e o de Galdino Carlos.

Quem se lembra do jeep e ainda quem os tem?

sábado, 22 de agosto de 2015

PROVÉRBIO DE SÁBADO

"Amigo é: poucos, com fé e escolha".

Quando nos referimos a amigos, nos lembramos dos tipos e qualidades dos amigos.

Há os que o são somente nos momentos de bonança e aliança. Fora disso, afastam-se.

Há os tipos modernos, como os do face. Estes servem apenas para estatística.

Os amigos devem ser selecionados na ponta do lápis. 

terça-feira, 18 de agosto de 2015

PRIMEIRO LUGAR

A upanemense Musi Gabriela Martins Bezerra, filha de Danilo e Marta, alcançou o primeiro lugar na Olimpíada Nacional de História, pela Unicamp- Campinas - São Paulo.

Musi ganhou a medalha de ouro juntamente com o posto de primeiro lugar do país.

A professora Marta Martins escreveu em seu facebook:

“Estamos felizes e orgulhosos de mais uma vitória, entre tantas que houveram e tantas que virão, com a graça e permissão de Deus! Pra sermos francos, não foi nenhuma surpresa a medalha de ouro, no entanto, ter sido o primeiro lugar no Brasil, foi pra arrasar nossos corações. Parabéns filha.”


OS NÚMEROS

Já repararam que os números estão presentes no nosso cotidiano? E como estão se virando as pessoas que detestam a matemática, principalmente a tabuada?

Nos últimos meses não saem dos noticiários as informações relacionadas com aumento de preços da energia, criação de taxas e redução de salários.

Todos esses números envolvem percentagens.

Portanto, já é hora de nossos estudantes despertarem e darem um stop nessa coisa de detestarem a matemática.

domingo, 16 de agosto de 2015

QUEM SE LEMBRA?

Uma latada

Uma das definições para a palavra latada é "uma armação para sustentar trepadeira", segundo a definição do lexicógrafo  Aurélio Buarque.

Nós que moramos por essas bandas sabemos que a latada não foi feita para abrigar trepadeiras, mas fazer sombras e proporcionar um momento de conforto nas horas de descanso dosado de uma boa prosa.

Para o estranho do lugar poderá até pensar em alguém jogando uma lata no outro.

Latada. Cadê as latadas? 

sábado, 15 de agosto de 2015

PROVÉRBIO DE SÁBADO

As notícias não andam; voam.

Mesmo não sendo possível estimar a idade dos provérbios, imaginamos que o supra tem de cem a mais anos.

Por ter sido criado há algum tempo, perdeu o sentido original. Se as notícias voavam, o voo era de helicóptero e agora de supersônico.

Um fato ocorrido nos Estados Unidos só sabíamos depois de alguns dias e para outros em meses. Agora sabemos no mesmo instante.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

PALAVRAS FORA DE USO

Até bem pouco tempo, era a inflação uma palavra fora de uso. Agora não.

Quem tem quinze anos, salvo os pesquisadores, não sabe o que significa inflação.

Houve um tempo em que vivíamos na pele a inflação. Percebíamos isso na desvalorização dinheiro.

Agora a geração que a viu e sentiu, está percebendo que o dinheiro perde o valor a cada compra. O fantasma está de volta e amedronta.


quarta-feira, 12 de agosto de 2015

A ESCOLA COMO ELA É

Partindo para uma quase reta final de uma carreira, já é mais que tempo de tomarmos conhecimento do chão onde pisamos.

Constatamos situações na escola que quanto poderia ser melhor, as coisas pioram. É que os investimentos não surtem efeito positivo: não aumenta a aprendizagem, a produtividade e o interesse.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

ESCOLA É LUGAR DE FORMAÇÃO

Já está na hora de desfazermos alguns equívocos que nos impingiram ao longo dos anos acerca da educação formal.

Um deles é o papel da escola. O único papel da escola é formação intelectual. Traduzindo: levar aos educandos o conhecimento dos conteúdos das mais variadas disciplinas.

Cabe à família a educação no que se refere aos valores que sustentam a sociedade: respeito, disciplina, honestidade, honra, etc.

As pessoas que instruem são professores e não educadores.

Por fazerem tudo pelo avesso é que a cada dia os investmentos não estão tendo retorno. 

Pelo mesmo motivo é que os estudantes diminuem, apesar de haver muita gente esquentando as cadeiras.

Para piorar a situação temos uma geração que não sabe ouvir o que os mais experientes têm a dizer, pois se acham autossuficientes. Muitos têm as ferramentas que poderiam servir como instrumentos que poderiam ajudá-los, mas não o fazem. Estão na situação que fala a música "Pra não dizer que não falei de flores".

"...Quase todos perdidos de armas nas mãos".

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

DIA DE FESTA

Na Escola Calazans Freire e Maria Gorete a festa do dia dos estudantes foi realizada hoje.

Amanhã os estudantes terão folga e só voltarão na quarta-feira.

domingo, 9 de agosto de 2015

QUEM SE LEMBRA?

No rastro de "Vou-me embora pro passado", de Jessier Quirino.

"Vou-me embora pro passado" é um texto de Jessier Quirino que parodeia "Vou-me embora pra pasárgada", belo poema de Manuel Bandeira.

Uma das recordações de Jessier é o pente Flamengo. Não sei se o poeta torce pelo time fluminense. Isso não importa. Importa a lembrança de coisas do passado, fruto do trabalho de um time vencedor naquelas eras.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

TEXTINHO ÓBVIO

Nossas manhãs estão bastante frias que fazem aflorar nossa preguiça e vontade de não se levantar da cama.

A frialdade neste ano chegou tardiamente. Às vezes chegavam em junho. Agora somente no final do mês de julho.


segunda-feira, 3 de agosto de 2015

NOSSA DISPLICÊNCIA

A displicência tem sido uma das causas dos acidentes no trânsito. Ela tem sido também objeto de prejuízo todas as vezes que assinamos um papel ser antes ler.

Os dois tipos de displicência estão presentes na nossa vida e fazem a diferença num abrir e fechar de olhos. Olho vivo!

domingo, 2 de agosto de 2015

QUEM SE LEMBRA?

O quem se lembra de hoje é apenas um registro, visto que "latada" ainda existem muitas. Na zona rural há muitas latadas nas casas mais simples.

sábado, 1 de agosto de 2015

OPORTUNIDADES

Os desafios são poucos na ponta de baixo e enormes na de cima quando se trata das dificuldades de acesso ao estudo formal.

Toda criança na escola ou qualquer pessoa que não tem escolaridade têm direito de frequentar os bancos escolares.

Lamentavelmente há ainda muita gente que não se tocou para o fato de ser sujeito ativo e não passivo.

A escola é feita para os alunos e não para os professores e demais funcionários.

Portanto, não devem perder a oportunidade de serem estudantes de verdade, ou seja participativos e proativos.