quinta-feira, 16 de novembro de 2017

BIOMETRIA

De 14 de novembro a 13 de dezembro Upanema faz a biometria.

A modernidade tem preço: faz-se necessário pegar uma fila 'desse tamanho' ! para chegar ao ponto e, de posse dos documentos, fazer a biometria.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

CHICO BAFO

Faleceu ontem o Senhor Chico Bafo. Nome de registro: Francisco Bernardo da Silva, 76 anos. Militou na eletricidade e foi agricultor e comerciante.

Muitos desconhecem seu lado artístico. Era músico na primeira banda municipal de Upanema, lá pelos anos 60.


quarta-feira, 8 de novembro de 2017

CIDADE NUBLADA

Não é uma boa notícia onde choveu ontem muito e tem previsão para chover hoje.

Pelo menos é a opinião dos que noticiam previsão de chuva.

Mas para nós isso soa mal.

Hoje está nublado e queremos boas notícias.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

NÃO DÁ MAIS TEMPO

Não dá mais tempo estudar para passar neste ENEM. Lógico. O que foi feito, está feito.

Mas, o que se pode fazer é preparar a cabeça para não se aperriar na hora das provas.

O ENEM ESTÁ CHEGANDO

Mais uma prova do ENEM será realizada.

Neste ano será em duas etapas, ou seja, em dois domingos.

Começa no domingo, 5, com a prova de redação.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

VÁ TRABALHAR!

"Vá trabalhar", disse um transeunte ao ver um coveiro sentado num banco da praça, próximo ao cemitério.

"Morra", retrucou de imediato o ofendido coveiro. 

domingo, 29 de outubro de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra das enciclopédias?

Não é exagero dizermos que elas equivaliam à internet hoje.

Ah! Como eu queria possuir uma!

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

EMBATE

O bem e o mal sempre estiveram em combate em todas as esferas da sociedade. Agora, mais do que nunca, vemos-los brigando, de arma em punho, cada um querendo vencer.

Que vença o primeiro!

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

ASSUSTADORA

Assustadora a notícia de que muita gente está morrendo com o telefone na mão. Se fosse há quarenta anos ou um pouco menos, as pessoas que assim morriam, só podia ser de ataque cardíaco ou assassinadas dentro de casa. Ou até mesmo se estivessem doentinhos, doentinhos. 

Mas hoje é no trânsito que muita gente não quer largar o osso, digo, largar o celular. Então, o carro colhe ambos e mata a pessoa e os sonhos.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

DIAS QUENTES E SECOS

Os dias quentes estão com dias contados. Pelo menos é o que parece nos fazer entender os estudiosos das coisas da seca.

Dois mil e dezoito será chuvoso.

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

RUAS RASGADAS

Mais uma etapa do saneamento básico de Upanema.

Vamos esperar se é dessa vez que o trabalho será concretizado. 

domingo, 15 de outubro de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra dos professores antigos de pelo menos quarenta anos atrás?

Lembro-me dos meus primeiros professores. Naquela época provavelmemte as professoras superavam os masculinos.

Luzimar, Ritinha Freire, Hilda, Toinha de Chaguinha, Leni, Zé Batista, Rosilda. Foram as primeiras pessoas que me orientaram no saber.

Naquele tempo, titia era somente a irmã do nosso pai ou mãe.

Nossa professora era chamada de professora mesmo.

sábado, 14 de outubro de 2017

QUE PALAVRA!

Barracão: Grande barraca. Abrigo ou telheiro, ou casa provisória, para guardar utensílios ou depositar materiais de construção. Barraco. (Minidicionário Aurélio)

Barracão nos tempos mais antigos e aonda usado por alguns, significa um local onde os trabalhadores pegam mantimentos, para prestar contas com o trabalho no final da semana ou mês. 

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

O DIA

O dia amanheceu bom, com sol escondido nas nuvens. Nublado, na linguagem fácil.

É assim que queremos o tempo todo, apesar de não podermos fazer nada nesse sentido.

O ser humano é poderoso, mas não consegue esconder o sol.

domingo, 1 de outubro de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra do objeto feito de plástico (um lado mais fundo do que outro), cor azul,  e que servia para medir o açúcar e o sal como soro caseiro?

Essa medidazinha sumiu do meio de nós. Será que alguém ainda usa isso?

terça-feira, 26 de setembro de 2017

FEIRA DO LIVRO DE MOSSORÓ

A Feira do livro deste ano em Mossoró foi sediada no Partage Shopping.Em breves palavras, digo que o evento elitizou-se.

O fato de ser no shopping, dificultou o acesso de pessoas que não possuem transporte.

Se fosse no centro da cidade ou mesmo próximo à UFERSA, mais pessoas de baixa renda poderiam chegar lá com mais facilidade.

Quanto ao espaço, muitas pessoas reclamaram do aperto que passaram. Era gente demais para o pouco espaço.

Quanto às promoções, havia livros com preços acessíveis.




domingo, 24 de setembro de 2017

QUEM SE LEMBRA?

O charisma da Avon será que ainda existe?

Charisma era um perfume muito usado no empo em que não havia por aqui outras marcas.

domingo, 17 de setembro de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Xícaras

Quem se lembra das xícaras de antigamente?

As xícaras eram geralmente de louça frágil. A asa era a parte mais fácil de quebrar. Raramente havia uma com asa.

sábado, 16 de setembro de 2017

QUE PALAVRA!

Banzar: Pensar detidamente: cismar. (Minidicionário Aurélio).

Se alguém está banzando, está andando ao léu, à toa, sem rumo, reza o nosso linguajar local.



sexta-feira, 15 de setembro de 2017

TRI-CAMPEÃO

A Escola Estadual José Calazans Freire, Ensino Fundamental e Médio ganhou pela terceira vez o intercolegial.

Como sempre, a disputa foi dura, mas o Calazans obteve mais de quinhentos pontos e venceu mais uma vez.






quinta-feira, 14 de setembro de 2017

TRIBUTO

A tradicional apresentação da peça "Tributo a Upanema" terá estreia hoje a partir das 19 horas, na Praça de eventos.

O Tributo contará a história dos 64 anos do município de Upanema emancipado da vizinha Campo Grande.

Esperamos um espetáculo igual ou melhor do que os anos anteriores.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

INTER-COLEGIAL

Ontem e hoje as escolas do município participaram de gincana, jogos.

O resultado ainda não saiu, mas temos algum palpite.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

UPANEMA EM FESTA

As escolas da cidade têm uma programação esportiva hoje e amanhã.

A programação faz parte da comemoração dos 64 anos de emancipação política.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

FESTA

Parecido com os velhos tempos, o desfile de hoje em Upanema transformou- se em festa.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

A SEMANA

Durante toda a semana, o serviço de telefonia foi comprometido. Num segundo prestava. Logo em seguida, não.

Normalizou. Ainda bem.

LULA CÁ

Está prevista a passagem do ex-presidente Lula pela nossa cidade hoje, lá pelas dez da manhã.

Coisa nunca vista, diria o povo mais antigo.

domingo, 27 de agosto de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra dos catálogos telefônicos?

O catálogo era uma ferramenta valiosa para os telefonistas e telefonadores. O catálogo priorizava as empresas e entidades.

Era o tempo dos catálogos e das decorebas de números telefônicos.

Hoje decoramos apenas o nosso número.

Quem se lembra disso? 

domingo, 20 de agosto de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra do sabonete gessy?

Nos anos 70, era um dos sabonetes mais usados por aqui. Não é que fosse ruim, mas não tínhamos muitas alternativas. Depois apareceu lux, rexona, phebo, senador.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

DESORGANIZAR

Parece paradoxo, mas muitas vezes o que é organizado precisa ficar desorganizado para que as coisas funcionem bem.

O resultado das torcidas e crimes organizados já falam por si.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

SEM REDE

Quase sempre quando telefonamos nesses últimos dias, uma mensagem diz que estamos sem rede.

domingo, 13 de agosto de 2017

PAIS

Na média, os pais são heróis no exercício a que se propôs. É uma missão difícil, razão pela qual muitos preferem evitá-la.

DOMINGO É DIA DE LEMBRAR DE VALDECIR

Houve um tempo que em todos os dias da semana, Valdecir, conhecido por Ninhada, distribuía jornais em toda a cidade.

Primeiro, ele representava os extintos Diário de Natal, Gazeta do Oeste, Tribuna e O mossoroense. Também vendia o De fato. Depois, já em 2003, o Jornal de Upanema. Aos domingos havia as edições especiais.

No terceiro número do JU, a coluna Linguagem.com assim homenageou Valdecir:

JORNALEIRO

Todo jornaleiro tem algo de jornalista, pois conhece todas as notícias que estes escrevem e as anunciam aos leitores para que comprem os jornais. Nossa homenagem, portanto, aos entregadores de jornais ou, como também são conhecidos, os gazeteiros, de modo especial a Valdecir, o "Ninhada", e ao conterrâneo Joab Carvalho, que distribui o JORNAL DE UPANEMA em Natal, pela passagem de seu dia: 15 de dezembro. (quinta, 25 de dezembro de 2003).

Obs: Valdecir faleceu na segunda-feira, 7 de agosto próximo passado.


QUEM SE LEMBRA?

Lamparina de querosene

Há quarenta anos era raro o uso da energia elétrica. A lamparina era praticamente o único meio de iluminar uma casa.

Dificilmente alguma tinha um lampião. Energia de outra forma somente para alguns privilegiados.

Apesar dos anos passados, ainda nos lembramos do cheirinho e da fumaça do gás.

Não dá pra ter saudade, mas dá pra sentirmos uma coisinha boa que rói dentro de nós.



sábado, 12 de agosto de 2017

QUE PALAVRA!

Mulherio: sf. Grupo de mulheres. Mulherada.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

ESTUDANTES

Hoje é o dia deles. Aliás, é meu dia também, pois apesar de não estar nos bancos esvolares, considero-me um eterno estudante.

Portanto, parabéns para nós, nesta data querida!

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

É ESCANTEIO!

  • Nossas jogadas precisam ser transformadas em gols. Escanteio é pouco.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

PERDA

A cidade despediu-se hoje de Valdecir, conhecido por Ninhada.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

ENCEJA

Começaram as inscrições para o ENCEJA.

domingo, 6 de agosto de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Fogão a lenha

O fogão movido a lenha faz parte das coisas antigas que a minha geração lembra até com uma ponta de saudosismo.

Não queremos que volte aquele tempo, mas sentimos saudades do tempo em que esperávamos nossa nossa mãe terminar de ferver o cafezinho ou o almoço, e sentido a quentura do fogo.

Há até quem queira nos fazer acreditar que a comida cozinhada no fogão a lenha era mais gostosa.

Sei não. Só sei que a era daquele tipo de fogão já passou. E será difícil a gente encontrar alguém que ainda cozinhe daquele jeito.

Quem se lembra daquilo?

sábado, 5 de agosto de 2017

QUE PALAVRA!

Banguela: adj2g e s2g. Diz-se de, ou pessoa ou arcada dentária é falha na frente. (Minidicionário Aurélio).

Banguela diz-se de algo que desembesta, fica sem controle. "A bicicleta desceu na banguela,  pois não tinha freio."


sexta-feira, 4 de agosto de 2017

DIAS DE AGOSTO

Os dias de agosto não são mais desgostosos do que os não agostianos.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

FRASE

As pedras no nosso caminho faz-se necessário que as quebremos. 

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

ARENA

Para fins de registro, foi inaugurado no sábado, 19 de julho, a Arena Upanema Society.

A Arena é um espaço de esportivo e de lazer de Upanema, situado próximo ao estádio de futebol José de Anchieta Freire, o conhecido Freirão.

No evento estava presente o ex-jogador Souza.


terça-feira, 1 de agosto de 2017

SIMPLICIDADE

A vida é simples. A gente é que a complicamos ela.

Estão vendo?  Para que o uso de "ela" se o pronome "a" já substituiu a palavra vida?

segunda-feira, 31 de julho de 2017

PROJETOS CLASSIFICADOS DA FEIRA DE CIÊNCIAS DO CALAZANS

Reaproveitamento da água da pocilga - 50 pontos - nono ano A, matutino

Poste ecológico - 43 pontos - Primeira série B, matutino

Aplicativo - 42 pontos - Oitavo ano A, matutino.

( fonte MURAL CALAZANS)


domingo, 30 de julho de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Ferro de passar a carvão

O ferro de passar a carvão foi durante muitos anos um valioso objeto numa residência. Era um trabalho penoso, braçal, trabalhoso mesmo, mas o que se tinha na época como engomar (passar) a roupa.

As passadeiras pegavam o carvão e botava com cuidado dentro do ferro. Em seguida, abanava com um chapéu de palha ou outro objeto. Depois balançava o ferro na horizontal durante alguns minutos. Estava aceso para a engomação.

Elas usavam algumas estratégias: botavam primeiro as roupas que aguentavam o ferro muito quente e assim sucessivamente. 

sábado, 29 de julho de 2017

QUE PALAVRA!

Bandó: sm. Cada parte  do cabelo que, em certo penteado feminino, assenta de cada lado da testa.

Que palavra! Não a conheço e cuido que muitos não a conhecem.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

TARDE MOLHADA

Volta a neblinar na cidade. Com ela, veio o friinho.

ESTAREMOS LÁ

Todos os anos, escolas estaduais e as municipais de Mossoró participam da Feira do Livro em Mossoró.

Estaremos lá, se for confirmada a data dessa maravilhosa feira.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

FEIRA DO LIVRO

A feira do livro deste ano será de 16 a 20 de agosto.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

RESERVATÓRIOS

Apesar das chuvas frequentes em todo o país, a situação dos reservatórios d'água é calamitosa, disse o noticiário de hoje cedinho.

Não tenho dados concretos, mas a situação da nossa barragem não é das melhores.

São problemas para os administradores resolverem. Afinal, foram eles mesmos que gritaram nos palanques que eram competentes para resolver os problemas. E os adversários, não.


terça-feira, 25 de julho de 2017

OPORTUNIDADES

Dizem que "a oportunidade passa num cavalo galopando". Parece ser mesmo.

Há oportunidades que ainda conseguimos alcançar. Depende da velocidade do cavalo.

domingo, 23 de julho de 2017

QUEM SE LEMBRA?

A fotografia além de ser em preto e branco, tinha formatos diferentes.

Podia-se encomendar fotos de vários tamanhos, inclusive os de três por quatro, que eram específicos para documentos.

Foto colorida era raro, tão raro, que nem sei se era tirada nesse redondeza.

O formato mais estranho, caso alguém dessa geração de quinze anos seja informada é o binóculo. O binóculo era uma novidade e mais caro.

Quem se lembra disso?

sábado, 22 de julho de 2017

QUE PALAVRA!

Balde todo mundo sabe, já balda...

Seria o feminino de balde?

Balda: sf.  Defeito habitual; mania. (Minidicionário Aurélio)

sexta-feira, 21 de julho de 2017

CADA UM POR SI E PELOS OUTROS

Quem dirige algum transporte automotivo ou não urge uma atenção redobrada, principalmente no período chuvoso.

Quem dirige sabe que deve dirigir por si e pelos outros que não trafegam adequadamente.

TEMPO CHUVOSO

Desde a tarde de ontem, a cidade é banhada por chuvas e chuviscos.

O estado requer mais atenção das pessoas quando estiverem na via pública.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

CHUVA

Boa parte da tarde e noite de hoje caiu uma boa neblina na cidade.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

RETRATO

O período chuvoso para o Nordeste já passou, mas há previsão de chuva hoje para a capital do RN.

Para outras cidades sobram o frio, poucas nuvens e céu cinzento.

Esse é o retrato da terrinha amada, Upanema.

terça-feira, 18 de julho de 2017

POESIA POPULAR

Dias melhores virão!
Na direção do paraíso
E pra sempre se dirá
Qual o sentido de cada pensamento
Se virá o momento.

As lágrimas sem desespero
Nas noites de amor (...)
Refletirá na luz da manhã
Mas pelo meio do campo
Alguém caminhará.

Caminho vazio no passo macio
Somente a vagar
Juventude sincera
Rara beleza que bela fera.

Fera ferida, não pensa na vida
Cruza montanhas
Tem todas as manhas

Nas águas do mar...

(Mano Costa)

segunda-feira, 17 de julho de 2017

VENTOS SOLTOS

Ventos soltos e leves têm sido frequentes todas as noites, desde a boca ao fim das noites.

Que maravilha!

domingo, 16 de julho de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Em "O sítio", Gilberto Amado resgata em sua memória o tempo em que passava semanas num sítio de propriedade deles. Lá vivia "vida nova, diferente da da vila, apanhando preá em armadilha, nambu em arapuca..."

A armadilha do preá era o quixó, uma armadilha perfeita que pegava sem dó nem piedade os preás que passavam despreocupados pelas veredas.

Eram captados e depois assassinados pelos meninos.

Quem se lembra disso?

sábado, 15 de julho de 2017

sexta-feira, 14 de julho de 2017

MAIS UMA NOITE DE LUAR

O "Luar do sertão", grupo de quadrilha da cidade, apresentou-se mais uma vez. Hoje no tradicional arraiá de Bezerra.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

UERN EM APUROS

A nossa universidade, antes FURRN, depois URRN e agora UERN, passa por dificuldades parecidas ou até mais dificultosas de quando chamávamos pelas duas primeiras siglas.

Vivemos tempos de pagamentos de carnê mensal, que muitos não pagavam porque recorriam às bolsas cedidas por prefeitos da região aliados das pessoas que comandavam aquela instituição.

Hoje os problemas parecem ter aumentado, visto que os cursos também aumentaram muito, se considerarmos o tempo em que ainda não era mantida pelo Estado. 

Refiro-me aos anos 80, e mais precisamente em 1986.

A UERN merece comemorar seu aniversário em setembro com mais tranquilidade.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

EÓLICO

A palavra eólico recentemente tem sido pronunciada e escrita amiúde e está no consciente e inconsciente de grande parcela da nação.

Para se ter uma ideia do que estou comentando, alguns minidicionários não trazem o supracitado verbete.

O vento derruba casas, muros, mas também produz energia e empurra as chuvas de uma região para outra ou até de um país para outro.

Nesse período maravilhoso em que nós norte-riograndenses estamos vivendo com brisa leve desde a manhã até a tarde, temo-lo graças aos ventos. É o que dizem os meteorologistas.

O vento foi tema de hit dos anos 80: "Vento norte" da banda Karetas. Também foi tema de campanha política. "Novos ventos, novos tempos" foi o mote do candidato e depois governador do Rio Grande do Norte Geraldo Melo, eleito pelo PMDB em 1986.

Aqueles ventos não foram bem aceitos pelos patrícios. Os de agora, sim. Os que produzem energia e os que trazem brisa leve. Falo mais por mim. Não sei o que pensam meus seis leitores.

terça-feira, 11 de julho de 2017

TEMPO BOM CONTINUA

A cidade amanhece fria, nublada, ventos frios.

É assim que eu gosto.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

VOLTA

Depois do recesso escolar de duas senanas, voltamos.

domingo, 9 de julho de 2017

VERSOS

"Admiro o picapau
Na madeira do anjico
Fica pra lá e pra cá
Taco, taco, tico, tico
Não sente dor de cabeça
Nem quebra a ponta do bico".
(Manuel Xudu)

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra das cuias? Elas mediam o volume de certos produtos, como o feijão, farinha, milho. Como o açúcar era mais raro e caro, não me lembro se também era medido dessa forma.

A cuia era usada tanto no comércio quanto em casa.

Quem se lembra disso?

sábado, 8 de julho de 2017

QUE PALAVRA!

Baile: sm. Reunião festiva em que se dança.

O bale é palavra corrente entre nós até supera o baile. Baile é a grafia correta, mas é coisa do passado. Os que iam ao baile, chamavam  bale.

Também tinha o sarau, festa que só alcancei na literatura de Macedo e Alencar.

Sarau parece ser coisa de gente chique ou intectualizada. Hoje existe o sarau literário, que é uma forma de atrair as pessoas para a leitura.


sexta-feira, 7 de julho de 2017

VENTOS

Ventos empurram as chuvas para o Nordeste e derrubam árvores, e alagam, e desabrigam as pessoas.

Natal está sendo castigada nesses dias com fortes chuvas e com previsão de comtinuar por alguns dias.

Esses ventos estão passando entre nós, mas trazem somente neblinas.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

BURACOS

Os buracos nas estradas do RN têm sido destaque na imprensa por causa dos acidentes constantes e até fatais.

É perigo constante e todo cuidado é pouco. Muito pouco.

Solução? Os candidatos do próximo ano têm.


quarta-feira, 5 de julho de 2017

É NOTÍCIA II

A água voltou "dicunforça" nas nossas tormeiras. Isto é maravilhosamente maravilhoso.

É NOTÍCIA

Mais uma vez, infelizmente continua sendo notícia a falta d'água nas torneiras do upanemense.

Esse fato faz parte da lista das coisas que todo mundo sabe como devem ser resolvidas, mas a coisa não anda.

É igual àquele técnico que todos os torcedores sabem a escalação ideal do time, entretanto o técnico não resolve e o problema continua.

terça-feira, 4 de julho de 2017

MAIS UM DIA AGRADÁVEL

Mais um dia agradável, com ventos amenos em forma de brisa leve.

Como não é comum termos esse tempo agradável, aproveitemo-lo enquanto não se esvai.

MAS QUE FRIO FAZ

Não conseguimos disfarçar dos efeitos do frios das nossas manhãs.

O friozinho de julho tem deixado muita gente dentro de casa e desestimulado à caminhada matinal.

HISTORINHA DE RECESSO ESCOLAR

Calesteral

O cara encontra um senhor bem mais velho que ele e vai logo dizendo:
"Tudo bem?"

"Que tudo bem que nada! Agora me apareceu um tal de calesteral!

segunda-feira, 3 de julho de 2017

LUAR

O bonito luar de agora à noite lembra o bonito espetáculo do "Luar do sertão", um grupo que mistura teatro e quadrilha junina.

Não tinha observado o lado teatro do grupo. A encenação de"Morte e vida severina", poema de João Cabral de Melo Neto, é simplesmente maravilhosa.

Parabéns aos promotores do evento e atores!

Em tempo: o grupo Luar do sertão apresentou-se ontem à noite ao lado da Igreja Católica diante de um grande público de todas as idades.

SUBSTANTIVOS ABSTRATOS

2018 será um ano que os eleitores vão precisar de se utilizar de alguns substantivos abstratos como paciência, sabedoria, consciência, inteligência, memória.

O quê mais?

domingo, 2 de julho de 2017

QUE ELENCO!

O doido tinha lido todos os livros do hospício. E estava doido pra ler mais.

Segue o diálogo entre doido e bibliotecário:

-Quero outro livro.
- Você já leu todos.
- Vai! Arranja outro!

De tanto insistir, o homem teve uma ideia: pega este aqui. E emprestou a lista telefônica.

O doido foi-se com o tesouro debaixo do braço.

No outro dia, ao ser indagado acerca do que falava o livro, ele apenas disse:

-Que elenco, hein!

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra dos catálogos telefônicos?

A empresa telefônica fornecia uma lista enorme de números telefônicos de empresas, comércio e entidades em geral. Incluía na lista as prefeituras com suas secretarias e todos as repartições das três esferas.

Além dos números telefônicos, os endereços apareciam junto.

Falei tudo no passado porque nunca mais vi uma lista dessa.

Quem ainda se lembra disso?

sábado, 1 de julho de 2017

JUMENTO ACIDENTADO

Já escrevi algumas vezes sobre o "nosso irmão" jumento, na opinião do rei do baião.

Agora somente algumas linhas. Escrevo para informar que vi um jumento ferido na cara, na estrada entre Upanema e Mossoró.

Alguém informou que o dito foi vítima de um acidente. Estava com a cara muito vermelha. Não fomos informados, mas provavelmente ele tenha provocado ferimentos em pessoas.

O assunto é sério e merece a atenção redobrada de quem trafega.

QUE PALAVRA!

Baião: sm. Bras. N.E. Dança e canto populares, ao som da viola e doutros instrumentos.

Falando em baião, lembro do baião-de-dois, que nada tem a ver com música, mas com comida.

A primeira vez que vi falar nessa palavra composta pensei que era baião de doido. O leitor deve perdoar minha ignorância visto que naquela época meu vocabulário era muito reduzido e minha idade, tenra.

Aos que leem esse modesto texto fora do Nordeste, informo que temos Luiz Gonzaga, o rei do baião e o baião-de-dois, um prato que é uma mistura de arroz e feijão.


sexta-feira, 30 de junho de 2017

ABRAM AS PORTAS

Abram as portas, pois lá vem o carro fumacê.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

TARDE CHUVOSA

Chuva amena banha nossa cidade no meio da tarde.

Ótimo!

quarta-feira, 28 de junho de 2017

VIOLÊNCIA

A coisa está violácea
Roxa
Triste.

Fruto da violência
Que viola a liberdade
Destrói a felicidade
É contra a nossa vontade.

Vontade e direito
De ter paz.

Pax.

terça-feira, 27 de junho de 2017

A ÁGUA VOLTOU

Desde cedinho a água voltou às nossas torneiras, depois de dois dias sem o líquido precioso, como dizíamos nos tempos sombrios de escassez de água na cidade.

Falta d'água e de informação

Na era braba de informação de zap, face e similares, falta água e informação da razão da ausência da água e de previsão da volta.

No bairro onde moro é assim. Não sei no seu.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

CIDADE NUBLADA E FALTA D'ÁGUAA

Nesses dias vivemos dois momentos: um de céu nevoento e outro de falta d'água.

Na semana que passou, faltou água nas torneiras durante alguns dias. A cena  é repetida desde ontem.

Estamos sem água e sem notícias de sua volta.

domingo, 25 de junho de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra das merendas escolares de mil novecentos e antigamente?

Não tinha merenda fornecida pelo governo. A gente levava de casa alguma bolacha ou comprava bolo, pastél, cocada, maria maluca.

Depois de beber água, voltava pra sala. Depois esperava o "sineta tocou/ pra casa eu vou/vou ver mamãezinha/alegre e feliz..."

sábado, 24 de junho de 2017

QUE PALAVRA!

Bago sm. Cada fruto do cacho de uvas. Fruto ou grão que lembre a uva. (Minidicionário Aurélio).

Aqui no Nordeste, bago é também o testículo. No filme "Guerra de Canudos", um personagem faz alusão a bago nesse último sentido.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

NO CALAZANS, A FEIRA CONTINUA

Este ano a feira de ciências do Calazans ocorreu em dois tempos: quinta e sexta.

Hoje pela manhã e à tarde, as turmas que faltavam expuseram seus projetos.

Depois teceremos comentários sobre alguns deles.

PROGRAMAÇÃO DA MARIA GORETE

Hoje pela manhã e tarde ocorre a exposição de ciência e arte. Ainda pela tarde, a final do interclasse.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

X FEIRA

A Escola Estadual José Calazans Freire promove nos dias 22 e 23 a X Feira de Ciências.

Hoje houve as apresentações de algumas turmas do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

Amanhã as demais turmas fecharão a feira.

Destaque

Chamou a atenção a turma do Oitavo ano A o projeto do uso do celular a favor do aluno.

É um aplicativo que ainda está em fase de elaboração.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

EXPOSIÇÃO DE ARTE E CIÊNCIA

A escola municipal Maria Gorete promove a Exposição de Arte e Ciência nesta sexta, 23 de junho no turno matutino.


terça-feira, 20 de junho de 2017

QUE COISA!

Reportagem de hoje do Bom dia Brasil mostra o costume ruim de pessoas jogarem lixo nas rodovias.

Há uma prática aqui similar, que é jogar-se lixo em terreno baldio, apesar da coleta regular.

Práticas desse tipo é uma constante, mas essas pessoas não se emendam.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

EM RITMO DE FEIRA

A Escola Estadual José Calazans Freire fará sua feira de ciências na próxima quinta e sexta-feira.

domingo, 18 de junho de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra das tardes de domingo?

O que faziam as pessoas outrora nos domingos, especialmente nas tardes?

"O que é que você vai fazer
Domingo à tarde?
Pois eu quero convidar você
Pra sair comigo."

As tardes a que me refiro eram embaladas por músicas como o trecho acima.

Finalzinho dos anos 60 e começo dos 70 pouca gente possuía rádio, imagina uma TV.

Então, por não ter outra coisa a fazer num domingo à tarde, aos jovens cabiam procurar uma casa onde tinha um rádio que tocava músicas do momento. A casa era ponto de encontro dos que saíam à tarde. Ali o namoro era possível, como sugere Nelson Ned em sua canção.

Os mais velhos saíam para a casa de amigos jogar cartas, futebol, jogar conversa fora, participar de uma rifa, etc.

As mulheres iam para a casa das cumades conversar.




sábado, 17 de junho de 2017

QUE PALAVRA!

Bagana: sf. guimba. (Minidicionário Aurélio)

Guimba para nós upanemenses não é sinônimo de bagana.

Bagana é comida fraca, não nutritiva.

Guimba no Aurélio é resto de cigarro.

Para nós resto de cigarro é piúba.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

O AZUL ENCOBERTO

Durante todo o dia de ontem o azul foi encoberto pelas nuvens.

Hoje o céu está descoberto a mostrar o espetáculo do azul do céu.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

DIA AGRADÁVEL

Agradável, não! Agradabilíssimo.

É o sentimento que tivemos durante este dia nublado, com brisa e bom para tudo: passear, dormir e ler um livro, diria Djavan.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

ALÉM DA VIDA

Além da vida salgada, temos que controlar o uso do sal diário.

Segundo a OMS, apenas cinco gramas devem ser consumidas por uma pessoa durante um dia.

Ao vermos uma tabela de consumo, veremos que não é nada fácil essa tarefa.

Então, cuidemos, pois.

CHUVINHA

Uma chuvinha caiu no final da madrugada de hoje.

Foi uma daquela que alegra o plantador, melhora o tempo e desestimula muita gente de sair da cama cedo.

terça-feira, 13 de junho de 2017

TEMPO DE ESTUDAR

Se as pessoas que estão na ativa, saudáveis, entendessem que o tempo é de estudar pra valer.

Há que se refletir sobre isso. Tudo passa pela consciência. É a consciência que move as pessoas.

Não adianta nada a gente desesperar-se com as pessoas que não produzem bons frutos. Um dia sentirão falta, mas nada podemos mais fazer.

NUVENS ESPARSAS

Upanema com nuvens esparsas pela manhã.

Nuvens esparsas não nos dizem nada. Pelo menos é o que as nuvens conseguem me dizer.

As nuvens esparsas não me dizem se chove ou não durante este dia. Ou diz alguma coisa ao leitor?

segunda-feira, 12 de junho de 2017

CÉU LIMPO

O céu está limpo desde a manhã e deve continuar durante o dia.

TÃO PEQUENO

A luta contra a dengue deve ser diária.

Disso sabemos, mas mesmo com passeatas de alertas feitas por escolas em pleno sábado de manhã, o bichinho não desiste da gente. 

domingo, 11 de junho de 2017

SEU MANEL

Partiu para a pátria definitiva ontem pela manhã o senhor Manoel da Cabeça Branca. Este é o nome pelo qual ficou conhecido. Tinha 75 anos.

A partida de seu Manel me fez lembrar do meu tempo de criança na Rua Francisco Agostinho.

Quase toda a década de 70 convivemos ali, na alegria e na necessidade. Dona Terezinha fica viúva com todos os filhos criados.

QUEM SE LEMBRA?

É lambreta!

Uma senhora atravessava todo mês, numa lambreta, a fronteira com um saco de areia no bagageiro.

Todo mês era a mesma coisa: o chefe da alfândega esvaziava o saco e só encontrava areia.

Enfezado, o homem diz para a senhora:

- Sou manjado nisso e sei que a senhora está contrabandeando alguma coisa. Então, diga-me qual é o contrabando? Juro que não vou multar.

- Jura que não espaia?
- Juro.
-É lambreta!

Quem se lembra da lambreta? Que tinha lambreta em Upanema?

A febre alta das lambretas no Brasil foi entre os anos 50 e 60.

sábado, 10 de junho de 2017

QUE PALAVRA!

Bagageiro: sm. Carregador de bagagens. Carro de bagagens. Estrutura metálica, no teto de carros, para transporte de volumes.

Bagageiro não é palavra estranha, como geralmente publico aqui toda semana uma, mas é algo que me faz lembrar as primeiras vezes que pedalei uma bicicleta e foi preciso carregar alguma coisa pesada no bagageiro.

Outra lembrança é o fato de grande parte das bicicletas daquele tempo não haver esse acessório. Naquele tempo a compra de um bagageiro não era fácil devido às condições difíceis.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

NEM TUDO É LIXO

Nem tudo que se considera lixo ou que se joga no lixão poderia não ser levado pra lá, caso observássemos leis do bom senso, entre as quais o não desperdício de comidas, o não rebolamento de objetos que ainda poderiam ser aproveitados e até reaproveitamento de materiais em geral.

Se o Brasil não é campeão na produção de lixo, chega pertinho. 

Quanto à nossa cidade, percebe-se o número elevado de lixo, pelo volume coletado durante a semana. 

Temos a coleta regular nos carros, mas ainda falta a seletiva e melhorar os serviços de reciclagem.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

MUDANÇA

Até o sol muda de lugar para lançar sua luz no horizonte.

Mas nós humanos, quando mudamos, quase sempre é pra pior.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

SISU

Estamos na primeira etapa das oportunidades que os alunos que realizaram provas do ENEM têm para ingressarem na Universidade.

O prazo dachamada de espera vai até o dia 19.

terça-feira, 6 de junho de 2017

DIA DE OBMEP

Alunos da rede pública e particular fazem hoje prova da olimpíada de matemática.

Neste ano, novos e velhos talentos na área serão descobertos.

Upanema já virou tradição nesse sentido. Aguardaremos o final das duas fases para conhecermos os novos talentos.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

CHUVA

A chuva de quarta-feira, último dia de maio, foi de 6mm.

Informação de Yamashiro.

domingo, 4 de junho de 2017

MILTON MAQUES ENTREVISTADO NO JORNAL DE UPANEMA

Continuação da entrevista do doutor Milton Marques:

MM: Lá em João Pessoa, quando terminei o científico, fiz o vestibular de medicina e tive a sorte de ser aprovado. No quarto ano, eu comecei a me interessar por psiquiatria graças ao professor Heronildes da Silva. Resultado: quando abriu o concurso para fazer residência na USP em São Paulo, uma concorrência violenta, eu consegui passar. Foi outra grande vitória que achei em minha vida. Passei um ano fazendo esse curso e, apesar de ter passado em alguns concursos em São Paulo, voltei para Mossoró. Não sei se por causa de minha mãe ou por causa de minha namorada Zilene que hoje é minha esposa.

Aqui em Mossoró não tinha médico psiquiatra. Então, comecei a fazer psiquiatria aqui e entendi de fazer uma casa de saúde. Naquela época, os pacientes ficavam na cadeia pública até juntar 4 ou 5 pacientes para levá-los a Natal. Eu achei aquilo um tanto animalesco e resolvi fazer a casa de saúde. Eu não tinha capital para fazê-la. Então fiz uma sociedade de 5 médicos. Alugamos uma casa no centro da cidade. De lá, depois de dois anos, eu comecei a construir a Casa de Saúde São Camilo.

JU: O senhor foi o pioneiro na TV em Mossoró. Nos fale um pouco sobre este arrojado projeto.

MM: É que eu pensava: por que que Mossoró continua tendo a mesma era só do rádio? Já faz tanto tempo que temos televisão em todo canto. Por que que Mossoró não tem? Campina Grande já tem televisão há mais de vinte anos. Eu comecei a perceber que tinha que ter uma televisão em Mossoró. Só que uma televisão aberta em Mossoró para ser paga pelo comércio local não seria fácil, pois a televisão é um produto caro. Aí foi quando eu parti para a possibilidade de ter uma a cabo. Por que a cabo? Porque uma parte pode ser custeada pelo comércio e a parte pelo usuário. Ela está começando a aparecer, a existir. Claro, que ainda está muito tímida, sem progração definida. Nós estamos construindo aqui o prédio para o canal local. Com mais três meses, a gente estará com o canal pronto. Certamente prestará um serviço melhor à cidade.

JU: Como está a expansão da TCM?

MM: A expansão da TCM está se dando. Nós hoje estamos com 22 por cento da cidade, mas até dezembro com 42 por cento. A meta agora é atingir mais três bairros grandes, ou seja, Alto da Conceição, o restante da Boa Vista com o restante do Nova Betânia e também o Alto São Manuel. Logo depois a meta é descer para o Centro da cidade. Aí você me pergunta: por que não para o Centro agora? É que nós queríamos chegar no centro da cidade quando tivéssemos condições de oferecer internet. E internet você só oferce depois de atingir 40 por cento dos lares da cidade. Esse é um princípio da Anatel.


MENINO RUIM DE CONTA

Quando criança, ouvi de um estudante a seguinte conta de matemática:

Sete e sete, quatorze, três vezes sete, vinte e um, boto o sete e leva o um.

QUEM SE LEMBRA?

Na minha meninice e até adulto havia um remédio contra feridas, muito eficaz, por sinal.

Chamava-se merthiolate. Ardia muito a ponto da gente gritar e espernear. Mas a gente tinha certeza de que ficava logo bom.

Naquele tempo as feridas eram ocasionadas por quedas em bicicletas, cavalo de talo, quedas de jumento, dos mandados que fazíamos para nossas mães ou mesmo nas brincadeiras de esconde-esconde e similares.

O merthiolate tornou-se metonímia, (marca no lugar do produto) pois depois apareceram outros nomes comerciais, mas continuávamos chamando merthiolate ou simplesmente metiolate.

Falei em passado por que não sei se ainda há esse produto na praça.

Quem se lembra desse produto ardente?


TEMPO BOM

Considerando o conceito de tempo e clima, o tempo em Upanema neste começo de manhã é agradabilíssimo.

sábado, 3 de junho de 2017

EU SOU LUZ

Seu sorriso nos encanta
Clareia a cidade
Esquenta o chão
Seca a roupa
Multiplica os suores.

Pouca poesia
Ele inspira.
A lua, sim.
Aparece de noite
Num tempo diferente
Formato diferente
Inspira as pessoas
Clareia os becos
Onde não há luz municipal.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

SEMANA DO MEIO AMBIENTE

Estamos vivendo a semana mundial do meio ambiente. É um momento em que todos devem ser alertados sobre medidas em defesa da vida ambiental.

Não só os governos, mas toda a população civil deve ter essa preocupação. 

UMA BOA CHUVA

Uma boa chuva caiu no final da tarde e início da noite de ontem.

Foi rápida, mas forte, despejante.

Ótimo!

quinta-feira, 1 de junho de 2017

MAIO SE FOI

Maio já foi e com ele as chuvas. Segundo previsões, choveria em maio e pronto.

No domingo, 28, uma chuva banhou a cidade, dando tchau às chuvas deste ano. Se configurar as previsões.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

LIXO-LIXO

Quão difícil é transformar o lixo em algo usável.

O inverso é fácil de praticar.

Essa assertiva vale tanto para o lixo-lixo quanto o lixo-gente.

terça-feira, 30 de maio de 2017

PLANTAR

Parece fácil, mas plantar para o futuro não é.

Plantar
Semear sementes
Do bem
Do bom.

Plantar sonhos
Daqueles acordados.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

FÉ E ESPERANÇA

Se não tivermos fé, pelo menos tenhamos esperança.

Não podemos perder a esperança por dias melhores.

domingo, 28 de maio de 2017

QUEM SE LEMBRA?

"Grande instrutora"

É raro hoje ver-se alguém fazer essa declaração feita pelo doutor Milton Marques que Dona Neri, sua professora, fora sua grande instrutora.

Na verdade, os tempos mudaram e as ideologias tortas semearam seu evangelho por todo mundo e a toda criatura, segundo o qual, ninguém ensina ninguém, mas de repente o que era chamado de professor, aprende tanto ou menos que ensina.

Dessa forma, o joio foi semeado e bem espalhado.

Quem se lembra quando o professor instruía e disso os alunos se orgulhavam?

MILTON MARQUES ENTREVISTADO NO JORNAL DE UPANEMA

Continuação de domingo passado

JU: Como era a educação na época?

MM: Em torno de 50, quando Dix-sept foi eleito governador, Upanema tinha uma pequena escola, mas as professoras tinham votado em Zé Varela. E naquele tempo as coisas eram políticas, acho que muito mais que hoje.
E essas professoras foram transferidas, ficando a cidade sem escola. Até que um cidadão chamado João Melo, de Macau, que tinha uma fazenda em Upanema, trouxe essa coisa boa para Upanema.Contratou Dona Neri Gonçalves e outra professora que não lembro o nome...
Tem Toinha Bezerra também. (Nota do blog: Toinha é Tonhita de Venceslau). Naquela época Neri Gonçalves foi a minha grande instrutora.
A escola era nada mais que a mesa de sua casa, um grupinho de 13 ou 15 , e íamos todo dia para lá. Ali a gente aprendeu bem até voltar à escola Professor Alfredo Simonetti, onde fizemos até o quarto ano primário, que era o máximo que se podia fazer em Upanema. O quinto ano tinha que ser feito em Mossoró ou parar. Foi nesse limite que muitos de nossa época pararam.
Eu vim estudar em Mossoró. Vim para a casa se Seu Né Bezerra, que era primo de meu pai. Ele me aceitou aqui. Naquele tempo era assim: os estudantes iam para a casa de familiares.
JU: O senhor veio sozinho?

MM: Eu vim sozinho. Somente eu que vim. Eu achei tão ruim vir porque na época Mossoró era muito distante. Era uma viagem longa. Não tinha estrada. Na época de chuva ficava interrompido. Tinha aquela chamada Serra Mossoró que era muito perigoso. Todas as vezes que passava-se lá, tinha-se muito medo, aquela serra do Carão que fica depois do Poré. Hoje é daquela maneira, imagine antes, subindo com os mistos (caminhões que faziam a linha para Mossoró).
Então eu vim para Mossoró e só tinha dois caminhos: ou estudava muito para passar no Exame de Admissão ou voltava pra casa em Upanema para fazer o que eu fazia antes que era carregar água no ombro para casa e dar água ao gado. O Exame de Admissão era uma espécie de minivestibular que tinha que se fazer para estudar a quinta série. Era muito difícil. Chorei muitas vezes com saudade de Upanema, porque era uma vida alegre, uma vida muito boa, jovem, sadio, com vários amigos, correndo na rua de um lado para outro, brincando, rodeando a Igreja com uns carrinhos de rolimã. Mas a verdade é que eu passei no Exame de Admissão e fiz o Ginásio em Mossoró, o primeiro científico no Diocesano Santa Luzia, porque só tinha em Mossoró o primeiro lá. No segundo ano eu fui para João pessoa no mesmo processo. Uma família boa, conhecida nossa.

(Continua)


NUBLADAS

Entre a manhã e meados da tarde a cidade está nublada e com sinais visíveis de chuva.

MENINO FEIO TOCADOR DE BERIMBAU

"Menino feio
Tocador de berimbau
Toma a coruja
E o pinica-pau
Eu vi um ninho
Lá no olho da jurema
Aquilo tudo é astúcia
Da cumade sariema."

Os versos acima era musicado por nós meninos acompanhado pelo berimbau.

Éramos felizes e sabíamos.


sábado, 27 de maio de 2017

AINDAS

A água ainda é um dos bens mais indispensáveis do ser humano.

O transporte de água pelo carro-pipa para abastecer comunidades sedentas ainda é necessário no nosso meio, em plena era da informação avançada.

Fim dos anos 60 e entrada dos 70 havia esse mesmo quadro quase dantesco: carros-pipa na estrada para abastecer as casas sedentas. Onde eu morava na zona rural as pessoas esperavam pela manhã pela preciosa, cada família munida de baldes grandes ou pequenos e até potes de barro.

E projeto de mudança que é bom, nunca chega.

CONCENTRAÇÃO NUM MUNDO BARULHENTO

O mundo está a cada era mais barulhento.

O barulho dos carros e outros veículos, somado ao som estridente dos paredões e paredinhas tornam o mundo mais barulhento.

Assim, não podemos nos concentrar com eficiência num quadro desse.

Mudar é palavra proibida, pois o número de carros e sons aumenta. O problema tende a agravar-se.

QUE PALAVRA!

Bafo: sm. Ar exalado dos pulmões. Gíria: Conversa fiada. (Minidicionário Aurélio).

Calor, mormaço. Fig. Aconchego, abrigo. (Minidicionário Escolar Dermival Ribeiro Rios).

As definições acima não se contradizem, mas se complementam.
Vale lembrar que entre nós, a palavra bafo não é usada como conversa fiada ou aconchego.


Provavelmente sejam utilizadas noutras regiões do país.


sexta-feira, 26 de maio de 2017

NOVE DE JUNHO

Nove de junho é a nova data para o término da campanha de vacinação contra a gripe.

Há muita gente que está dentro do alvo que ainda não se vacinou. A meta é noventa por cento.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

BAFO

Entre a tarde e entrada da noite tivemos uma ligeira neblina, que produziu um bafo de chuva daqueles.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

IMUNES

A campanha de vacinação contra a gripe está na reta final. Findará no próximo dia 26, sexta-feira.

Funcionários da saúde é um dos alvos da campanha.

terça-feira, 23 de maio de 2017

PRIVATIZAÇÃO

Corre a notícia na imprensa do Rio Grande do Norte que a Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte pode ser privatizada. Ainda está em estudos.

O assunto deve voltar à tona, tudo porque não se privatiza de um dia pra outro.

A CAERN expandiu-se no estado do RN, vindo pra Upanema em 1978, no governo Lavoisier Maia.

Estava presente na praça Padre Adelino no dia da inauguração.

A cidade recebeu com alívio o serviço, pois a maioria da população só tinha as cacimbas como fonte de água e o ombro pra carregá-la até a casa. Raramente uma pessoa tinha um animal pra esse serviço.

Com a chegada da empresa, muita gente ainda continuou no sofrimento, seja porque não tinha condições de ter o serviço, seja porque a água era pouca e consequentemente o serviço não era bom. Traduzindo: a água não chegava nas torneiras.

Sua privatização poderá melhorar os serviços. Ou não, diria Caetano.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

TRÊS VEZES

Durante os meus cinquenta e um anos de existência, vi, através da imprensa, três pedidos de impeachment pela OAB contra presidentes do país.

Primeiro foi com Collor. Depois Dilma.

Agora é a vez de Temer. Já há alguns pedidos formalizados.

Os dois primeiros já viraram história. O último também já está na mente das pessoas e será registrado nos livros históricos.

domingo, 21 de maio de 2017

MILTON MARQUES ENTREVISTADO NO JORNAL DE UPANEMA.

A seguir, alguns trechos da entrevista que o Dr. Milton Marques concedeu ao JU, edição de 29 de maio de 2004.

Dr Milton faleceu no dia 22 de abril do ano em curso.

Jornal de Upanema: O senhor nasceu em Upanema?
Milton Marques: Eu nasci em Upanema em frente a igrejinha de Nossa Senhora da Conceição. Por sinal, a casa ainda existe. Foi modificada um pouquinho a frente e as portas.(Nota do blog: provavelmente é a casa onde mora hoje o senhor Manoel Bacurim).
Quando estava com quatro anos de idade, meu pai faleceu. Foi o primeiro tabelião de Upanema e chamava-se Francisco Marques de Medeiros. Tem, inclusive, uma rua com seu nome. (Nota do blog: a rua onde funciona o sindicato rural, farmácia de Nelson, etc.)
Eram três filhos: Manuel, Mário e eu. O cartório passou para José Calazans Freire, que é meu tio.
Lembro quando chegou a energia elétrica. A amplificadora, que era um pequeno serviço de som colocado na torre do mercado.

JU: O senhor lembra os colegas de infância?

MM: Lembro de Josafá, bom de bola. A gente queria sempre que ele jogasse no nosso time. As bolas eram de meia ainda. Arlindo Oliveira, Zé Cabral e Valter foram meus conterrâneos também.

(Continua)

QUEM SE LEMBRA?

Naqueles tempos de menino, o cavalo de talo era um dos nossos passa-tempos preferidos.

Como se fosse um pegasus, montávamos como fôssemos voar.

Na verdade, voávamos baixo, juntamente com outros da nossa idade.

Não consta na nossa memória essa prática saudável entre meninas.

Éramos guerreiros, mas nunca meninos que pensavam em fazer mal aos outros.

Quem se lembra disso?

sábado, 20 de maio de 2017

QUE PALAVRA!

Badameco:sm. João-ninguém.
João-ninguém: indivíduo sem importância.

Badameco é uma das muitas palavras da língua desconhecida pelos usuários da língua.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

NO PREGO

A água não está chegando nas torneiras.

Parece haver problemas nos canos ou "pregos" no motor.

Eis a dúvida de nós consumidores. Enquanto isso, a gente se vira como pode.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

DISCIPLINA É FUNDAMENTAL

A disciplina é fundamental em todos os quadrantes da vida.

E quando se trata de algo relacionado com aprendizagem, ela não perdoa. Um indisciplinado não aprende a tocar um instrumento sem a disciplina.

Assim, muitos que dizem sonhar em ser isso ou aquilo mas não abrem mão da indisciplina, o sonho vai virar pesadelo.

INSCRIÇÕES NO ENEM

O prazo para inscrever-se no ENEM finda na próxima sexta, 19.


quarta-feira, 17 de maio de 2017

MAIS UMA VEZ, O FRIO

O friozinho que tem o mês de junho o ponto máximo, já chegou.

Uns reclamam do calor, mas também reclamam do frio entre a madrugada e manhã.

Vá entender o povo!

terça-feira, 16 de maio de 2017

EM BUSCA DA PERFEIÇÃO II

Assim, qualquer profissional precisa buscar a perfeição em tudo o que faz.

Um fabricante de móveis não pode contentar-se em fazer uma cadeira bem feita. Quanto mais bem feita, melhor.

Com os prestadores de serviço é e deve ser assim.

No serviço público não é, mas deveria.

EM BUSCA DA PERFEIÇÃO

Nosso alvo é a perfeição em tudo que fazemos, mesmos que cometamos muitos erros por sermos imperfeitos.

Esse pensamento serve para todas as pessoas.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

CELULAR E LIVRO

Na labuta diária na escola, constatamos quão viciados estão os alunos no celular.

Parece moralismo barato, mas não é. Constata-se que a pesquisa escolar é coisa rara. "Todos estão surdos" e não conseguem entender o valor da pesquisa. As redes sociais de bate-papos fazem deles leitores, mas deficientes e só os empurram de ladeira abaixo.

Enquanto isso, a leitura dos livros é deixada pra trás. Fica o alerta.

domingo, 14 de maio de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra das tevês antigas?

Das tevês antigas a mais lembrada pela geração dos cinquentões, mesmo dos que não a possuíam, é a telefunken.

A Philco e Phillips também são lembradas.

Tinha a marca Colorado, mas só lembrada por pessoas um pouco mais velhas.

Os que se lembram desses primeiros aparelhos não se esquecem dos malabarismos que faziam para assistir a um futebol, filme ou novela.

Os mais conhecidos eram o subimento na casa para posicionar melhor a antena ou botar um pedaço de bombril nela.

Nada disso fizemos lá em casa, pois esse aparelho era artigo de luxo.


POR CAUSA DE UM MAXIXE, FILHO LEMBRA DA MÃE

Nos tempos difíceis, as pessoas comiam maxixe no café da manhã, no almoço e no jantar, se fosse o caso.

Num desses banquetes de maxixe, um cara bastante faminto sacudiu um na boca sem imaginar o quanto estava quente. O bicho tava fervendo feito o sapirico.

O cara com vergonha de botar pra fora na presença de todos, resolveu aguentá-lo na boca até ele esfriar.

Depois de alguns segundos, uma lágrima começou a escorrer. Um dos presentes perguntou curioso:

- O que foi? Tá chorando por quê?

O homem não se enrolou e respondeu:

- É que hoje está fazendo vinte anos que minha mãezinha morreu!




sábado, 13 de maio de 2017

QUE PALAVRA!

Badalo: sm. Peça de metal pendurada no interior do sino, chocalho, etc., para fazê-los soar. (Mini dicionário Aurélio).

Boca de badalo refere-se a alguém que fala demais.


sexta-feira, 12 de maio de 2017

TEMPO DE LER E ESCREVER

A leitura é chave que abre portas. No campo do conhecimento, especialmente na escola, o aluno que muito ler tem muita chance de vencer nos exames que participar.

O ENEM está às portas para testar a capacidade ou o fracasso dos alunos.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

O VALOR DAS COMPARANÇAS

A comparação é importante para que vejamos que caminho devemos tomar, seja no particular ou público.

Na escola, o aluno que sabe comparar sai ganhando. Ao redigir um texto, a comparação entre dois fatos, duas sentenças, é importante, pois enriquece-o.

Quem sabe comparar preços, economiza.

Só não devemos comparar nossas vidas com as outros, porque vida boa não é a os outros, mas a nossa.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

PRIMEIRAS PREVISÕES

As primeiras previsões apontavam chuvas para o mês de maio com intensidade.

Por aqui essas previsões não se confirmaram.

terça-feira, 9 de maio de 2017

CONTRA A CORRENTE

Há momentos que até parece que estamos lutando contra a corrente ou como o personagem Dom Quixote, de Cervantes, contra moinhos de vento.

Aquilo que defendemos com convicção é atropelado pelos outros.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

ENEM

Começam hoje as inscrições para o ENEM 2017.
Uma das novidades é as provas em dois tempos: 5 e 12 de novembro.

domingo, 7 de maio de 2017

MILTON MARQUES NO JORNAL DE UPANEMA

A primeira edição do Jornal de Upanema, dia 26 de outubro de 2003, publicou um texto produzido pelo doutor Milton Marques de Medeiros, falecido no dia 22 de abril deste ano. Ele recorda fatos do passado e do presente da nossa cidade.

Eis o texto na íntegra:

Upanema de todos os tempos

No início dos anos 50, assumiu o governo do Estado do Rio G. do Norte, o senhor Dix-Sept Rosado. Era praxe, na época, quando um município não oferecia maioria ao governador recém-eleito, logo surgir naquela cidade uma espécie de punição ao seu povo, desferida pelo novo mandatário, quase sempre acobertada pelo rancor e ódio dos conterrâneos frustrados pela recente e mal absolvida derrota eleitoral. Na grande vila de Upanema existia uma única escola primária, Grupo Escolar Prof. Alfredo Simonetti. O educandário, embora pequeno com apenas duas classes de aula, cumpria condignamente sua função de bem formar e educar gerações seguidas. Contribuiu muito para o ensino da terrinha. Quando os estudantes atingiam o quarto ano primário, paravam de estudar. Alguns que dispunham de parentes a distância ou situação financeira favorável, eram deslocados para outras cidades maiores, como Mossoró e Assu, objetivando fazer o quinto ano e a seguir, submetiam-se ao "Exame de Admissão", espécie de vestibular onde poucos eram os aprovados e por conseguinte, continuavam seus cursos ginasial e depois científico.

Pois bem. Naquele ano, Upanema perdeu duas professoras, transferidas para Patu, ficando as crianças sem aulas e sem nenhuma informação de quando o problema seria resolvido. Após vários meses sem aula, o industrial João Melo, residente em Macau, e que tinha em Upanema transações comerciais no mercado de algodão, se sensibilizou sobre o assunto e contratou(pagando do seu bolso), uma professora, dona Neri Gonçalves para ensinar as crianças pobres da cidade em sua própria residência. A classe de aula ficava na classe da frente ou sala de visita de dona Neri. As crianças se distribuíam em torno de uma única mesa grande e se sentavam em tamboretes de madeira sem encosto, dispostas em círculo, tendo como eixo central a palmatória afiada para ser usada na hora precisa, momento da cobrança da impiedosa tabuada que não podia faltar para aqueles que quisessem aprendê-la. Era a metodologia da época. Seu uso não simbolizava castigo ou menosprezo, mas simples ritual pedagógico plenamente aceito por todos, melindres e acusações, até porque todos da turma acertavam  e erravam dando ou recebendo "bolos" nas palmas das mãos sem qualquer sensura. Tudo muito natural. Não havia a visão de ninguém maltratar ninguém. Hoje contemplamos 53 anos de história. Dá gosto comparar e ver quanto evoluímos. Ontem recebi aqui na TCM - TV Cabo Mossoró a visita de um grupo conterrâneo que está heroicamente lançando um jornal escrito em Upanema. Veio apresentado pelo professor José Mário Bezerra. E como gostei em saber que pretendem levar o projeto para edições mensais falando sobre cultura, costumes e conquitas da nossa sociedade upanemense. Bravos jovens. Parabéns. Que Nossa Senhora da Conceição, padroeira de todos nós, lhes abençoem em todos o mesmo entusiasmo por longos anos de aproveitamento e vitórias sucessivas. A Upanema, que um dia ficou sem uma única escola para ensinar seus filhos, deu a volta por cima, e hoje regozija-se em assistir o lançamento de seu primeiro jornal escrito, fruto da coragem e determinação dos novos professores, nossos irmãos, agentes das letras, as mesmas letras que, conforme a história, um dia nos subtraíram e nos negaram. Sinto-me honrado em fazer parte dessa nova história, a história do primeiro Jornal de Upanema. Sucesso.

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra em quê sentavam os alunos do passado?

Dependendo do passado, se remoto ou mais próximo, sentava-se até no chão, em tamboretes ou cadeiras duplas.

A escola que frequentei antes da oficial, estatal, sentávamos em cadeiras duplas, um ao lado outro. Tinha o espaço embaixo para botarmos o material escolar.

A escola de "desarnar" não oferecia conforto nenhum. A cadeira era um tamborete. Se não tivesse suficiente, o chão era a cadeira.

Quem se lembra disso?'

SAUDADE

Meu coração bate forte de saudade
Quando visito velhos cantos da infância
Me dá vontade de voltar àquele tempo
Que coisa impossível!

Sinto ânsia
De chorar
De gritar
Mas me contenho
Me conformo com meu mundo
E com o que tenho.

sábado, 6 de maio de 2017

SÊ FORTE

Diante de um problema sempre temos de fazer uma escolha.

O problema está na coragem ou possibilidade de fazermos a escolha.

Ser forte ou entregar-se ao problema;
Dizer que vai dar certo ou ficar se lamentando.

Eis a chave do problema.

Isso que expus são somente palavras. Na hora agar a coisa é outra.

Se tudo é questão de palavras, elas têm muito poder. Então, que tal usarmos para o lado positivo?

QUE PALAVRA!

Bacurau sm. Zool. Nome comum a várias aves caprimulgídeas. (Mini Aurélio).
Certa ave noturna, também chamada curiango e noitibó. O bacurau pia (Novíssimo dicionário escolar Antenor Nascentes).

O nome dessa ave deve ser escrita desse jeito mesmo, e não como grafam algumas pessoas. Se escrevesse com l, o plural seria bacurais.

O plural de bacurau é simplesmente bacuraus.

Curioso é que em época eleitoral muitas pessoas preferem e até se orgulham de serem chamadas e identificadas pelo nome dessa ave. São eleitores-bacuraus. Outros preferem ser chamados pelo nome de outro bichinho: o bicudo.

"Ele é como cardeiro: não dá sombra nem escora." (Dicionário upanemês).

CIDADE

Pintaremos a cidade
Da maneira que a olhamos
Do ponto em que estamos.

Pintaremos a cidade
Do jeito do nosso olhar
Do olhar que não quer enxergar
O óbvio
O erro
A incompetência
O engano
A pseudo-demência.

Pintaremos a cidade
Não do jeito que a queremos
Mas de acordo com nossas conveniências.

"Devagar com o andor, porque o santo é de barro." (Dicionário upanemês)

sexta-feira, 5 de maio de 2017

LUA DE SEXTA-FEIRA

O que a lua de hoje está querendo nos dizer?

Isolada no céu, com um brilho ofuscado e parecendo muito, muito mais distante das estrelas que de costume.

Dize-me, tu que estás mais alta que todos nós, aquilo que todo mundo que saber.

Revela o que está escondido no escuro das consciências entorpecidas pelo erro, pelo auto-engano, pelo pose, pela incompetência travestida de competência.

Revela-nos, se é que podes!

"Direto como cantiga de grilo". (Dicionário upanemês).

quinta-feira, 4 de maio de 2017

HÁ CEM ANOS

O Nordeste do Brasil vive a pior seca dos últimos cem anos.

Foi o que relatou o "Profissão repórter", na quarta, 3, programa da rede Globo.

Já vivi alguns períodos de seca, como a de 70 e a de 79 a 83. Para mim, este ano não dar para comparar. Agora as chuvas são constantes.

Talvez a reportagem tenha analisado o problema de forma global em todo o Nordeste, porque Pernambuco está sofrendo muito com a seca.

PREVISÃO

Podem ocorrer pancadas de chuva hoje em Upanema.

É o que diz o Clima tempo.


quarta-feira, 3 de maio de 2017

ANTES DE TUDO, UM FORTE

"O sertanejo é, antes de tudo, um forte". 

A frase acima imortalizou-se pela pena de Euclides da Cunha em seu "Os sertões", uma obra literária mas com estilo jornalístico, da parte de um jornalista que era Euclides.

A frase escrita ainda na virada do século XIX ao XX, ainda é lembrada pela sua força de expressão.

Hoje é o dia do sertanejo. Ele, um forte que resiste a todas as dificuldades para sobreviver. Para plantar, muitas vezes fica a mercê de um corte de terra oferecido pelo poder público e das chuvas irregulares. O solo fértil e o subsolo rico de água não torna o sertanejo uma pessoa digna no sentido exato da palavra.


terça-feira, 2 de maio de 2017

PROBLEMÁTICO

O ser humano não se entende. Cria leis que não vão cumprir, seja porque não querem ou por inconpetência.

Fazem promessas que já sabem previamente que não cumprirão.

Eis o homem moderno!

segunda-feira, 1 de maio de 2017

O QUE O PEIXE FAZ

Como servidores públicos, os trabalhadores hoje fazem o que o peixe faz.

É mais um dia de descanso, por direito e força de lei.

"Desculpa de bêbado é barroca."  (Dicionário upanemês)

domingo, 30 de abril de 2017

BELCHIOR E ALCIVAN DANTAS

Quando eu soube hoje da morte do cantor Belchior nesta madrugada, lembrei-me de uma pessoa que também já morreu. O amigo Alcivan Dantas, filho de Chico Cândido.

Ele marcou numa mesa lá de casa a seguinte frase, extraída da música "Alucinação" de Belchior:

Amar e mudar as coisas me interessa mais.

QUEM SE LEMBRA?

Cerca de vara

Nos cercados destinados à plantações ainda podemos ver cercas que protegem o patrimônio.

Difícil é encontrarmos uma casa em que a cerca de vara sirva de muro para delimitar o território entre vizinhos.

Era comum as casas serem circundadas de varas. Quando o inverno era bom, muitas era comum as cercas caírem devido o apodrecimento da base.

Hoje as residências são ladeadas de fortes muros de tijolos ou pedras.

Quem se lembra daquele tempo?




sábado, 29 de abril de 2017

COISAS DA LÍNGUA

Estada e estadia

As duas palavras não são sinônimas. Os melhores dicionários assim o dizem.

Estada é "ato de estar, permanência, demora em algum lugar."

Estadia é "prazo concedido para carga e descarga de navio enquanto ancorado num porto".

Apesar dessa diferença, a turma do tanto-faz usam as duas palavras com o mesmo significado.

QUE PALAVRA!

Bacio: sm. V. Urinol. ( Mini Aurélio)

Há outros sinônimos para bacio: penico e vaso.

Quanto a urinol, pela lei do menor esforço dizemos aqui entre nós urinó.

A lei do menor esforço, segundo Josafá Inácio, em suas memoráveis aulas de Latim e Português Histórico na UERN, era a pronúncia abreviada de algumas palavras. No Português há abundantes exemplos. Cadê no lugar de que é feito de; Você substitui Vossa Mercê.

PINGA-PINGA

"Certo só caçoar em besta." (Dicionário upanemês)

O mundo de chuva de ontem à tarde que poderia banhar a zona urbana da cidade transformou-se em pequenas neblinas e um espanta- muriçoca.


sexta-feira, 28 de abril de 2017

CHUVA AGORA

Está um "mundão de chuva" e com promessa de termos mais uma boa chuva hoje pela tarde.

Cenário

O cenário daqui até Mossoró está de encher os olhos. As verdes matas alegres oferecem uma paisagem bela que faz levantar nosso astral. Para nós que passamos muitos meses só contemplando mato seco, esse visual nos faz muito bem.

Com certeza!

quinta-feira, 27 de abril de 2017

CHOVE

Chove em Upanema desde a tarde. A chuva veio misturada com falta de energia.

Upanema está entre as cidades do estado em que choveu até agora um volume bom. Não se caracteriza como inverno bom, mas em situação bem melhor que muitas cidades.

SENHORA

Senhora de muitos anos
Sábia, mas não como o ser humano
Atraso pra uns
Ajuda pra outros.

Penetra nos lares com força
Segure-se quem puder.
Tire-se dela bom proveito.

Faça dela uma parceira
Mas cuidado.
Pra uns ela perdeu o respeito.

O enigma acima:

Quem pensou em TV ou internet, acertou.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

CHEGADA

Ontem comentava eu sobre a ausência das chuvas na região.

Como se fosse uma resposta, ainda ontem cai uma boa e rápida chuva.

"Cada caso é um caso"(dicionário upanemês)

terça-feira, 25 de abril de 2017

UM HOMEM POLI E MULTI

O upanemense Milton Marques foi um daqueles homens que transitou em muitos ramos profissionais. Foi empresário da comunicação, médico e no setor das salinas. Destacou-se como reitor da UERN.

Foi na comunicação que deixou uma forte marca na sociedade mossoroense e regional.

Um homem poli e multi.

UMA FALTA QUE ASSUSTA

A ausência das chuvas na região começa a assustar a quem plantou nesse período chuvoso.

Há previsões de chuvas para o mês de maio.

Só que o homem do campo fica com um olho na crença e o outro na cautela.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

PRA!

Pra!
Pancada forte
Carro com carro?
Moto com moto?
Moto com carro?
Carro na parede?
Moto na parede?

Pontos de interrogação.
??????????????????????

Fomos olhar
O que vimos?
Uma moto danificada
Um pneu inutilizado
Parte traseira torta.

Um carro em toda velocidade
Já tinha sumido rua acima.
Bêbado e irresponsável?
Ou bêbado e curto da vista?
Primeira alternativa.

E assim vivem
As vidas sem rumo
Que matam quem vier
Quem for
A vida dos outros que se dane!


domingo, 23 de abril de 2017

ELE MERECE TODO RESPEITO

Hoje é seu dia internacional. Dia 18 próximo passado foi o seu dia para os pequenos, em homenagem a Monteiro Lobato.

Muitos alunos deixam-no em casa ou desprezam na escola.

Muitas vezes são marcados com tintas fortes e suas folhas são dobradas. Esses hábitos quebram as folhas.

Os livros precisam ser mais lidos e bem tratados para terem vida longa.

Fica o registro.

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra de HF ou High Frequency?

Não?

Então vou dizer de outra maneira:

A sigla SW (Shortwave) significa a mesma coisa: ondas curtas.

Isso. Ondas curtas do rádio. É o que é conhecido como segunda faixa.

A segunda faixa é uma sintonia de rádio de longo alcance, há milhares de quilômetros. Distância que alcança um mundo muito distante mesmo. Rádios no Japão, França já podiam ser sintonizadas por nós muito antes da internet.

Muitas pessoas aprenderam outras línguas através da segunda faixa.

Quem se lembra disso?

sábado, 22 de abril de 2017

QUE PALAVRA!

Bacará: Jogo carteado, com um banqueiro e vários jogadores. (Mini-Aurélio)

Só vendo pra crer. As pessoas sempre trocam o b pelo p. Fulano joga bem o pacará.

Que palavra!

DESCOBRIMENTO

Passa despercebido da maoria da população a data de hoje: o descobrimento do Brasil pela civilização.

É certo que já existia um povo, mas não uma nação.

Nesses dias, ele tem sido redescoberto. Agora pelo seu próprio povo.

A data de hoje era lembrada com festa todos os anos na escola.

Um dia sua redescoberta também será lembrada nos livros de história.


VENDO ESTRELAS

Ficamos ontem à noite, literalmente, vendo estrelas, num período de cinco horas. Das seis às onze da noite.

A falta de energia para nossa geração sempre é uma calamidade. A geladeira, a TV e os aparelhos da nova tecnologia são os mais agredidos. Nada igual como o último: perdemos o contato com o mundo distante e o próximo. De quebra, o telefone também fica fora ar. As muriçocas não perdem tempo. O jeito é procurar o que fazer.

Conversar, ouvir rádio de pilha fazem parte de uma lista de alternativas. 

sexta-feira, 21 de abril de 2017

AS BALEIAS

"Não é possível que você suporte a barra".(Roberto Carlos, cantor e compositor)

A brincadeira de péssimo gosto, a famosa "baleia azul", começou como notícia que poderia ser falsa, como aquelas divulgadas em sites não confiáveis.

Mas agora o assunto deve ser levado a sério. Jovens de mentes ocupadas com o que não deveriam jogam esse jogo patológico.

Se a internet fosse utilizada adequadamente, isso seria impossível.

Está aí a solução.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

DIREITA E ESQUERDA

A cada dia a direita e a esquerda referentes à política perdem o sentido.

Entretanto, no trânsito a diferença é tão enorme que ao escolhermos um ou outro estamos decidindo entre viver e morrer.

Apesar desse raciocínio lógico e 'na cara', não mudam as estatísticas dos acidentes.

Chego até a desconfiar que muitos nem saibam o que venha a ser esquerda e direita.

A vida nos dá muitas chances.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

ECONOMIA

Bem que as pessoas que introduzem as falas nos auditórios poderiam ser economistas nas palavras.

Para quê bom dia a todos e a todas, se apenas bom dia resolve?

Para quê bom dia a todos, se apenas bom dia resolve?

Hein?

Bom dia!

COMO ATRASO DE PAGAMENTO

O atraso de pagamento dos salários é uma das grandes coisas ruins da nossa vida.

"Isso é tão ruim quanto atraso de pagamento", é um ditado que já estava ficando sem sentido até pouco tempo.

Agora isso no estado voltou a ser realidade para uma parcela da população. Alguns funcionários ainda não receberam o salário de março. 

A VEZ DOS MOSQUITOS

Agora são os mosquitos que fazem a festa. Não basta nosso cuidado com nossos lixos e matos dos esgotos da frente das nosssas casas.

Falta o cuidado do poder público com os terrenos baldios e matos dos esgotos, principalmente das áreas periféricas.

Assim continuando, eles fazem a festa.

"Quem melhor souber padecer, mais paz terá." (Imitação de Cristo)

terça-feira, 18 de abril de 2017

SOB PRESSÃO

Vive-se sob pressão.

Os que querem viver com dignidade vivem sob pressão com mais intensidade. São pressionados a ceder pra o lado indigno a todo instante. 

CIDADE NUBLADA

A cidade amanhece nublada levou-nos a pensar que haveria chuva iminente ainda cedinho.

Mas como todo penso é torto, ela não veio.

Nunca diga nunca.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

ANDARAM DIZENDO

Disseram-me tanto que a crônica crise de leitura hoje no seio da estudantada se dava porque as leituras dos livros não seriam atraentes ou fora de contexto, que cheguei a concordar.

Depois os livros começaram a vir com textos que pelo menos pareciam ser agradáveis e contextualizados. Nada de interesse pela leitura.

Agora, na efervescência da era digital, as leituras são de pouco proveito do ponto de vista de qualidade no conteúdo.

A leitura dos jovens, com as devidas exceções, são de pouca qualidade porque eles são leitores deles mesmos ou de escritores do nível deles.

A solução é os clássicos.
Ou que tal ler Sherlock Holmes depois da série?


DE GOLEADA

A corrupção está dando de goleada na honestidade. É só olharmos ao redor.

"Quem é ruim não quer ser só".

domingo, 16 de abril de 2017

PÁGINA DA NOSSA HISTÓRIA

Comércio em Upanema

"A vida comercial é tão antiga que, certamente, ela é anterior à formação do povoado. O comércio esteve sempre presente na vida das famílias, que já habitavam a região. O que um não tinha, outro vendia." (p. 119)

Entre aspas está um trecho do livro "Upanema de povoado a vila", de Josafá Inácio. "Os negócios não se davam em estabelecimento", continua Josafá. As pessoas eram ambulantes. Depois estabeleceram-se em prédios, como hoje é comum.

Minhas primeiras lembranças de comércio são as bodegas de Nen de Eliseu, Venceslau Mendonça e Chico Balbino. Todos localizados em esquinas.

Um comércio de tecidos, depois acrescentou-se os eletro-domésticos é o de Antônio Jerônimo.

O tempo passou e houve uma evolução nesse setor a ponto de nada hoje parecer-se com o que funcionava há vinte anos.

CONVERSA ENTRE VENDEDOR DE RELÓGIO E CLIENTE DE FEIRA

-Amigo, quanto custa o relógio?
-Oitenta contos.
-Faz um menos.
-O preço é esse mermo.
-É prova d'água?
-É.
-Acho que vou levar.
-O preço tá bom.
-É prova d'água mesmo?
-Não disse que é? Leve.

Depois de olhar o relógio, pedir um menos no preço, insistir de novo na pergunta se aquele relógio era prova d'água, o vendedor perdeu a paciência e perguntou:
-O senhor é pescador?

Diálogo entre um feirante numa segunda-feira em Upanema.

QUEM SE LEMBRA?

Apesar de não fazer muito tempo da existência do joguinho paciência no computador, ele já fez história e é passado para muitos jogadores virtuais.

Quem ainda se lembra do paciência jogado no velho PC caseiro?

Fulano é besta de cair duma esteira. (Do Dicionário upanemês)


sábado, 15 de abril de 2017

QUE PALAVRA!

Babujar: Sujar com babugem. Adular, bajular. (Aurélio).

O Calepino Potiguar, de Raimundo
Nonato, traz babujar como o ato de o animal aparar a babugem com a boca.
No sentido figurado, é uma conversa fiada, sem resultado.

Há o babujado que provavelmente tem relação com babugem, comida.

O que é o babujado? É o ato de comer, principalmente uma comida leve.

"O que tem aí pra comer?"
"Um babujado".

PRATICAR ESPORTE E JOGAR

Impressionante é a força da palavra. Quando as usamos aleatoriamente, fica imprecisa.

Assim, os jogadores profissionais de futebol não praticam esporte, mas jogam.

É assim que o pessoal da Arena Upanema Society deve decidir quando entram em campo se vão praticar esporte ou jogar futebol. Se vão praticar esporte, será uma disputa saudável com a finalidade de manter o corpo saudável. Se estão ali pra jogar, então haverá disputas ferrenhas para ver quem é melhor. É questão de escolha.

Sentença ao acaso: Ele é agarrado só abelha de arapuá. (Do dicionário upanemês)

sexta-feira, 14 de abril de 2017

CAFEZINHO

O cafezinho está presente em praticamente todas as repartições pois está entranhado na nossa cultura.

Toma-se café com leite, sem leite ou leite com café.

A palavra café permeia a música, a literatura, a política, enfim.

Na música, Roberto Carlos cantou em português - café da manhã - e italiano - sail away.

Quem não se lembra da velha política do café-com-leite? Um presidente de São Paulo era eleito com a ajuda de Minas. Quatro anos depois, Minas era eleita com a ajuda de São Paulo.

Aceita um cafezinho, caminheiro? Belo conto de autor que me foge da memória é um exemplo na literatura.

Há tomadores circunstanciais de café, beberrões de café, os que tomam somente pela manhã e os bebedores tanto faz.

Sabe-se muito sobre seus benefícios e malefícios, mas ainda há muito o que pesquisar sobre essa bebida. Os estudos sobre o café têm trazido confusão que esclarecomento.

Sei também que há quem sinta dor de cabeça pela tarde e fica curado com uma xícara de café.

Lembro-me de depoimentos de fumantes que não resistem um cigarro depois duma xícara de café.

Esse remédio é tão extraordinário que tem o dia internacional: hoje.


ENTRE ANIMAIS E CERTAS PESSOAS

Fui testemunha de uma cena interessante numa dessas estradas vicinais da zona rural de Upanema. Eram gados que descansavam no meio da estrada. Os bichos pouco moveram-se ao avistarem o carro que se aproximava. Aos poucos, sabiamente, entenderam que deviam dar lugar ao automóvel e saírem do conforto.

Os que estavam no carro não se contiveram e comentaram nesses termos:

"Se fossem algumas pessoas diriam 'bote por cima'."

É. Tem bicho que age como gente e gente...

CHUVAS NA SEGUNDA E TERÇA EM UPANEMA

Sentença ao acaso - Ele é como maxixe: quanto mais velho, mais ruim.

Dia 10, segunda-feira: 33,1mm.
Dia 11, terça-feira:. 25mm.

Informação de Yamashiro.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

BOM FÔLEGO PRA TODOS!

Sentença ao acaso - Tudo que é demais ofende.

Servidores do serviço público têm descanso de dois dias de trabalho, se levarmos em consideração somente a quinta e sexta-feira.

São dois dias de folga e polpança do fôlego da labuta diária do serviço que prestamos à sociedade via remuneração.

Haja folga, haja vinho, haja exploração de preços, bom fôlego para todos!

quarta-feira, 12 de abril de 2017

A TV E A CULTURA

Sentença ao acaso - "Ninguém terceiriza a educação dos filhos".(Frase que ouvi de um palestrante)

Cultura no sentido de ensino do bem falar a TV, via de regra, não tem feito esse papel.

Sem nenhuma pesquisa profunda, capto da minha memória alguns exemplos concretos.

Dia mais dia vejo em programas de TV algumas pessoas ditas escolarizadas dizerem que isso ou aquilo é gratuíto. Outro diz que há menas pessoas, menas mulheres, menas coisas, menas isso e menas aquilo.

Outro diz que fulano de tal bateu o récorde. Outro acolá diz "a gente vamos" ou "nós vai".

Vale salientar que essas expressões são possíveis e legítimas (não corretas) para pessoas não escolarizadas. Para as letradas, soa estranho.

De quebra ainda há muitas mulheres ditas cultas que estufam os peitos e dizem:

"Muitíssimo obrigado!"


terça-feira, 11 de abril de 2017

CHOVE CHUVA

Cai chuva boa na cidade desde o meio da tarde de hoje.

Para quem plantou, é prato cheio.

VINTE E NOVE

Sentença ao acaso - A cabeça não serve só para separar as duas orelhas. (Do dicionário upanemês)

Vinte e nove votos foi a maioria da chapa 2 sobre a 1 na eleição de ontem do SINDSERPUP.

A partir de hoje, o interesse sindical deve imperar e ser o único foco da diretoria eleita. Fora disso, o movimento sindical perderá a credibilidade de vez.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

CHUVA

A chuva de ontem foi de 5,6mm.

Informação de Yamashiro.

É HOJE A ELEIÇÃO NO SINDSERPUP

Sentença ao acaso - Fazer o bem sem olhar a quem faz.

Duas chapas concorrem hoje para dirigir o Sindicato dos Servidores Públicos de Upanema no período de 2017-9.

A eleição vai das 8 às 17 horas. Haverá uma urna na sede e duas itinerantes.

Duzentos e quarenta e seis sócios estão aptos para o voto.

SINAL DA TV CABUGI

Sentença ao acaso - Todos sabem que devemos fazer aquilo que é prioridade, mas nem sempre cumprimos isso em nossa vida.

O sinal da TV Cabugi voltou ontem. Bom.

domingo, 9 de abril de 2017

PIADA DE ALMANAQUE

O doido já tinha devorado todos os livros do hospício.

Chega apressado e pede mais um pra ler. O bibliotecário não teve outro jeito senão entregar a lista telefônica:

- Só tenho este!

No outro dia, o maluco veio devolver o livro e arrematou:

- Que elenco, hein!

QUEM SE LEMBRA?

Sentença ao acaso  - Vamos para o mesmo lugar, afinal.

Quem se lembra daqueles telefones de disco que para fazer-se uma ligação demorava-se alguns segundos a mais que hoje. Quem sabe minutos.

A discação era penosa - número por número, num vai e vem dum disquinho. Onde havia telefone, havia também uma agenda com os nomes em ordem alfabética ao lado dos números.

Era o tempo em que decorava-se os números das pessoas mais chegadas.

O fenômeno - Há em Upanema um rapaz que decorava meio mundo de números telefônicos, desde a prefeitura a casa do mais anônimo cidadão upanemense.