terça-feira, 30 de outubro de 2012

DEPOIS DA VITÓRIA, VITÓRIA, VITÓRIA

Depois da vitória, vitória, vitória, é hora de trabalho, trabalho, trabalho.

Este deve ser o mote dos vencedores, apesar das torcidas.

O 7 já passou. A expectativa é para o dia primeiro.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

APESAR DE MUITA GENTE NÃO CRÊ

Apesar de muitas pessoas não crerem nas pesquisas, elas são faróis para eleitores indecisos que só votam em quem ganha.

No segundo turno deste ano, se houve erros, passaram despercebidos.

Assim, a vitória de cada vencedor em cada cidade era fato certo. Os futuros derrotados já estavam com a passagem certa. E os vencedores também já sabiam disso desde a véspera, pois os institutos já diziam.

Já aqui a coisa foi penosa, pois ninguém registrou pesquisa. O fato deu margem a especulações de todo tamanho. A coisa só funcionou nos bastidores. Existia uma verdade oculta que algumas pessoas sabiam. A maioria imaginava, mas não tinha certeza. As maiores evidências estavam nos tetos ou em lugares bem vistos das residências. Muita gente olhava, mas não via.

Agora, uma coisa que não tem nada a ver com o assunto:

Estudantes que vão fazer o ENEM:

Nunca escrevam do jeito que escrevi no primeiro parágrafo. Sei que todo bom entendedor sabe que elas está se referindo às pesquisas e não às pessoas. 

Entretanto, pelo certo e pelo errado, não produzam um texto daquele jeito. Isso chama-se ambiguidade (sem trema). 

A frase pode ficar melhor assim:

Apesar de muitas pessoas não crerem nas pesquisas, estas são faróis para eleitores indecisos que só votam em quem ganha.


O QUE É SOCIEDADE DEMOCRÁTICA?

Ao ajudar a responder uma tarefa escolar de um aluno, acerca do que significa uma sociedade democrática, respondi que nela as pessoas têm muitas liberdades, entre as quais o direito de escolher seus representantes.

Disse isso baseado no que conheço de história viva. Vivi num período em que não tinha o direito de votar para prefeito, governador e presidente.

A escolha pelo voto direto constitui-se numa das mais eloquentes formas de se praticar democracia. Pena, das grandes, que muitos políticos com cargos eletivos e cabos eleitorais se façam de desentendidos a ponto de o processo eleitoral ficar tumultuado.

A ELEIÇÃO DAQUI E AS OUTRAS

A vitória dos candidatos das grandes e pequenas cidades do Estado deste ano fortificam antecipadamente os candidatos para o próximo pleito, que será em 2014.

Nós não sabemos de quase nada sobre os acordos para as eleições daqui a dois anos, mas eles, os profissionais já sabem de quase tudo.

domingo, 28 de outubro de 2012

QUEM SE LEMBRA? II

Uma estrela vai brilhar, no meu caminho

O meu dia vai chegar,

Com muito amor no coração, eu vou seguido

Tudo então vai clarear, uma estrela vai brilhar

Uma estrela vai brilhar, no meu caminho

Minha fé vai me guiar

Sobre este chão de tantas pedras e espinhos,

Meus pés não devem caminhar, uma estrela vai brilhar

Caminho, sempre sorrindo,

A esperança vive sempre em meu olhar

Sorrindo vou, cantando,

Como criança, sem confiar

Um lindo dia a alegria vai chegar.

A música acima é uma das muitas gravadas por Ricardo Braga, um grande imitador de Roberto Carlos.


Robert Collection é outra muito bonita. Constitui-se de um pout-porri do rei. Quem não observar direito pensa que é Roberto Carlos mesmo.
O LP de Ricardo Braga fez muito sucesso por aqui. Ouvíamos, é claro pela rádio Rural de Mossoró, principalmente nas "Mensagens Musicais."
 

QUEM SE LEMBRA?

Noutras postagens já fiz alusão à rapadura do B. Hoje apenas detalharei mais sobre o assunto. Vou colocar mais dúvidas do que informações. 

A principal é acerca do significado do B naquele produto. 

A maravilhosa internet até que poderia me ajudar, mas até agora não encontrei nada a esse respeito. O b deve ser o que o leitor deve estar pensando: significa boa. B de boa, bótima, boníssima. 

Ela se caracterizava pela bondade e pela grande procura nas mercearias:

- Quero uma rapadura que tem um B bem grande.

Tinha gente naquele tempo que nem conhecia um b ou a, mas a rapadura, sim. Eu mesmo a conheci antes de saber decifrar as letras do alfabeto.


sábado, 27 de outubro de 2012

PENSAR POSITIVO

Entre pensar positivo e negativo, o mais sensato é pensarmos positivo. Nada mais óbvio. Entretanto, apesar de acharmos óbvio, essa obviedade não é levada em conta, muitas vezes. 

Se é verdade que podemos gerenciar nossos pensamentos, então pensar positivo é o caminho ideal. Afinal, nada temos a perder.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

ENERGIA É COMO MUITAS OUTRAS COISAS BOAS

A energia é como muitas outras coisas boas que temos, como o fôlego, um grande amigo, uma mãe, um bom vizinho, uma administração, um livro, uma caneta, um pedacinho de papel, um copo d'água, uma bomba pra encher o pneu...

Quando falta é que nós sentimos o grande vácuo e descobrimos seu real valor.

O que tem de gente reclamando por causa da falta de enrgia ontem à noite e até agora, não está escrito!

SEM ENERGIA

O computador está na contagem regressiva para apagar-se de vez, por causa da falta de energia.

Quanto à internet, continua a todo gás. Tenho uma coisa, mas me falta a outra.

Que coisa!

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

AINDA ESTAMOS VIVENDO NO SÉCULO PASSADO

Ainda estamos, vírgula, como dizem os que querem ficar de fora, quando generaliza-se algo.

O título do meu texto faz alusão às pessoas que não se atualizam no tempo, nas mínims coisas.

Um exemplo é o fato de muita gente ainda não ter tido a capacidade de colocar um lixo no lixo. E num lixo bem próximo de si.

Vejo isso na sala de aula e fora dela. No centro e na periferia da cidade. Há pessoas que vivem o presente, mas vivem como se  estivessem no passado. São prafrentex numas coisas e pratrastex noutras.

Umas são do tempo que ainda encharca o perdedor, seja ele do futebol ou da política. Uns chegam a dar doses tão fortes que o outro não aguenta e fica bravo.

Não é preciso fazer isso, minha gente, porque a batalha ainda nem começou.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

RETA FINAL

Está chegando os dias das provas do ENEM 2012.

Os candidatos devem estar atentos para as últimas dicas, principalmente de Redação.

Na próxima semana estaremos orientando os alunos que quiserem revisar.

A professora Júlia Costa também vai dar umas dicas básicas, na próxima segunda, 29, a partir das 19 horas, na sala de vídeo da Escola Estadual José Calazans Freire.

NÃO SEI POR QUE

Não sei porque tanta gente perde tempo, sono,vista, inteligência e tecladas em frente ao um computador escrevendo tanta coisa que não edifica nem o mundo nem a si mesmo.

Se todos atentassem para a maravilha que é a internet nunca perderiam o tempo com coisas que não ajudam em nada para que o mundo fique melhor.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

REDES

As redes sociais estão funcionando a todo vapor.

O face, sem dúvida a mais acessada, tem uma variedade complexa de serviços que deixa a gente meio lelé.

Algumas vezes tento entender todo esse emaranhado de serviço e não consigo. Tem uma rede de serviço que não tem fim. Nem é mais preciso que a gente abra o hotmail.

O bom de tudo isso é que as pessoas aproveitem bem para debater o futuro do mundo e tentar reconstruí-lo.

 Outra dica é que as pessoas, principalmente os estudantes, aproveitem o espaço para exercitarem a redação, principalmente a ortografia e as palavras que estão inseridas no novo acordo ortográfico.

 


segunda-feira, 22 de outubro de 2012

SÓ POLÍTICA

As pessoas tomam o café da manhã, almoçam mais de uma vez, comem pela tarde de novo, jantam mais de uma vez e ainda comem alguma coisa antes de dormir, nos tempos de eleição.

O povo come política, queria dizer eu no parágrafo anterior.

Outros preferem dizer que as pessoas respiram política.

Seja o que for, é normal isso ser fato nos três meses de campanha. Noutros pleitos, a gente percebia mais nas esquinas e nas calçadas os conglomerados de pessoas que comentavam o fato de tal coligação ter ganhado a eleição e a outra ter perdido.

Com a internet a todo vapor, a  coisa tende a render mais, qual monturo que se bota fogo uma vez e fica se renovando. Se nos blogs falta fôlego, temos o facebook para reacender as lamentações e os encharcos.

Não sei se é coisa da minha mente, mas ingredientes novos apareceram neste período pós-remédio: há uma torcida contra o próximo governo municipal que dá água na boca. Ela está até superando a torcida a favor. Trivial, diria aquele personagem da Escolinha do saudoso Professor Raimundo Nonato. 

Não vou explicar nada para não botar mais lenha na fogueira, cujo fogo já supera meus um metro e setenta e um centímetros de altura.

O que quase todo mundo quer agora é restaurar pelo menos um pouco da paz e do fosso que se abriu entre as pessoas mais próximas.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

DE NOVO O HORÁRIO DE VERÃO

Mais uma vez, teremos o horário brasileiro de verão. Na virada de sábado para domingo, (20 para 21) quem morar em algumas partes do país, como o Sudeste e Sul, deverá adiantar o horário.

Uns acham péssimo esse horário. Eu, todo mundo que me lê já sabe que acho mais do que ótimo, pois todos os anos digo a mesma coisa.

Pra mim é legal porque posso assistir a programas de TV mais tarde, como o Jô Soares e alguns filmes.

Certos programas de televisão pra mim é um alívio, pois não periga de eu assistir de jeito nenhum.

É bom também porque dá uma mexida no nosso quotidiano tão cotidiano.

Mexer no nosso dia-a-adia nunca é mal.

NUBLADO

O tempo mais uma vez está nublado. São sintomas, diria um médico, de que vai chover.

Não. Vai chover hoje, dirá um agricultor.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

CONTRASTES

Enquanto aqui está pegando fogo, no Sudeste chove. Aqui mesmo pelo dia é quante e pela noite (ainda bem) é frio.

São nossos contrastes desta vida boa aperreada!

terça-feira, 16 de outubro de 2012

TEMPO DOS ROGAMENTOS DE PRAGA E DORES DE COTOVELO

Depois de um pleito eleitoral, é erradíssimo, mas é normalíssimo os famosíssimos rogamentos de praga na futura administração e as tão famosíssimas dores de cotovelos e roimentos por não terem logrado êxito nas urnas.

Ninguém se assombre disso, pois o período pós-eleição é sempre assim. A gente até fica meio escandalizado, mas não era pra ficar.

Quando uma administração dá errado, todos são prejudicados, mas quem logra é a oposição. Quando dá certo, todos ganham e a oposição sofre, sofre que faz gosto, porque não tem o que falar de um governo que o povo julga bom ou regular.

E quando uma parte do povo desaprova e ao mesmo tempo aprova? Já viram isso? 

Se não viram, eu vi. E não faz muitos dias, não!

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

COMO ESTÃO AS MARGENS DO RIO

Em poucas palavras, poderemos descrever as margens do nosso rio. Diria, numa palavra somente, que o nosso rio está maltratado. Não mais do que há dois, três, quatro, cinco anos. Maltratado por quem? Pela gestão, que não teve pulso para melhorar o quadro. E por algumas pessoas que não entendem que o que é público é de todos. Lixeiras há. Poucas, sim, mas há.

Pra se ter uma ideia, a placa que indica a proibição de lavagem às suas margens está danificada, apredrejada.

O lixo no leito é fato corriqueiro. Basta olharmos com atenção e veremos muitas garrafas de plástico e latinhas de refrigerante.

Foi o que vi ontem, ao passar por lá. Foi esse quadro que a população também viu e não se conformou recentemente no 7 que se passou.

domingo, 14 de outubro de 2012

QUEM SE LEMBRA?

O Posto de Saúde, como é conhecido hoje, na Avenida Manoel Gonçalves, tem aproximadamente trinta anos. 

Como todas as insituições, ele começou pequeno. Depois da reforma, terá status de hospital, caso ofereça muitos serviços à população.

Mas não queria falar de sua estrutura do passado e presente. Pretendo apenas recordar o tempo em que ali não havia estrutura alguma. Ou seja, quando ali era somente beco estreito.

Era por ali que passávamos, nós que vínhamos das bandas do centro ou beiço do rio. Passávamos por ali para irmos à escola. Ali era um caminho mais curto para estudarmos na Escola Estadual Professor Alfredo Simonetti.

Era um caminho fácil e bom. Passávamos a pé, mas com corações e mentes na escola.

sábado, 13 de outubro de 2012

UM PASSEIO PELA HISTÓRIA DE UPANEMA II

Outro passeio pela história de Upanema  -  mais longe do que o anterior  - é o encontro, ainda que representado por pessoas diferentes, entre Freire e Bezerra.

Quem tem a minha idade deve lembrar-se que já faz muito tempo - talvez quarenta anos que Elizeu Freire ou familiar dele não fica no mesmo palanque de Luiz Cândido ou pessoa dele.

Senão, vejamos.

Em 1972, Rosvaldo foi eleito prefeito, ao vencer dois concorrentes. Não tenho informação de que lado estava Luiz Cândido, mas é provável que ele estivesse do outro lado. Na eleição seguinte (1976) não temos notícias de que esses dois grupos estivessem do mesmo lado.

Em 1982, os dois disputaram o mesmo cargo, vindo lograr êxito Luiz Cândido. 

Em 1988, foi a vez de Eliseu vencer, pois este apoiou Valério, que vencia Bezerra.

Em 1992, Bezerra estava do lado de Amarildo e Elizeu apoiava Oton.

Em 1996, Bezerra apoiava Amarildo e Elizeu botava de novo Rosvaldo como candidato a prefeito.

Em 2000, 2004 e 2008, um do lado de Jorge e Maristela; o outro, de Luiz Jairo.

Chegamos a 2012. A história todo mundo sabe. Não é necessário lembrar, pois é muito recente. Só dizer que Rivanda e Luiz Jairo representaram as duas famílias tradicionais que há muito não compartilhavam do mesmo palanque.

É isso. Quem tiver algum comentário respeitoso ou alguma emenda ou correção, que o faça. Se não, apenas leia e acesse outra página.

UM PASSEIO PELA HISTÓRIA DE UPANEMA I

No calor da campanha política, a gente nem tem tempo de vasculhar a história e relatar para os mais jovens que a gente, alguns encontros e desencontros dos líderes de nossa terra.

Vamos só relembrar de dois encontros de líderes políticos que há muito não se encontravam no mesmo palanque.

Começo pela coligação dita "Upanema no rumo certo". De 1982 para cá, não me lembro se Valério esteve no mesmo palanque de Antônio Targino. Naquela época, Antônio era candidato a vice de Luiz Cândido. Se bem me lembro, Valério Tavares também apoiou o candidato majoritário.

De lá para cá, o ex-PFL venceu  a eleição de 1988 contra Bezerra, que era candidato de Antônio Targino. Na eleição de 1992, os dois estavam de novo em palanques diferentes. 

Nem é preciso que gastemos teclas para dizer que os dois ficaram em palanques diferentes até agora. Só em 2008 que Valério teve a oportunidade do reencontro, mas não o fez: preferiu apoiar Luiz Jairo.

Um encontro inédito foi ainda o de Valério e de Jorge Luiz. Nunca na história de Upanema eles tinham se encontrado no mesmo palanque.

PRA ESFRIAR

O feriado longo, que pegou do dia 12 ao 15, deve servir para esfriar os ânimos de ambos os lados da política. Uns, a cabeça; outros o instinto de vingança, pelos 12 anos que passaram sem ganhar.

É necessário que isso aconteça logo. Não é possível continuar tanta zuada. Já é tempo de refletirmos sobre o futuro. Ele está bem ali!

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

GRANDE TRABALHO

Parabenizo o trabalho da enfermeira Regivânia e equipe, no "Saúde na escola". 

Mais de uma vez presenciei a equipe fazendo um trabalho brilhante com parcerias do governo estadual, federal e municipal.

Hoje pelo dia, uma equipe veio da Regional de Saúde de Mossoró para um trabalho de prevenção de doenças dos olhos, especialmente o tracoma.

Um técnico fazia o exame no fundo do olho para detectar qualquer problema. Caso existisse, o aluno seria orientado para tratar do problema.

É melhor prevenir que remediar, já diz há muito tempo o ditado.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

SEGUNDO DIA

Se contarmos de segunda pra cá, ontem, portanto, hoje é o segundo dia crítico para os eleitores que sufragaram o nome do candidato perdedor.

As coisas ficarão mais fáceis para eles e para todos, se perdedores e vitoriosos fizerem um esforço para conterem os ânimos. 

Se a coisa não tem mais jeito, para que remoer o passado recente, se isso só faz abrir mais feridas?

Sejamos razoáveis, meu povo! Sejamos razoáveis e pensemos no futuro que já está bem ali!

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

LUIZ JAIRO É QUINZE

Ao longo da campanha, brinquei com os números e até abusei muita gente. Qualquer número relacionado aos dois candidatos majoritários, lá estava eu lembrando. Fosse uma soma ou subtração, eu não perdia tempo.

Hoje, quando estava bolando esse texto, fiquei surpreso com o número acima. Aliás, o título era outro, mas preferi o que pus supra.

Segundo a minha contagem e me valendo do livreto Upanema: a história dos três poderes (de distrito a cidade), da autoria de Inez e Zé Wilson, Luiz Jairo é o décimo quinto prefeito de Upanema. 

O primeiro prefeito de nossa cidade foi o capitão José Gomes de Souza Bastos. Este foi nomeado pelo governador.

O segundo foi Silvestre Veras, mas o primeiro eleito pelo povo. 

Daí pra cá, até chegar a Luiz Jairo, só dá quinze se repetirmos Luiz Cândido e Jorge Luiz. Não repeti Antônio Targino porque este só foi eleito prefeito uma vez. 

Esse foi o meu critério. Se utilizarmos outros critérios, poderemos chegar a outros números.

No meu, LUIZ JAIRO É 15.

UMA PERDA


Com a morte hoje do radialista Seu Mané, da rádio Rural de Mossoró, me faz recordar os tempos da minha infância: uma na zona rural e outra na Rua Francisco Agostinho.

Muitas músicas do meu tempo foram tocadas no programa de Seu mané. "A hora da coalhada" foi um estouro de audiência nos anos 70 e 80. O programa era um espécie de internet hoje. Tinha um quadro naquele programa que era "notas e avisos". Lá para as seis e meia, todo mundo encostava o ouvido para escutar um aviso que algum parente poderia mandar.

Lembro-me de uma notícia triste de morte de um familiar meu (contra-parente). Só que eu desconfiava da veracidade do fato. Apostei na mentira. Minha mãe acreditou e ficou com o coração na mão e a reza na boca. 

Quando foi na hora dos avisos, todos lá em casa, colados no rádio, ouvimos a notícia verdadeira: a pessoa passava bem, disse Seu Mané.

Com sua maneira de comunicar, com jeito meio rude, conquistou a todos. Dizer que foi uma perda é uma tremenda frase desnecessária. Mas foi.


 


O MAIS IMPORTANTE

Mais importante do que a eleição de um candidato de oposição nas circunstâncias da que tivemos ontem é o prêmio de um bom governo. 

No calor da derrota, muitos até desejam que nada dê certos nos quatro anos. Mas é só por um momento. No íntimo da consciência ninguém deseja que o gestor governe mal. O homem é mal, diria o cantor Luiz Gonzaga, mas ele sabe que é melhor um prefeito bom do que um ruim. Nada mais sensato.








QUANDO A POEIRA BAIXAR

Quando a poeira da campanha política baixar, todos e todas, como diriam os companheiros e companheiras do PT, vão perceber o prejuízo que a campanha deixou na sociedade.

Pra começar, não era preciso que houvesse prejuízo de natureza nenhuma. Tudo era pra ser feito dentro da mais perfeita normalidade: os candidatos fariam a campanha e os eleitores observariam os candidatos e iriam votar no dia.

Mas não é tão simples assim. Como há candidatos e candidatos, também há eleitores e eleitores.

O mundo não deveria ser tão ruim ou complicado como é. As pessoas é que pioram as coisas.

Era necessário tanta disputa pelo voto? Não bastaria que as pessoas fizessem a campanha através dos meios de comunicação e comícios?

Para que tanta correria nas madrugadas? Isso é hora de pedir votos? 

Então, por complicarem o processo sucessório, as coisas se agravam e chegam a ocorrer coisas foram do razoável.

Muita gente escorregou na bola e foi na onda dos outros, a ponto de repetirem o mesmo absurdo de seus líderes.

Quando a poeira baixar, todo mundo vai parar para refletir acerca dos errros que cometeu.

Os prejuízos são grandes, principalmente no item amizade. Nunca pensei que fosse terminar assim. Lamentavelmente não pudemos evitar. Os culpados vão aos poucos pagando. E já começou. 

O que lamentamos é que fomos enlaçados pela uma enorme teia, que nos enrolou. Quando cuidamos, já não tinha mais jeito.

Repito o que disse numa postagem:

É preciso que tenhamos cuidado para não seguirmos os conselhos de determinados líderes. Eles muitas vezes estão equivocados.

domingo, 7 de outubro de 2012

QUEM MANDA MESMO EM UPANEMA?

Caiu aquilo que podíamos chamar de tabu. É algo que muita gente acreditava até há algumas horas. 

E aquilo repetido não sei quantas vezes, não deixava que muita gente começasse a achar que era verdade. Só que as coisas estavam se modificando, aos poucos, e quase ninguém percebia.

A maioria dos eleitores começou a entender que a prepotência não deveria predominar por muito tempo. E... aconteceu. Vimos que quem manda em Upanema não é um grupo politico. As  coisas acontecem devagarinho e no tempo certo. 

Eu não sei explicar como, mas sei que as coisas acontecem sem que ninguém possa dar jeito.


COMO É O NOME DAQUELE JOGO DE CARTAS?

LUIZ JAIRO VENCE COM MAIS DE 11% DE VANTAGEM

O azul que vimos na cidade hoje denunciava uma vitória da oposição.

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra das campanhas políticas as quais não tinha pega-pega?

Quem se lembra das ala-moças, dos comícios ao meio dia e dos galhos verdes arrancados das castanholas?

sábado, 6 de outubro de 2012

PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DE FLORES

Amanhã será um dia em que a democracia precisa imperar, com todas as letras, vírgulas e acentos.

Só era necessário o eleitor ter tomado consciência e prestado muita atenção no que cada candidato dizia nas preleções. 

Entretanto, grande parte preferiu as passeatas e ouvir (e achar até bom) os insultos dos locutores chamando-os com nomes de bichos, engolir poeira e sujar os pés nos esgotos da cidade...

Não escutaram o que eles disseram... Agora está quase sem tempo.


ADVERSÁRIOS E INIMIGOS

Serei curto e grosso: adversário político (seja candidato, cabo eleitoral ou simples eleitor) não significa ser inimigo.

Por que essa coisa aí de vincular-se a amizade a um sufrágio de um voto? Por que?

Lamentável, não? E o mal pegou.

CADÊ O ANÔNIMO?

Meu anônimo deve estar muito ocupado nesses dias ou resolveu se emendar.

MUDEI O VISUAL DO BLOG A PEDIDO

Nesta semana, um dos meus seis leitores me disse que tinha dificuldade de ler este blog porque era escuro. 

Então, está aí.

Não sei se melhorou ou piorou. Também não sei mexer nesse bicho direito. Se melhorou, é provável que os outros cinco também sintam a melhora.

CINCO CRITÉRIOS

Dos cinco critérios que citei numa postagem de hoje, me deterei rapidamente numa: a amizade.

Querer relacionar o voto de um cidadão a amizade, é querer ultrapassar o razoável, o bom-senso e a liberdade.

O voto, minha gente, meus povos e minhas povas, é sagrado, democrático, livre, secreto e muito mais. Nunca deve ser ligado a amizade. A amizade é outra coisa. É divina. A política, humana e às vezes peçonhenta.

Esse absurdo não deve ser levado em conta por quem pensa com o cérebro.

QUEM É MAIS IMPORTANTE?

Está consagrado na cabeça das pessoas que o voto para prefeito é muitíssimo mais importante do que o de vereador. Há gente que chega a pensar que o vereador não vale nada, nadíssima, a ponto de não querer votar. O equívoco é tão grande que ficam ansiosos e entram logo querendo votar no seu candidato a prefeito.

Quando se deparam com os cinco dígitos, assombram-se e não sabem mais operar a máquina. O próximo é o de prefeito, com apenas dois dígitos.

Se eles soubessem o quanto é importante um vereador, prestariam mais atenção nos comícios que no número de pessoas das passeatas. Também não perderiam um programa eleitoral no rádio. É lá onde eles dizem o que não querem dizer. Os piores se manifestam. Os melhores também. Ou menos ruins.

E sua importância para a cidade? Será que o povão tem razão quando desprezam-lhes e  supervalorizam o executivo? Não. Claro que não. 

Acho que os candidatos precisam convencer os eleitores da sua importãncia para a cidade. Sem eles, o executivo fica livre demais, à vontade demais. É preciso que eles ajudem o executivo a governar com mais justiça e juízo.

Um vereador é muito importante porque eles têm a atribuição e o poder de fiscalizar o que o prefeito está fazendo. Às vezes eles estão saindo da linha. E é aí que o vereador pode chegar junto e colocá-lo no rumo certo.


SE

Se todo eleitor fosse igual a mim, todo esse pega-aqui-e-pega-acolá não existiria porque eu sou um eleitor muito diferente. Não sou melhor do que ninguém. Sou apenas diferente.

Como eu julgo um candidato? Enquanto muita gente tem ódio de comício e programas eleitorais, eu simplesmente afirmo que eles são a melhor parte do pleito.

Pelos comícios e programas eleitorais eu decido em quem votar. Às vezes eu decido primeiro em quem não devo votar de jeito nenhum. Depois vou ver o que sobrou.

Neste ano, eu decidi primeiro em quem não votaria. Depois, fui aos poucos amadurecendo a ideia em quem poderia votar. Isso para o executivo e legislativo.

Dessa maneira, dispenso a presença dos candidatos em minha casa. Sou do tipo do eleitor que não exijo a presença deles aqui. Se por acaso eles quiserem comparecer, bem. Se não, eu voto da mesma maneira.

E tenho critérios para votar nos candidatos. Não são os mesmos que a média da população usa. A saber: favores, parentesco, amizade, bacuralidade e bicudilidade.

O assunto do penúltimo parágrafo servirá para outra postagem.

QUEM MANDA EM UPANEMA? II

E aí? Descobriram quem manda em Upanema? É claro que estou levando para o plano espiritual. Quem leu com atenção o texto anterior, entendeu isso.


sexta-feira, 5 de outubro de 2012

QUEM MANDA EM UPANEMA?

Num período como esse ouvimos de tudo e um pouquinho mais. Uma das insinuações em forma de provocação mais absurda é aquela pergunta acerca de quem é que manda em Upanema.

Ora, todo mundo sabe quem é que manda em Upanema. Nem precisava perguntar.

Digno de nota é o fato de que nesse período muita gente abandona o bom senso e o razoável, para se atolar nas piores insinuações possíveis. Outros abandonam o sagrado que nos levam a pensar que eles se consideram somente constituídos de corpo e não de alma também.

Ora, meus caros, quem é que não sabe que o mandante de Upanema também manda no Estado do Rio Grande do Norte, no Brasil e também no mundo?

E mais: nem precisa de eleição. Ele é justo e não diz bobagens.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

JOGO DE SUECA

 Há um jogo de cartas que consitui-se sueca, três paradas ganhas atrás da outra, sem intervalo. E a quarta, pé no bucho.

Não se pode garantir que os adversários vão levar esse pé no bucho, tendo em vista que o pé no bucho só se concretiza quando todas as cartas são jogadas, e o o jogo termina.

A comparação com política é mais do que infeliz. Não deveria haver esse tipo de provocação, principalmente quem quer jogar limpo. Assim, cada vez mais acirram-se os ânimos e as pessoas cada vez mais se desentendem.

AS ADMINISTRAÇÕES NO RUMO CERTO

Não precisamos gastar o verbo para analisarmos a política de Upanema. É necessário só retroagirmos no tempo e observarmos que os gestores que foram aprovados pelo povo elegeram seus sucessores ou se reelegeram.

É preciso que demos exemplos? Então leiam:

A administração de Valério (1989-1992) não foi aprovada pela maioria do povo. Assim, o povo não elegeu seu sucessor, Amarildo.

Em 2004 o povo reelegeu Jorge Luiz porque aprovou sua administração.

Em 2008 o povo voltou a aprovar sua administração ao eleger sua sucessora, Maristela.

Deu pra notar que grande parte do povo não aprovava a atual gestão. O rompimento entre o ex-prefeito Jorge e a atual gestora deu sinais de que ele também não aprovava a atual administração.

Até mesmo o atual vice, que é o candidato da situação, deu claros sinais de que não aprovava a administração de Maristela.

O candidato a vice da situação, no exercício de seu mandato como vereador, fez vários pronunciamentos, tanto na câmara quanto na FM 104, desaprovando a administração Maristela/Manezinho.

Mas.. De repente, mais que de repente, construíram uma chapa situacionista. E ainda de quebra, com o nome "Upanema no rumo certo". Foi aí que percebi que algo estava desafinado. 

Se há mais de dois meses eles não concordavam com aquele modelo de administração, por que agora mudaram de opinião tão rápido? Por que?

Nada contra o jeito das pessoas de fazerem política. Cada um utiliza a democracia como quiser. Mas nem todos engolem certas coisas erradas.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

NO RUMO CERTO

Na reta final da campanha, farei algumas reflexões sobre a política de Upanema, especialmente no que concerne ao rumo certo da nossa Upanema. 

Sei que palavras não mudam voto de ninguém a essa altura do campeonato. Mesmo assim, compartilharei com minha meia dúzia de leitores essas reflexões.

Aguardem!

terça-feira, 2 de outubro de 2012

INDECISOS

Como é de praxe em eleições polarizadas como a daqui, a essa altura, os votos indecisos para o executivo é quase zero. Quase todo mundo já escolheu o candidato.

Para o legislativo a coisa é outra, pois muita gente ainda menospreza o cargo e só vota através da fórmula franciscana.

A campanha está arrochando a partir de agora. Quem for fraco que se tore.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

PRIMEIRO DE OUTUBRO

Primeiro de outubro
Jorge está com tudo
E eu vou votar nele pra ganhar...

Os versos acima fazem parte de uma das músicas mais tocadas há doze anos, na campanha vitoriosa de Jorge Luiz, na sua primeira eleição para prefeito.

Hoje faz exatamente doze anos de sua eleição. Naquele tempo, o clima era bastante favorável para sua vitóriaa, visto que o governo da situação estava fragilizado.

Hoje, a música não tem mais sentido. É que ele não está com tudo. Tem seu prestígio de ex-prefeito, mas não é a mesma coisa daquele tempo.