sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

QUSTÃO DA LÍNGUA

Tampouco e tão pouco

É usado tampouco quando queremos reforçar uma negação.
Não sabe falar, tampouco escrever.

A expressão tão pouco quando intensificamos a palavra pouco.
Com tão pouco saber, como quer passar no concurso?

São palavras bastante parecidas que requerem mesmo do falante do vernáculo um pequeno esforço para aprender. É a riqueza da nossa língua e não o "pra quê essa besteira?"



CONSOLIDADO?

Ainda é cedo para se dizer que o inverno está consolidado. Os estudiosos do tempo dizem que vai ter chuva mais ou menos dentro da média. O mundo está pra chuva.  E começou a pingar. Esperemos!

ÁGUA NO BICO

O provérbio "lua com circo (círculo), água traz no bico" diz muito sobre as crenças populares na experiência sobre as chuvas baseadas na observação da natureza.

PROVÉRBIO

Lua de mel, lua de fel.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

DICA DA LINGUAGEM

Bouquet: Galicismo dispensável, uma vez que o vernáculo possui ramalhete e ramilhete. Ou então, podemos aportuguesar para buquê.

Ela gosta das flores que eu mando
E o cartão que eu escrevo 
Sorri quando lê
A minha usa flor no cabelo
Será que essa flor 
Não é do mesmo bouquet?

O trecho acima conta a história de dois amigos que relatam enredos semelhantes de encontros com uma namorada.

É da canção "Papo de esquina", de Roberto Carlos e Erasmo. A palavra em questão traz bouquet. É uma palavra francesa. E quando a usamos, dizemos que é um galicismo.

QUESTÃO DA LÍNGUA

Bucho : É o estômago de animal. Buxo é nome de planta. Portanto, dizemos vamos comer buchada e não buxada.