segunda-feira, 23 de maio de 2022

NOVA TEMPORADA DE ESTUDOS

Terminado o prazo para a inscrição no ENEM - o Exame Nacional do Ensino Médio - o estudante está mais uma vez - para os veteranos - de frente com um teste que testa sua aptidão para entrar na Universidade de forma gratuita, digamos. Para os novatos, uma novidade. 

Para ambos, um desafio monstruoso que tem pela frente. Estudar é o único mote. Começar a estudar agora, após a inscrição, não é o certo, mas já é alguma coisa. Deveriam ter estudado desde que entrou no terceiro degrau de estudo. 

CABEÇAS

As cabeças que não pensam ou agem direito, os corpos é que padecem. 

Cabeças funcionam como uma violenta metonímia para significar o raciocínio, o pensar.

Além de fazerem padecer os corpos, ela também sofrem deveras. Às vezes deixam de existir. Às vezes passam ligeiramente num abrir e fechar de olhos.

PROVÉRBIO

Prometer montes de ouro (Paulista, do tempo dos Bandeirantes)

domingo, 22 de maio de 2022

ENTRETENDO - EDIÇÃO DE DOMINGO

BOA CHUVA DE ONTEM - 30mm

A árvore e o homem - Carlos Drummond de Andrade

O primeiro... problema que as árvores parecem propor-nos é o de nos conformarmos com a sua mudez. Desejaríamos que falassem, como falam os animais, como falamos nós mesmos. Entretanto, elas e as pedras reservam-se o privilégio do silêncio, num mundo em que todos os seres têm pressa de se desnudar. Fiéis a si mesmas, decididas a guardar um silêncio que não está à mercê dos botânicos, procuram as árvores ignorar tudo de uma composição social que talvez se lhe afigure monstruosamente indiscreta, fundada como está na linguagem articulada, no jogo de transmissão do mais íntimo pelo mais coletivo. Grave e solitário, o tronco vive num estado de impermeabilidade ao som, a que os humanos só atingem por alguns instantes e através da tragédia clássica. Não logramos comovê-lo, comunicar-lhe a nossa intemperança. Então, incapazes de trazê-lo para a nossa domesticidade, consideramo-lo um elemento da paisagem, e pintamo-lo. Ele pende, lápis ou óleo, de nossa parede, mas esse artifício não nos ilude, não incorpora a árvore à atmosfera de nossos cuidados. O fumo dos cigarros, subindo até o quadro, parece vagamente aborrecê-la, e certas árvores de Van Gogh, na sua crispação, têm algo de protesto.

sábado, 21 de maio de 2022

DEPOIS DO DIA CATORZE, QUATORZE

Registo a precipitação pluviométrica de ontem, após o último, dia 14: 

14mm.

QUE PALAVRA!

Xairel

Cobertura de cavalgadora, sobre a qual se põe a sela (Aurélio).

Cobertura de cavalgadura, sobre a qual se põe o selim. Embora o Pequeno Vocabulário da A. B. L. consigne a forma chairel, a grafia xairel deve ser preferida em face do étimo árabe xear, aliás, em conformidade com o que está expresso no item 37 das instruções emanadas da mesma Academia e que precedem o referido Vocabulário (Silveira Bueno).

Xairel é uma das tantas palavras desconhecidas desta geração. É como gangão, mamparra, atuleimado.



BOM DIA POR QUE?

Não foram poucas as vezes que escutamos na vida aqui fora e na de dentro (ficção) a frase:

Bom dia por que? O dia não está bom.

Eu já tinha ouvido a frase acima ou parecida em programas de humor. Agora vi na tela, mais especificamente numa série.

A cada dia mais percebo que a semântica e a hermenêutica não é o forte de muita gente. Não percebem que ao dizer "bom dia" ou qualquer outra saudação dessa natureza,  o primeiro interlocutor não está dizendo que o dia está bom, mas simplesmente desejando um bom dia - ainda que esse desejo, algumas vezes, não exista de fato, mas apenas um jeito de ser educado.

PROVÉRBIO REVERSO

Nem sempre a necessidade ensina a lebre a correr.

sexta-feira, 20 de maio de 2022

O JEITO MAIS EFICIENTE

Há várias maneiras de afugentaçãode insetos. 

A primeira é a da prevenção, através da eliminação dos focos.

As outras, todas são através do enfrentamento brabo: inseticidas leves, caseiros, ventiladores, abanadores manuais e carro com fumaças.

O último é muito eficiente porque tapa "brechas" deixadas por muitos que não ligam em desmontar os esquemas dos bichinhos.

A chegada do último na cidade é urgente.

PROVÉRBIO

Procurar sete pés ao carneiro, ou asas ao burro.

quinta-feira, 19 de maio de 2022

MAIS DO QUE BOLACHA

Os mosquitos são muito mais que bolacha:

Em todo canto se acha.

Eles são de várias espécies, cores, tamanhos, periculosidades. Por essas e outras razões que não sei é que devemos estar de olhos e ouvidos atentos neles nesse período.

Uma das maneiras é atacá-los sem nenhuma pena. Eles não resistirão, dada a fragilidade. O que não podemos fazer é ficarmos esperando que eles ataquem primeiro.

Os mosquitos em úmeros - Há aproximadamente 2.000 espécies distribuídas em 30 gêneros. São de distribuição cosmopolita. Vivem nas mais diferentes altitudes, desde 4.000m nas montanhas até 1.000m abaixo do nível do mar, em minas. Predominam, porém, nas regiões tropicais, nas planícies úmidas, nos charcos e pantanais. (Enciclopédia Brasileira Globo, volume 8)

PROVÉRBIO

Princípio de cantiga é assobio.

quarta-feira, 18 de maio de 2022

MATEMÁTICA

Quem duvida que a Matemática é útil na vida de todo mundo?

Está presente em muitos momentos da vida, a começar pela escola. E é lá que a criança aprende seus rudimentos, a começar pelo ensino da tabuada. 

Aprenderá também que dois mais dois pode ser cinco, mas somente em linguagem figurada. Em linguagem literal, dois mais dois são quatro, nos quatro cantos do mundo.

PROVÉRBIO

Primeira pancada é que mata cobra. 

terça-feira, 17 de maio de 2022

COBRAS

Elas mordem mesmo. 

São de várias cores naturezas e tipos. Há as d'água, de duas cabeças, venenosas, não venenosas, gigantescas, ovíparas, ovovíparas, vivíparas.

Estão por aí nesse tempo presente. 

A legítima defesa é um legado entre elas, mas não deixa de haver as que abusam desse direito.

PROVÉRBIO

Pretender o que não se pode é remar contra a maré.

segunda-feira, 16 de maio de 2022

NEVOEIRO

A cidade amanheceu envolta num profundo nevoeiro. Uma verdadeira quebra na rotina de todos nós.

Foi um sair do mesmo de todos os dias. E a friagem? Bom demais!


PROVÉRBIO

Ninguém morre diferente de como nasceu (Epicuro). Citado por Sêneca.

domingo, 15 de maio de 2022

ENTRETENDO - EDIÇÃO DE DOMINGO

CHUVA DE ONTEM - 3mm.

IDEIAS DE PIERLUIGI

Como estudar?

Muitos alunos sabem quando e quanto estudar, mas não sabem como estudar.

As distrações - Você deve estar em um local sossegado, confortável e que permita concentração.

Por isso... nada de TV e rádio! E celular também.

Mas não posso estudar ouvindo música?

Pode, mas vamos entender algo muito importante com relação ao funcionamento de seu cérebro: a transmissão de um pulso elétrico, de um neurônio para o outro, é absurdamente mais vagarosa do que na fiação de um computador.

Consequentemente, para superar essa "lerdeza", o nosso cérebro usa um truque que, em informática, é chamado de "processamento paralelo".

Isso significa que várias partes do cérebro conseguem realizar tarefas diferentes e ao mesmo tempo. Um ser humano consegue guiar um automóvel mascando chiclete, ouvindo música no rádio e ainda conversando com o passageiro.

Analisando com detalhes o cérebro de um ser humano não canhoto, vemos que cada uma das metades (denominadas "hemisférios cerebrais") se especializou em realizar tarefas específicas. 

Imagine um crânio visto de cima: no hemisfério esquerdo, temos os módulos cognitivos Linguístico e o Lógico-matemático; no direito localizam-se o Musical e o Espacial.

Como você já deve ter suspeitado, ao estudar as matérias da escola você utiliza mais os módulos 1, 3 e 4.

Portanto, se estudar ouvindo música instrumental (sem que alguém cante num idioma que você conheça), não apenas o módulo 3 não vai interferir com os outros, como até ajudará a abafar outros ruídos do meio ambiente que poderiam atrapalhar sua concentração. Mas... e se eu quiser ouvir uma banda de rock que tenha um vocalista?

Que seja rock húngaro, pois se o vocalista cantar num idioma compreensível (húngaro é absolutamente incompreensível, a não ser para os próprios húngaros... e mesmo assim com ressalvas!), a letra da música irá interferir no módulo 1, distraindo sua atenção daquilo que você possa estar lendo ou escrevendo. (Do livro "Aprendendo inteligência", de Pierluigi Piazzi)

QUEM SE LEMBRA? 

Mandrake - Nos velhos tempos, Mandrake era um personagem ilusionista que foi sucesso nos anos 30 e até bem mais adiante.

O nome foi transportado para uma brincadeira: o madrake dava ordens através do "Mandrake!" E todos paravam. Quem se mexesse primeiro, seria o próximo Madrake. 

Outro nome para a brincadeira era "Estátua".

VOLTA DO LATIM

Algumas palavras existem somente no plural.

Angustiae - desfiladeiro
Deliciae - delícia
Divitiae - riqueza
Indutiae - tréguas
Nuptiae - casamento, núpcias
Tenebrae - trevas

A caçada de Pedrinho - Monteiro Lobato

No dia marcado tomaram o café com farinha de milho de manhã e saíram na ponta dos pés, para que as duas velhas nada percebessem. Passaram a porteira do pasto, atravessaram a Mata dos Tucanos Vermelhos e de lá seguiram rumo ao capoeirão da onça.

Rabicó não havia mentido. Os rastos da onça estavam impressos na terra úmida. Ao fazerem tal descoberta o coração dos cinco heróis bateu mais apressado. Dos cinco, não; dos quatro, porque, como todos sabem, Emília não tinha coração.

- Que é isso, Pedrinho? — disse a boneca — notando a palidez do chefe. Será medo?

— Não é medo, não, Emília. É...

— É... receio, eu sei — caçoou a terrível bonequinha.

Orientados pelos rastos da onça, os caçadores não podiam errar. Era seguir na direção deles, que fatalmente dariam com a bicha. 

— Avante, Saboia — gritou Pedrinho, espichando no ar a espingarda como se fosse espada. 

— Avante! — repetiram todos os outros, menos Rabicó, que estava sem fala. E com o maior entusiasmo, os heroizinhos foram caminhando durante meia hora.

Súbito, o Visconde, que ia na frente de binóculo apontado, gritou com voz firme:

— A onça...

— Onde? — indagaram todos ansiosos.

— Lá longe, naquela moita — lá, lá...

Realmente, alguma coisa se mexia na moita indicada e não tardou que uma enorme cara de onça aparecesse por entre as folhas, espiando para o lado dos cinco heróis.

Pedrinho dispôs tudo para o ataque. Enquanto isso, a onça deixava a moita e com o andar manhoso dos gatos dirigia-se, agachada, para o lado deles. Era o momento. O Visconde ergueu a espada e com voz grossa de comandante superior deu um berro de comando:

— Fogo!

Rabicó, todo treme-treme, não conseguiu nem riscar o fósforo. Foi preciso que Pedrinho viesse ajudá-lo. Por fim, riscou fogo à mecha.

Ouviu-se um chiado e logo depois um tiro soou - Pum! Mas um tiro chocho, que não valeu nada. A situação tornava-se muito séria e Pedrinho, desapontado com o nenhum efeito das armas de fogo, berrou a plenos pulmões:

— Salve-se quem puder!

Foi uma debandada. Cada qual tratou de si e, como se houvessem virado macacos, todos procuraram a salvação nas árvores.

A onça, desapontadíssima, ali permaneceu, sentada sobre as patas de trás, com os olhos fixos nos caçadores, que a tinham logrado. Parece que sua intenção era ficar de guarda até que eles descessem. 

— Espera que te curo — disse Pedrinho, lembrando-se que trazia no bolso um pouco de pólvora dos pistolões. Tomou um punhado e, ajeitando-se no galho que ficava bem a prumo sobre a onça, derramou-lhe a pólvora em cima dos olhos.

A ideia valeu. Completamente cega pela pólvora, onça pôs-se a corcovear que nem doida, enquanto esfregava os olhos com as munhecas, como se quisesse arrancá-los.

— É hora! Avança, macacada! — gritou Pedrinho escorregando pela árvore abaixo.

Assim atacada por todos os lados, a onça não teve remédio senão morrer. Estrebuchou e foi morrendo. Quando deu o último suspiro, Pedrinho, no maior entusiasmo de sua vida, entoou um canto de guerra:

— Alé guá, guá, guá...

E todos responderam em coro:

— Hurra! Hurra! Pica-Pau-Amarelo!...



sábado, 14 de maio de 2022

sexta-feira, 13 de maio de 2022

ORGANISMO

Se o sistema está frágil, logo está descoberto para os ataques mais brandos possíveis.

É  a situação do corpo físico: se não ingere vitaminas - pela via natural ou não - enfraquecerá e difinhará.

O mesmo - obviamente - serve a lição para outros sistemas além do corpo.

PROVÉRBIO

Ninguém sai da vida tal como entrou (Epicuro). Citado por Sêneca.


quarta-feira, 11 de maio de 2022

terça-feira, 10 de maio de 2022

MUITO CHÃO

Muito chão pela frente, é o que notamos, em nossa vida particular e em todos os quadrantes da vida.

É o que ocorre com um pleito - político -como o deste ano. Mesmo sem ter começado de fato, já tem começado extraoficialmente.

Chão tem muito pela frente, principalmente para quem está envolvido diretamente. Tem chão para caminhar, em sentido literal e também no figurado.

PROVÉRBIO

Pregar  o sermão e não bater no púlpito.

domingo, 8 de maio de 2022

ENTRETENDO - EDIÇÃO DE DOMINGO

As joias de Cornélia

Era uma escondida manhã, na velha cidade de Roma, há muitos, muitos anos. Brincavam em um jardim dois meninos, quando, sob as latadas de videira, aproximavam-se a mãe deles e uma de suas amigas.

- Já viste senhora mais linda que a amiga da mamãe? inquiriu do outro, um dos irmãos. Até parece uma rainha.

- Qual! não é tão bonita como a mamãe. Ela tem um vestido mais rico, mas o rosto não é meigo e nobre. A mamãe é que parece uma rainha, respondeu o segundo.

- É mesmo; a mamãe é a mais bela e amável de todas as mulheres, replicou o primeiro. 

Cornélia, a mãe dos rapazes que assim conversavam, veio ter com os filhos. Vestia uma túnica branca, singela, tinha os braços nos e os pés descalços, segundo o costume daqueles tempos, e não lhe ornavam os dedos custosos anéis, nem os pulsos as cadeias de ouro, nem o colo os colares fascinantes que ostentava a dama em sua companhia.

Com terno sorriso, Cornélia, a rainha da túnica branca e de coroa espessa de fartas tranças enrodilhadas à cabeça, olhou para os meninos.

- Filhos, disse ela, tenho que contar a vocês uma coisa.

Os rapazes fizeram-lhe uma profunda reverência, pois assim é que ensinavam os romanos aos filhos a tratar os pais, e perguntaram:

- Que é, mamãe?

- Vocês hoje vão jantar conosco no jardim, e a senhora aqui vai, então, mostrar-nos o cofre das joias de que tanto ouvimos falar.

Os rapazes olharam enrubescidos, para a nobre dama, que tinha ainda outros anéis e colares e gemas além das que sobre ela fulguravam.

A refeição foi frugal e, terminada, um servo trouxe o cofre. Abriu-o a dama: lá dentro havia cordões de pérolas brancas como o leite em macias como o cetim, punhados de rubis flamejantes como fogo, e safiras azuis como céu de um dia de verão, e diamantes que faiscavam e despediam áscuas tal qual o sol nas manhãs límpidas de maio.

Os irmãos olharam deslumbrados para aquele festival de luzes e contemplaram longamente as gemas.

- Oh! se a mamãe tivesse também joias tão lindas! exclamou o mais velhinho.

Afinal, cerrou-se o cofre e levaram-no cuidadosamente para dentro.

- É verdade, Cornélia, que não tens joias? indagou a grande senhora. É verdade que tu és pobre?

- Não, respondeu Cornélia, não sou pobre. E enquanto falava, atraía a si os filhos. Eis aqui as minhas joias. Eles valem mais que todas as tuas.

Creio que nunca mais os meninos esqueceram o que dissera a mãe e o mundo inteiro  não o esqueceu, porque eles depois se tornaram grandes homens em Roma, e ainda hoje se  conta a história das joias de Cornélia, a mãe dos Gracos.


quinta-feira, 5 de maio de 2022

VAMOS À FEIRA

Refiro-me à Feira do Livro de Mossoró - com um A bem craseado.

A 16ª feira começou no dia 3, quinta-feira e vai terminar amanhã. Neste ano será na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).

Faremos as compras hoje. Escolheremos os produtos mais interessantes para o alimento do nosso saber.

VINTE E DOIS

Foram vinte e dois milímetros o número da precipitação pluviométrica de ontem.

NOVA TEMPORADA DE ESTUDOS

Terminado o prazo para a inscrição no ENEM - o Exame Nacional do Ensino Médio - o estudante está mais uma vez - para os veteranos - de frent...