quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

UM PASSEIO NA ORTOGRAFIA

Um breve passeio na ortografia da língua portuguesa

Uma coisa é a gente cometer um erro de regência verbal ou nominal, ou ainda um deslize na concordância verbal ou nominal. Ou ainda deslizar num erro de ortografia numa palavra pouco escrita e pouco falada pelas pessoas.

Uma coisa é isso aí. A outra é deslizar diariamente em palavras mais rudimentares que são pronunciadas ao nosso pé de ouvido desde criança.

Ah! Mas isso é besteira! O importante é comunicar.

Pior seria se assim fosse:

Há! Mais isso e besteira, o inportante e comunica.

Pois não é assim que muitos escrevem? Uns até letrados. Mas o que importa para eles? Chegam até a igualarem a linguagem formal da não formal!

Essa coisa de tudo igual não tem dado certo em nosso país.

Outra pérola é o hein.

Não tem quem faça certos usuários das redes sociais escreverem hein corretamente. Escrevem de todas as maneiras, menos hein. Por que, então, não escrevem corretamente? Hein?

P.S. Há outra forma para hein: hem. Hein, hem. Menos outros heins que escreve-se por aí.

PAGAMENTO SEMI-ATRASADO

Se existisse pagamento semi-atrasado, eu diria que o governo do estado semi-atrasou os salários dos servidores que estão em dia.

Somente hoje, poucos minutos depois do meio-dia, é que os salários foram depositados.

Semi-atraso é como meio buraco. 

TRINTA E UM

Longos dias

Foram trinta e um dias penados, arrastados por dias e semanas.

Vencemos o primeiro mês do ano e igualmente o primeiro da nova administração estadual e federal.

Todos os anos temos a impressão de que os primeiros trinta e um dias do ano são mais longos que os outros meses. É claro que não são mais longos, mas o fato de no mês de dezembro muita coisa ser antecipada, principalmente os salários -  e quem só pensa em salário o ano inteiro -  não foge dessa impressão de mês mais longo que os outros.

Fevereiro já é amanhã. E março, depois de amanhã. Logo chegará o mês de junho.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

VIROSE E CARNAVAL VÊM JUNTOS

Todos os anos, religiosamente, o carnaval chega juntinho com as viroses. Mera coincidência, apesar do carnaval não ser uma festa tão saudável como dizem os foliões.

CARNAVAL É ASSUNTO DO MOMENTO

Mesmo ainda estando longe do carnaval/2019, o assunto já é pauta do dia.

De novo, tenho o meu pensamento acerca do assunto. Brevemente, como nos outros anos, distribuirei em letras, palavras e parágrafos o meu pensamento sobre o assunto, que é o de muitas outras pessoas.

MAIS CHUVA

Mais chuva em Upanema

Ontem pela noite, mais uma boa chuva na cidade. Mais um teste par as bicas e as novas construções. 

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

ACIMA DA MÉDIA

Especialista em chuvas diz no Bom dia RN que espera um volume de chuvas acima da média neste ano.

NOVA SEDE DO SOBRAL

Novo endereço

O supermercado Sobral ganhou uma nova sede. Saiu de um ponto da Rua Manoel Rocha Barros e permaneceu na mesma rua, próximo da saída para Mossoró.

Ontem muitos clientes compareceram para tomar o café da manhã e aproveitarem algumas promoções.

LISTA DOS APROVADOS

Está se formando uma lista dos aprovados no ENEM, via SISU, em Upanema.

Por enquanto, sabemos os nomes de poucos, mas acredito que aos poucos vamos tomar conhecimento dos demais.

NÃO HAVERÁ INSPEÇÃO NA BARRAGEM DE UMARI

Barragem de Umari não está na lista das barragens inspecionadas pela Defesa Civil e Departamento de Geofísica da UFRN

Membros da Defesa Civil e do Departamento de Geofísica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte farão visitas de inspeção nas cinco barragens do estado que possuem danos estruturais considerados ‘preocupantes’. 

Os problemas foram revelados em relatório divulgado ano passado pela Agência Nacional de Águas (ANA), e voltaram a causar preocupação nestes últimos dias em razão da catástrofe ocorrida com o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, MG.

Serão visitadas as barragens públicas de Passagem das Traíras (em São José do Seridó), Gargalheiras (Acari) e Calabouço (Passa e Fica), e as particulares Barbosa de Baixo (Caicó) e Riacho do Meio (Equador).

(Fonte desta informação: blog do Seridó - http://blogdoserido.com.br/noticias)

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

AS VIAS DEMOCRÁTICAS

Caso falta d'água

Ouvi populares, mortais, a reclamar da constante falta d'água:

"Ninguém reclama"
"Isso ão vai ter jeito, não?"

Pelo visto, não! Pelo menos por enquanto. As autoridades que poderiam e deveriam resolver, não resolveram. 

Muita pessoas já acionaram as vias democráticas como a reclamação direta e as imprensa. Entretanto, de concreto, só o material que colocamos nas construções.

É NO SOBRAL!

Inauguração da nova sede do Supermercado Sobral, hoje.

NOSSAS CABEÇAS

Não queremos largar o osso

Há algo estranho dentro das nossas cabeças concernente à mudança de comportamento e atitude.

Passamos o ano inteiro tentando "converter" alunos para que estudem de verdade e deixem de perturbar os que querem.

Infelizmente os resultados positivos são quase invisíveis.

Na atividade administrativa pública e privada ocorrem similarmente. Sabe-se o caminho que leva ao progresso, o andar pra frente. Entretanto, o que vemos?

Cabeçadas de todo tamanho contra o povo. E este se esquece ou dá uma pane na hora de dar um basta.  

AO QUARTO DIA

Estamos no quarto dia da falta d'água na cidade.

Sei que o registro da falta e da chegada d'água nas torneiras é um lenga-lenga chato que soa ruim nos nossos olhos.

Soar ruim nos olhos é uma metáfora forçada pra dizer que não gostamos de lamentações e de repetições de problemas.

Entretanto, reporto esses problemas apenas como um registro histórico e pra fazer o comparativo quando um dia esses problemas desaparecerem de vez do nosso meio.

PREVENTIVO

Prevenção, preventivo, responsabilidade, cuidado, são palavras-chave do momento no noticiário nacional.

Por que não se previniu antes?

As mesmas questões são colocadas na vida pessoal quando refere-se à doenças.

domingo, 27 de janeiro de 2019

QUEM SE LEMBRA?

Cocorote

Quem de vocês aí já levou um cocorote? E um cascudo? E um coque?  E uma pancada na cabeça com o nó dos dedos?

Tudo é a mesma coisa. Né não?

Mas não queria lembrar à minha meia dúzia de leitores sobre o cocorote-pancada na testa. Gostaria de recordar o cocorote-comida. Este, acreditem, nem me lembro mais o formato. Sei que era um bolinho doce. Era presente nas merendas daquela época - aí nas quebradas dos anos 70.

Acho que era redondinho e parecido com uns bolinhos que consumimos no presente tempo.

Já o cocorote-pancada, era dado principalmente por nossas mães ou irmãos raivosos, ou até mesmo em apostas ou brigas de menino. Este, ninguém queria comer.


sábado, 26 de janeiro de 2019

AS BARRAGENS QUE NÃO BARRAM

Vez por outra assistimos e escutamos notícias de barragens que não barram as águas de modo eficiente.

Há três anos foi a de Mariana. Agora é a de Brumadinho. Já houve outros desbarramentos no passado. E o pior: a tragédia de Brumadinho não foi a última. Temos muitas barragens, até por perto, para servir de mau exemplo. Isso se não cuidarem a tempo.

ESTAMOS SENTINDO SUA FALTA

Estamos sentindo mais uma vez a falta d'água nas torneiras. No teto, não. Esta temos o bastante. É a pisadinha a que já estamos nos acostumando.

E não é coisa de hoje, não. É coisa de muitas eras. 

VOLTA

Volta das chuvas

Depois de poucos dias sem chuva, volta hoje pela tarde, para afastar o calor sempre presente entre nós. 


COM SURPRESA

Canindé

Recebi com surpresa ontem a notícia da morte de Canindé.

O conhecia desde quando veio morar definitivamente em Upanema. Pelo o que sabia dele, tinha formação superior em História pela UERN. Era professor, mas estava afastado por causa de problemas de saúde.

Sempre que avistava uma pessoa conhecida, chamava pelo nome em voz alta.

Uma de suas manias era dar presente às pessoas, especialmente livros. Doou bíblias a muitas pessoas. Inclusive chegou a doar a mim um livro.

Canindé vai deixar boas lembranças.




sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

MORTE

Palavra difícil de se dizer, mas inevitável de se referir.

Mesmo que através de eufemismos, temos que fazer referência a um tal desaparecimento, passagem, deixamento, um desta pra melhor é com Deus.

Por hoje, não. Amanhã comentarei  em poucas  linhas sobre a morte hoje de um bom conhecido meu.

POESIA

Contradições

Uma parte de você
Me ama
Outra me odeia.

Uma parte de você
Me congela
Outra incendeia.

Uma parte de você
Me cativa
Outra me afasta.

Uma parte de você
Me concebe
Outra me mata.

Júlia Costa

A CENA SE REPETE

Desgovernos, desastres, desmanches, desditas, desentendimentos, desfeitas, desembestamentos, deselegâncias, desacordos, desrespeitos, descréditos, desafinamentos, desabrigos, desagasalhamentos, desajustes, desabamentos.

A cena se repete. 

Humano é isto, via de regra. O resto é exceção.

PERIGO NA DEZESSEIS CONTINUA

Não sei detalhes, mas apenas sei que ontem aconteceu um acidente na Avenida 16 de Setembro, rua mais movimentada da cidade e também a mais propensa a acidentes.

O curioso é que, apesar da tendência em ocorrer acidentes frequentes, isso não ocorre.

Há zunzunzun pela cidade que serão fechados os dois contornos daquela avenida. O próximo à Panificadora Dois Irmãos e o próximo do Bradesco.

Essa ação poderá aliviar o fluxo de saída de veículos naquela área.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

ENREDADOS NA REDE

A grande rede tem enredado quem se envolve demais com ela.

Há quem esteja enredado em muitas redes. Isso o faz enredar-se a tal ponto que dá muito trabalho de desinredar-se.

As redes sociais estão se constituindo em prisões modelo vinte quatro horas ou semi-abertas. Se não soubermos lidar com elas, ficaremos presos sem ao menos nos dar conta disso.

E dentro delas nos agredimos como agride-se dentro e fora das cadeias convencionais. Depende como cada um, claro, lida com isso.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

NEM TUDO CONVÉM

Nem tudo o que sei ou acredito, convém ser dito.

Nem tudo o que vejo, necessito comentar.

Em tudo isso, devem estar à frente a cautela e o bom senso. Ou ao que conta a história atribuída  ao filósofo Sócrates: a história das três primeiras. 

Quem não conhece, pesquise.

Verdade, bondade e necessidade.  

LUGAR AO SOL

O estudante que submeteu-se às provas do Enem busca seu espaço na Universidade pública na primeira etapa. Se não conseguir, partir para a particular ou Fies.

O que vale é se sair bem no final das contas.


ERROS GRAMATICAIS QUE FAZEM A DIFERENÇA

Todos tropeçam no falar e no escrever. O que não é legal é o cometimento de erros considerados crassos e evitáveis.

Se você trabalha na comunicação, principalmente os apresentadores de programas de TV e rádio e os que produzem peças publicitárias, não podem dizer que fulano ganhou o prêmio Nóbel da Paz. 

A palavra Nobel está acentuada, mas não se coloca acento. Coloquei para dizer como muitas pessoas pronunciam. 

Considerando o aspecto gramatical, Nobel é uma palavra oxítona, ou seja, a pronúncia forte deve ser na última sílaba, e não na penúltima. Também dizemos que a pronúncia Nobel (ó) constitui-se num erro de prosódia, ou seja, pronúncia errada.

Como reagem as pessoas que assistem a uma peça publicitária na qual o propagandista diz que fulano deve ser votado para um concurso de Nobel (ó) da Paz? E se for numa grande rede de TV uma notícia nesse mesmo sentido?

É claro que a grande massa vai repetir a mesma pronúncia nos quatro ventos do mundo. Assim, não dá.

Quase que diariamente ouço alguém na TV dizer que a entrada para tal evento é gratuita ( í )

Assim, também não dá.

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

COISA DE GENTE BESTA

Beber cachaça e fumar é coisa de gente besta.

Ouvi isso da boca de um senhor, já adiantado em anos e ex-fumador e bebedor de cachaça.

E arrematou:

Ora, a pessoa engolir um troço que só faz mal a gente. Pra quê isso? Isso é mesmo coisa de gente besta!

ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO

O mundo parece ser movido não somente pelo dinheiro, mas pela economia e administração.

Um país, estado ou município mal administrado, o desmantelo é grande e o progresso tende a desaparecer.

Se a economia vai mal, tudo vai mal também.

A casa da gente sem uma boa administração e economicamente saudável, sofre as mesmas consequências de um município, estado ou país. 

É PRECISO ENFRENTAR

Auto-ajuda

Quando os problemas vêm, não há outro jeito senão enfrentá-los.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

RUA FIRVIANDO DE GENTE

A cidade, como em todas as feiras-livres, está firviando de gente. 

É gente que compra, é gente que vende, é gente que passeia, é gente que olha os outros comprarem e venderem.

PERNAS CURTAS

Dizem que a mentira tem pernas curtas. 

Não é bem assim. Ela tem pernas longas, mas não impede que seja alcançada e desmascarada.

domingo, 20 de janeiro de 2019

POESIA

Desencontro

No propósito
De te encontrar
Eu me  dediquei.

No desejo
de te amar
Eu me embriaguei.

No calor
Da paixão
Eu me queimei.

No sentimento
Mais profundo
Eu me afoguei.

Procura-se por mim...

(Júlia Costa)

JOTA BELMONT

Numa sexta-feira, 28 de dezembro do ano passado, Jota Belmont larga o microfone do rádio.

Tenho boas lembranças daquele político e locutor.

Acompanhei-o durante muitos anos nas manhãs da rádio Difusora.

Minha gente, antigamente os programas de rádio AM eram os principais passatempos.

Belmont tinha um programa que agitava as manhãs da Difusora. 

Saudades!

MÚSICA DA MINHA VIDA

Mas por dentro eu não mudo

Já ouvi alguém dizer que o perfume e a música nos fazem lembrar de fatos do passado e deixam marcas profundas na nossa vida.

Não me lembra bem se foi num desses natais do final dos anos oitenta. Só me lembro que eu voltava pra casa quase meia-noite. Ao cruzar a praça do centro, um camarada sentado no coreto, me chama. Bêbado, cantava alto uma música. Aproximei-me e fui convidado a sentar perto e ouvir aquela música, em tom de choramingo. Tive de aceitar a regra básica do bêbado: fazer o outro ouvir várias vezes:

Muito prazer em revê-la, você está bonita
Muito elegante mais jovem, tão cheia de vida
Eu ainda falo de flores e declamo seu nome
Mesmo os meus dedos me traem;disco seu telefone

É minha cara mudei, minha cara,
mas por dentro eu não mudo
O sentimento não pára, a doença não sara
Seu amor ainda é tudo, tudo

Daquele momento até hoje esperei você
Daquele maldito momento até hoje, só você
Eu sei que o culpado de não ter você sou eu
E esse medo terrível de amar outra vez é meu

Sei não devia dizer, disse perdoa
Bem que eu queria encontrá-la e sorrir numa boa
Mas convenhamos a vida nos faz tão pequenos
Nos preparamos pra muito e choramos por menos.

Era uma composição de Moacir Franco e interpretada pelo próprio, mas imortalizada por João Mineiro e Marciano. Depois foi gravada por Bruno e Marrone.

Sei que quando me livrei do amigo - era amigo de escola - fui pra casa com aquela canção na cabeça.

O tempo passou. Ele foi morar em São Paulo, constituiu família e ainda mora lá. Uma vez ele veio a Upanema e eu não perdi a oportunidade de relembrar aquilo. Ele apenas riu. Eu quis que ele dissesse quem era a malvada que tinha feito ele cantar aquela música, mas ele não confessou.

Quando nesta semana, dia 18, sexta-feira, soube da morte de Marciano, da dupla, não pude me esquecer daquele episódio.



QUEM SE LEMBRA?

Poleiro

No meu tempo de criança, até onde me lembro, poleiro era só de aves. Agora pode ser um camarote ou uma galeria num teatro.

sábado, 19 de janeiro de 2019

PINGA-PINGA

Estamos vivendo o tempo das chuvas, mas também da neblina e do pinga-pinga.

QUE PALAVRA!

Breve

De pouca duração ou extensão. Leve, ligeiro.
Conciso, resumido.
Em línguas que têm na duração um traço distintivo, diz-se de vogal, consoante ou sílabas 50% menos demorada do que outra que, à exceção desse traço, lhe é idêntica.
Rescrito que contém decisão de caráter particular.
Bentinho que contém uma oração.
Cedo, brevemente. (Aurélio).

Acima algumas definições da palavra breve. Destaco a quinta definição. No filme A moreninha os dois principais personagens Augusto e Carolina se ligam e se reconhecem muitos anos depois pelas duas partes do breve que dividiram quando se conheceram na praia ainda crianças.

CHUVA EM UMARI

Um umariense relatou que a chuva de ontem em Umari foi de quarenta milímetros.

FUGA

A fuga do tema é um dos motivos para o zeramento na redação.

No Enem 2018, o tema não era muito bom de dissertar. Por essa razão, muitos se atrapalharam e encheram as linhas com outro assunto que não parecia ser o pedido na redação.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

CINQUENTA E CINCO

Cinquenta e cinco é o número de alunos que tiveram a nota máxima - mil pontos - na redação do Enem.

Nota máxima é sinônimo de perfeição. 

É raro, mas possível que um aluno consiga enquadrar em todos os critérios da prova de redação. 

CAI CHUVA

Cai chuva muito boa agora no final da tarde em Upanema.

A chuva sempre, sempre é motivo para postagem, pois mexe com a vida da gente, seja no plano pessoal ou social. Atrapalha alguns planos, mas compensa muitíssimo pelo outro lado.

DE OLHO NOS FUTUROS APROVADOS

Estamos de olho nos futuros aprovados no Sisu e Prouni.

Vamos por etapas: hoje os alunos saberão o número de pontuação das provas que fizeram em novembro. No dia 28 eles saberão se foram ou não aprovados no Sisu. Se não, submeterão a nota ao Prouni. E assim por diante.




RESULTADO DO ENEM

Hoje sai o resultado individual do Enem.


UMA ARMADILHA NA LINGUAGEM

Beneficente

Relacionado ao ato de fazer o bem. Muitos caem de patinho e de todos os bichinhos nesses tipos de questões.

Preferem errar de olhos fechados por não consultarem o pai dos sábios. Por fazerem uma falsa analogia à palavra benefício, dizem e escrevem erradamente: 

Festa beneficiente. Não. O correto é o que está na epígrafe desse texto.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

ELAS ESTÃO DE VOLTA

Sim. Elas estão de volta. Todos os anos elas visitam nossas casas e nos perturbam e nos prejudicam, se não tomarmos as devidas providências.

Nem precisam adivinhar. Estou me referindo às danadas das moscas caseiras, comuns, que de inofensivas não têm nada.

Tomemos cuidado com elas, pois penetram em nossos lares sem serem convidadas e só saem quando querem.

PRISÃO

O mundo está cheio de prisões. Umas institucionalizadas, outras não.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

MAIS UMA NOSSA SENHORA

Há muito tempo que escuto pessoas chamarem por Nossa Senhora. Algumas nem estão na lista do rei Roberto Carlos. 

Na música, ele faz uma extensa lista. Entre elas estão algumas que poucos conhecem.

Hoje uma mulher chamou por Nossa Senhora do Calor. E olhem que nem estava fazendo tanto calor assim. 

FALTOU

Faltou água nas torneiras. Nas nuvens, não!

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

TRANSFERÊNCIA

Transferência de culpa

Como sempre, o velho dilema sobre quem é e não é culpado se abate sobre as pessoas de todas as classes, profissões e cores.

A violência a no mundo: de quem é a culpa?

O aluno não passa de ano: de quem é a culpa?

Boa hora para voltarmos ao passado, não tão recente, e olharmos lá dentro, no mais fundo o passado, para enxergarmos como funcionavam as regras na sociedade. Regras, diga-se de passagem, como diz aquele apresentador esportivo, quebradas por grande parte dos que hoje querem a solução.

PROGRAMA VOLTA NO DIA DOIS

O programa "Educando com a 104" voltará ao ar no dia 2 de fevereiro.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

ANO DE DERRUBADA

Se o ano passado foi o ano da derrubada de regimes ditatoriais ou quase isso, este ano é o ano da derrubada de árvores, destelhamento, etc.

O quadro acima retrata mais um ano de chuvas e também de ventos, muitos trovões e raios.

Temos notícias de caídas de árvores, destelhamentos de casas de gente e de cachorro.

domingo, 13 de janeiro de 2019

QUEM SE LEMBRA?

Bodega

Uma bodega é um pequeno armazém de secos e molhados, bem define Aurélio.
Casa onde se vendem produtos alimentícios e bebidas, define Soares Amora.

Uma bodega também é definida pejorativamente por uma coisa imprestável.

Bodega tinha e ainda tem em cidades pequenas e até em grandes. A diferença é o nome que se dá a ela. Hoje diz-se "comércio de fulano, mercearia de fulano".

Antigamente era uma das coisas que uma cidade tinha obrigatoriamente além de um correio, a praça de matriz e uma guarda municipal, cujo nome era outro.

Era da bodega que saíam as principais notícias da cidade, do estado e do mundo até. De lá saíam principalmente os fuxicos. Não havia bares ou poucos havia. A cachacinha saía de lá mesmo.


MÚSICA DA MINHA VIDA

Sertaneja

Muito criança ainda, ouvia "Sertaneja", de autoria do cantor Orlando Silva.

Produzida entre os anos trinta e quarenta, nos anos setenta eu a escutava e apreciava. Não sei bem onde e no rádio de quem, mas eu ouvia, além do rádio, das bocas de pessoas mais velhas.

O texto é todo costurado com belas figuras de linguagem, sem nenhuma agressão a quem quer que seja. Linguajar suave, bom de se ouvir:

Sertaneja se eu pudesse
Se papai do céu me desse
O espaço pra voar
Eu corria a natureza
Acabava com a tristeza
Só pra não te ver chorar.

E os teus olhos neste instante
Brilham mais que a mais brilhante
Das estrelas que eu já vi.




POEMINHA INFANTIL

Ventos

Aragem
Todo mundo quer
Vento forte
Que derruba postes
Pessoas
Casas.

Não. Desses ninguém gosta
Antes o detesta
Ou excomunga
Outros até praguejam.

Ventos leves
Que apenas afagam cabelos
Ventos brandos
Vinde a nós!



POESIA

Tempo atroz

O tempo passa velozmente
Quando eu estou ao seu lado
As horas demoram segundos
O relógio cronometra errado.

Mas se estou longe de você
O tempo passa bem devagar
Um dia até parece mil anos
E a noite não quer terminar.

Quebremos nossos relógios
O tempo nós vamos enganar
Vivamos então intensamente
A vontade incontida de amar.

Professora Júlia Costa

O ALEGRE CANTAR DOS PÁSSAROS

O alegre cantar dos pássaros não se compara ao mais alegre cantar dos humanos.

sábado, 12 de janeiro de 2019

QUE PALAVRA!

Breu - Substância semelhante ao pez negro, obtido pela evaporação parcial ou destilação da hulha ou doutras matérias orgânicas. (Aurélio)

Breu com cola é uma expressão que significa que algo não vai ser realizado ou um "de jeito nenhum não acredito nisso!"

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

E O RESTO NÃO TEM PRESSA

Aquilo que podemos chamar de bordão é o dito por um dos personagens da antiga "Escolinha do professor Raimundo", levada ao ar nos anos 90.

"Saúde é o que interessa, e o resto não tem pressa!"

Todos os que assistiam àquele programa sabiam que o bordão resume uma grande verdade: saúde acima de todos os bens materiais. 

Mesmo que pendamos para o lado oposto, como o ter dinheiro, carros e outros bens, o bordão do aluno da escolinha grita muito alto quando a saúde nos falta. 



MATRÍCULAS CONTINUAM

Continuam as matrículas na rede estadual.

Seguem até dia 28, para alunos das respectivas escolas.

Para os novatos, somente a partir do dia 31.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

CLAREOU

As coisas clarearam para o lado da governadora do RN. 

É que as negociações sobre salários atrasados avançaram e tudo indica que até o fim o mês tudo ou quase tudo ficará bem para ambos: os funcionários, porque receberão em dia; o governo, porque vai botar em dia.

ONDA

A onda de calor continua.

Dizem os mais sabidos do que eu que os tempos atuais são mais quentes que os de antigamente.

Não estarão enganados esses sabichões?

ISSO JÁ É O INVERNO MESMO

Foi o que disse um senhor ontem, quando se referia às chuvas que caem no nosso solo. 

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

RAIO E CHUVA DE PEDRA

Este ano é também de chuva de pedra. Há muitos relatos de pessoas que testemunharam caídas de raios e pedrinhas batendo na telha.

CORISCO

O raio é também conhecido por corisco. 

Inclusive, tinha uma pessoa em Upanema que ficava fulo da vida quando alguém o chamava de Corisco.

NOTA DO FUTEBOL REGIONAL

Com saudades

Leio no blog de Carlos Santos:

Em Mossoró, o Potiguar pega o Palmeira de Goianinha no Estádio Manoel Leonardo Nogueira, o “Nogueirão”, às 20h.

Nunca fui um torcedor forte de times regionais. Aprendi a ser flamenguista com meus colegas de sala de aula. Mesmo sendo flamenguista, não deixava de acompanhar o futebol de Mossoró e Natal. 

Na capital do estado torci pelo ABC. Em Mossoró, o Potiguar. Nem sabia, como não sei os nomes dos jogadores, mas acompanhava quase todas as partidas pela rádio Difusora.

DISSERAM OS INSONES E OS DE SONO LEVE

Algumas pessoas insones ou de sono leve disseram que ontem no finzinho da noite tivemos uma boa pancada de chuva na cidade.

ANO DE AÇUDES, BARREIROS E BARRAGEM CHEIOS

Foi o que disse ontem um senhor para quem quisesse ouvir:

"Vamos apostar como neste ano as chuvas vão encher tudo o que é açude, barreiro e barragem?"

Perguntei:

"Essa profecia é verdadeira mesmo?"

"Sim. Garanto o que digo, baseado nas chuvas que estão caindo".

Disse e tá dizido!


NEGATIVAMENTE

Representantes dos servidores estaduais rejeitaram a proposta da governadora sobre o pagamento dos salários atrasados.

A governadora propôs o fatiamento do salário de janeiro em duas partes: trinta por cento amanhã e setenta por cento no final do mês.

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

VÍTIMAS

Chikungunya

Recentemente vi algumas pessoas mancando feio, como "puxando de uma perna" resultante da chikungunya.

Aquela doença deixou sequelas em muitas pessoas. Em algumas, apenas um pequeno incômodo.

O que é

A chikungunya é causada por um vírus, transmitido para humanos por mosquitos infectados do gênero Aedes, sendo o Aedes Aegypti (transmissor da dengue) e o Aedes Albopictus os principais vetores.

A chikungunya causa febre e graves dores nas articulações. Outros sintomas incluem dor muscular, dor de cabeça, náusea, fadiga e erupção cutânea.

A dor nas articulações é, por vezes, debilitante e pode ter duração variada. A maioria dos pacientes se recupera completamente, mas, em alguns casos, a dor nas articulações pode persistir por diversos meses, ou até mesmo anos.

https://www.msf.org.br/o-que-fazemos/atividades-medicas/chikungunya

BICHO DO MATO E BICHO DA RUA

O bicho do mato e o bicho da rua se comportam bem diferente. Eles não se acostumam a viver fora do habitat que nasceu.

Podem ajeitar para ele uma mansão na cidade - para o bicho que nasceu no mato - ou uma mansão no território rural - para o bicho da rua - que ele não se acostuma e finda voltando para o lugar que nasceu.

Esse papo aí de cima serve tanto para o bicho-bicho como para o bicho-homem.

GASTO COM CARNAVAL

É assunto recorrente o gasto com carnaval pelo poder público.

Assim como todos os anos têm carnaval no país, a discussão vem: tem ou não tem? Concordo, não concordo, tanto faz. 

Ainda não vi ninguém se manifestar se haverá ou não na cidade, considerando o que está escrito no primeiro parágrafo dessas mal traçadas linhas.

Que haja ou não, mantenho a mesma opinião dos anos anteriores. Agora que o chororô está grande com a crise, não sei se os cortes vão atingir o carnaval.

Que haja corte que não haja, mantenho a mesma opinião dos anos anteriores.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

SELEÇÃO

Digo que os usuários de internet necessitam de muita competência e paciência para selecionar o que precisa e o que não precisa acessar.

O volume de informações que nos chegam a cada instante nos instigam a sermos bons selecionadores. 

A não ser que não nos importemos de sermos engolidos pela avalanche de informações de que não necessitamos.

FRASE DE UM HOMEM DO CAMPO

Larguei tudo para cuidar dos bichos.

O homem ia a um viagem, mas largou tudo para cuidar dos bichos.

São para essas pessoas que as políticas públicas devem ser direcionadas. São eles que fazem as coisas com amor e ajudam, de verdade, a construir um pais melhor.


SALÁRIOS EM DIA

Quase uma obsessão para o funcionalismo público do RN que ainda tem salários a receber do governo, em receber seus proventos.

Diariamente procuram notícias boas nesse sentido. Não é pra menos. Quem deve e é bom pagador, precisa atualizar as contas.

TUDO MELHORA

"Com as chuvas, tudo melhora", disse singela e sabiamente hoje um morador do campo.

NOVENTA E CINCO

Noventa e cinco milímetros foi a chuva que caiu na Piracicaba no sábado, 5, informou um morador de lá.

RENOVAÇÃO DE MATRÍCULAS

Iniciam hoje a renovação de matrícula para alunos que estudam no Calazans Freire.

No Alfredo Simonetti continuam as matrículas, tendo em vista que iniciou desde o dia 2.

A MAIOR

A cidade foi banhada ontem pela maior chuva do ano até aqui.

Certamente, a zona rural também foi contemplada por volume de chuva semelhante.

domingo, 6 de janeiro de 2019

MÚSICA DA MINHA VIDA

A desconhecida

"Numa tarde tão linda de sol, ela me apareceu..."

A desconhecida de Fernando Mendes era um dos hits dos anos 70 que eu mais curtia nos rádios dos outros. 

O long play daquele cantor era todo sucesso. Mas da desconhecida nunca me esquecerei, pois foi nessa época que comecei a cultivar o amor platônico sem nem ter nem saber o que era. 

De onde ela veio
Pra onde ela vai, ô, ô
De onde ela veio
Pra onde ela vai
Não sei dizer.

NÃO REPETIR AS COISAS MÁS

Ouço muitas pessoas dizerem que a repetição de algo mal pode atrair o mal para si. E se desejar o mal aos outros, isso volta para si.

Há algo parecido na música Boomerang blues, de Renato Russo:

Tudo o que você faz
Um dia volta pra você
Tudo o que você faz
Um dia volta pra você
E se você fizer o mal
Com o mal mais tarde 
Você vai ter de viver.

Sei não. 

Não tenho certeza se as coisas funcionam rigorosamente assim, mas acredito que é melhor a gente, na medida do possível, desejar e fazer o bem aos outros. Pelo menos a nossa consciência fica mais tranquila e leve.

Muita gente já foi e outras estão a caminho do brejo porque confiaram demais nas posses materiais e deixaram um oco bem grande dentro de si. Quando foram cuidar, já era!

QUEM SE LEMBRA?

Rapadura gigante

Nem precisava dizer que as rapaduras de antigamente eram bem maiores que as de hoje.

Não que não mais existam rapaduras grandes. Existem, sim, e até fáceis de se encontrar. Digo também que elas desapareceram do mercado e voltaram a circular.

Como dizia, as rapaduras eram grandes e boas de se comer no item sabor, mas não tão boas no mastigar. Eram duras mesmo. Rapadura.

Hoje encontramos no mercado rapaduras duras, grandes e saborosas, como outrora, mas não na intensidade de outrora.

O que está mesmo sumida é o caldo de cana produzida ao vivo, na frente do cliente. Cana que não faz a ninguém. 

São desses velhos tempos que morro de saudade.

POESIA

VEM

Ah! Meu amor, você partiu
Foi para bem longe de mim
Agora as noites são gélidas
As madrugadas não têm fim.

Cessou o canto dos pássaros
Que anunciavam o amanhecer
As minhas tardes estão cinzas
Porque me falta o teu querer.

Oh! Meu amor, não demora
Vem desse frio me aquecer
E devolver a minha alegria
De estar juntinho de você.

Júlia Costa

sábado, 5 de janeiro de 2019

NÃO FOI POSSÍVEL

Estava prevista a participação do professor dr. Evaldo Gondim no programa "Educando com a 104", a partir das oito e trinta. Por motivo superior,  não apresentamos o programa.

Fica para outra data.

À BEÇA

Está chovendo à beça na cidade desde as quatro da tarde.

Boníssimo!

EDUCANDO COM A 104 DAQUI A POUCO

Mais um programa na 104,9. "O programa que fala a língua do vestibular", dizia o antigo slogan.

Com a quase extinção do vestibular, agora o programa fala a língua do ENEM e outras linguagens.

Começa às oito e trinta.

NOVAS PALAVRAS

Os fatos se encarregam de criar novas palavras e novos dizeres. A linguagem figurada é mais utilizada que a literal.

Safadão hoje não tem o mesmo sentido de outrora. Bárbaro, idem. 


sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

VAI CHOVER

Vai chover já, já!

WHY?

Por que tanta gente adolescente e em idade adulta não conseguem ler e entender suficientemente?

Por que não conseguem ler e entender suficientemente se os investimentos em educação e as condições de trabalho são infinitamente maiores e melhores que no passado?

ZÉ PEQUENO

Aos cento e quatro anos, muito bem vividos, o jurucutuense José Francisco da Rocha, faleceu ontem e foi sepultado pela noitinha. Morava no Assentamento Bom Lugar.

Ainda menino veio morar em Upanema e radicou-se na zona rural. Era conhecido por todos por Zé Pequeno.

Um de seus netos relatou que ele ainda muito jovem, em suas andanças de trabalho, conheceu a Barreira do Inferno em Natal.

Nasceu em 27 de agosto de 1914. Contou muitas histórias que poderiam compor um grande livro. Algumas delas reproduzirei através de seus amigos e familiares.

Evaldo Gondim, que mora em Pau dos Ferros e leciona literatura americana, poderá ser portador das memórias de seu Zé Pequeno.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

FELICIDADE FEICIBUQUIANA

A felicidade feicibuquiana é diferente da vida real.

Ser feliz lá é ter o que mostrar para os outros. "Estou aqui em tal canto curtindo, etcetera".

Na vida real, alcançamo-la sem muitos recursos, rebolados e nem precisa todo mundo saber.

LEITURAS NAS FÉRIAS

Paulo Freire

Não sei muito sobre Paulo Freire, um dos ícones e ídolos nas principais universidades brasileiras, especialmente dos professores que pendem para a esquerda política. 

Não sei muito, dizia, mas já é o bastante para tomar posições sobre seu valor ou desvalor para a escola.

Hoje ele é um desvalor para mim. Não o considero um personagem importante para a escola.

Paro por aqui para ler mais sobre ele. Depois volto.

A VIDA É ASSIM

Enquanto uns vêem, outros veem.
Uns fazem vôo, outros fazem voo.
Uns vão para a assembléia, outros para a assembleia.
Uns lêem, mas outros leem.
Uns ofertam uma flôr, enquanto outros uma flor.
Uns tem certeza do que fazem e outros têm certeza do que fazem.
Quando são indagados sobre algo que têm absoluta certeza, uns respondem "concerteza". Mas outros "com certeza".
Estão de sacanagem com migo ou comigo?

DICA PARA MOMENTOS DE FALTA DE ENERGIA

Quem tiver de férias, leitura de um livro em "um bom lugar", mesmo em dia quente.

FOI PARA ISSO QUE ELES GANHARAM

Os que assumem o executivo foram eleitos para resolverem os inúmeros problemas da sociedade.

Agora tem que dar conta. Não tem desculpa que desculpe.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

AS DIFICULDADES NO ESTADO

No estado do RN há uma dificuldade enorme nas finanças. A governadora, mais do que ninguém, sabe disso. Sabe que as finanças tornam o governo ingovernável. 

O gastismo além do normal é que fizeram o estado assim.

Agora a preocupação com as políticas públicas, em detrimento do emprego, deve ser colocada em segundo plano neste governo.

MELHOR JÁ IR SE ACOSTUMANDO

A cidade, como a maior parte do ano, está quente, "pegando fogo".

O jeito é se adaptar e procurar conviver com o clima. Não adianta espernear.

O melhor é já ir se acostumando.

PRIMEIRO DIA DE GOVERNO NOVO

Apesar de terem tomado posse ontem, os novos governos só sentirão na pele o que é ser governo no dia de hoje.

Ontem era posse, festa, etccetera coisa e tal.

terça-feira, 1 de janeiro de 2019

POSSE PELA TV

Em 1989 vi pela TV a posse e o discurso de Fernando Collor de Melo em 15 de março de 1990. Não tinha votado nele, mas tive a curiosidade de ver pela TV todo o discurso.

O conteúdo das palavras mexeram com todas as pessoas que tinham esperança de um Brasil melhor. Inclusive eu. Ouvi o discurso e fiquei todo esperançoso.

Como eu era do outro lado, foi fácil condenar seu governo e embarcar na onda da oposição. Apoiei, como grande parte dos brasileiros, a cassação de seu mandato. Collor não sofreu impeachment por que renunciou.

Hoje noutro contexto vejo a posse do presidente, alguns minutos pela TV, alguns minutos pelos vídeo do youtube dos portais da mídia maior.

Novos tempos, novos pensamentos. 

PRESIDENTE VAI INVESTIR NA EDUCAÇÃO BÁSICA

O presidente da república disse em seu discurso de posse que vai investir na educação básica.

Algo tem que mudar na educação, principalmente na base. É flagrante o problema, principalmente na espinha dorsal do ensino: língua portuguesa e matemática.

FOGOS

A passagem do ano-bom foi saudada pelos fogos de artifício, e o "neste ano quero paz no meu coração" em aproximadamente ou um pouquinho mais de dez minutos.

Que venha 2019 cheio de progresso!

E O ANO VIROU

E o ano virou. Com ele, faz-se necessário o viramento de outras coisas. 

É necessário que o desemprego também vire para o lado da extinção, mesmo que paulatinamente.

É necessário que a violência também vire no sentido de redução ao máximo possível.

É necessário que a educação formal nas escolas vire no sentido do ensino-aprendizagem e não no sentido que foi tomado durante os vinte últimos anos. Que a educação relacionado aos costumes volte a ser comandada pelas famílias e não pelo estado.

O ano precisa de uma virada boa. Só assim as coisas melhoram. Isso é o que eu penso, diria Robertão.

O MUNDO DE OLHO NO BRASIL

O mundo está de olho no Brasil com a posse de um presidente bem diferente de todos que já passaram pelo cargo.

Será um presidente que surpreenderá a todos. Até aqueles que votaram nele.

O VELHO JÁ MORREU

Dois mil e dezoito morreu hoje cedo. Agora nasce um novo ano.