segunda-feira, 30 de junho de 2014

DÉCIMO TERCEIRO

O adiantamento de 40% do décimo terceiro salário dos servidores estaduais será parcelado em dois meses. 

A decisão do Governo do Estado foi anunciada na tarde desta segunda-feira (30) durante coletiva de imprensa na sede da Governadoria, no Centro Administrativo.

Tradicionalmente pago no mês de junho, o benefício será pago em duas parcelas de 20% depositadas nos dias 16 de julho e 18 de agosto para os servidores.

(Do Jornal Tribuna do Norte online)

domingo, 29 de junho de 2014

QUEM SE LEMBRA?

NOTEBOOK E CADERNO

Qualquer minidicionário de inglês, por mais mini que seja, traz a palavra notebook com o sinônimo de caderno e agenda.

Cresci sabendo este bê-á-bá da língua inglesa, aprendido logo na antiga 5ª série.

Pois bem. O tempo passou, e já faz alguns anos, não muitos anos, apareceu o notebook com outro sentido, mas sem deixar de ter tudo a ver com o caderno.

Sem muito esforço, percebi a relação de um caderno grande e um notebook.

Foi tentando estimular a memória dos alunos, que uma vez perguntei a eles o significado de notebook. Sem pestanejar, responderam:

“Um computador”.

“Vocês não estão totalmente errados, porque o computador móvel se parece bastante com um caderno. Observem e vejam a semelhança. Eles têm funções diferentes. Ambos servem para escrever, apesar de que para algumas pessoas, preferem escrever mesmo num caderno e não sentem falta alguma de um notebook. Pelo outro lado, o caderno ainda é instrumento muito útil, que vocês muitas vezes não dão o devido valor. É preciso manter o contato com a escrita a mão, pois as redações nos exames e concursos ainda são escritas num papel.”

sábado, 28 de junho de 2014

TAMANHO

Tamanho não é tudo. Um edifício muito grande não diz tudo em termos de segurança e eficiência.

A derrocada do Titanic nos ensinou isso. Já foi o tempo em que o tamanho das cidades era parâmetro para medirmos a qualidade de vida das pessoas. Hoje tem gente correndo de dedo nos ouvidos em direção das cidades menores, pois há mais tranquilidade.

Apesar da globalização de tudo, a violência incide com menor intensidade.

País grande também não diz nada sobre o item competência e eficiência. Há países grandes com muitas desigualdades entre as pessoas. Há menores com muito mais justiça e qualidade de vida.  

sexta-feira, 27 de junho de 2014

FILTROS

Em férias, sem trabalhar formalmente, a gente pode saborear com mais força e gosto a internet. 

É aqui onde mora o perigo. É aqui que precisamos saber usar um filtro bem grande mesmo para acompanhar a velocidade das informações e o tipo de informações que lemos e ouvimos. 

Há de tudo na internet  e mais uma coisinha. Precisamos ter cuidado para que não saiamos no final do dia entorpecidos com o monte de coisas que engolimos.

Agora o que se vê principalmente são notícias relacionadas aos jogos da Copa. Mesmo sem perceber, a gente polui a cabeça com tanta informação. Qualquer assunto é pretexto para fazer uma ponte com o assunto do momento.

O que nos preocupa, nós dessas bandas da linguagem formal, que diariamente insistimos para que nossos alunos aprendam a se expressar adequadamente, o que nos preocupa mesmo é a quantidade de textos escritos de qualquer forma, sem pontuação correta, sem nexo, com erros ortográficos absurdos, etc.

Sublinho aqui o fato de que praticamente todos os erros ortográficos são absurdos. Por quê?  Porque num mundo em que tudo está globalizado, temos a chance de acertarmos cem por cento, pois temos uma infinidade de dicionários ao nosso lado, bem pertinho da gente, na ponta dos dedos. Há também uma porção de professores doutos, preparados, que podem nos responder corretamente em apenas um clique.

Podemos, por exemplo, nunca errarmos no item agente e a gente. Não devemos mais anunciarmos uma notícia dizendo que isso ou aquilo aconteceu ou vai acontecer, se na verdade ela tem data e até hora exata. Se aconteceu ou vai acontecer é porque não estava previsto ou não está previsto.

Estes e outros deslizes fagneanos "já não existe nem o certo nem errado", flagramos na pequeníssima e grandíssima imprensa do país.

Na linguagem oral, nem me falem! Há gente dizendo gratuíto sem nenhuma preocupação. Assim, nossa juventude não irá aprender direito!

Querem saber de uma coisa? Há erros que praticamos na escrita por falta de revisão devido a pressa de publicarmos um texto. Não se escandalizem se eu tiver cometido alguns deles. Se isso ocorrer, depois voltarei e consertarei.

Tchau! 





quinta-feira, 26 de junho de 2014

COMO NOSSA SAÚDE

Se temos emprego, casa, saúde, e de repente perdemos tudo isso ou parte disso, logo sentiremos muita falta.

É também como nossa respiração. Nem percebemos que respiramos, pois é uma coisa normal, mecânica.

A falta de livros didáticos para os alunos do Estado do Paraná virou manchete, pois é um bem que eles tinham e agora ainda não foram distribuídos.

Agora aproximadamente 40 mil alunos do Estado não receberam livros. Reclamam, com mochila seca, que eles são muito importantes para a aprendizagem.

É somente quadro e giz: o professor escreve a matéria e os alunos copiam. Uma velha forma dos anos 70 e 80. "Sinto muita falta deles. É muito importante na aprendizagem", disse um aluno ao Bom Dia Brasil hoje.

A notícia acima é mais uma daquelas que merecem reflexão. Indubitavelmente, os livros didáticos são importantes. Por isso, vai aqui um apelo para quem porventura tem eles em casa e não os consultam nem mesmo na hora das aulas.

É preciso dar mais valor aos livros, pois, vá lá que um dia eles também deixem de ser enviados para nós. O que faremos, então? Lamentarmos também?




quarta-feira, 25 de junho de 2014

UM BELÍSSIMO TEXTO

Um belíssimo texto sobre alunos indisciplinados foi publicado no UOL. Fala que o professor brasileiro gasta 20% das aulas mantendo a disciplina na classe.

É uma pena que isto seja verdade. Às vezes gastamos até mais tempo. Às vezes, se não suspendermos, passaremos duas aulas consecutivas combatendo a indisciplina.

É tempo de fazermos alguma coisa, pois só quem sai perdendo são os alunos disciplinados.

Para ler na íntegra:
http://educacao.uol.com.br/noticias/2014/06/25/professor-brasileiro-gasta-20-do-tempo-de-aula-com-indisciplina-segundo-estudo-da-ocde.htm.

terça-feira, 24 de junho de 2014

COMO PASSA RÁPIDO

Há anos não vivíamos umas férias como as deste ano. Graças a Copa é que teremos um mês de férias. Geralmente tínhamos somente duas semanas.

Agora, embalados pelos jogos, o tempo passa liso, leve e solto. 

Esperamos que esses jogos tragam lições positivas para todos nós. Os jovens, principalmente os jovens, devem estar de olho nas quatro linhas. Elas, apesar de batizarem de arena, (não deixa de ser um lugar de luta) nos ensinam muito como devemos ficar aqui fora delas.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

NÃO FLANAMOS MAIS

Ao ler um maravilhoso texto da escritora Martha Medeiros, descobri uma palavra nova, mas não algo novo. Apenas a palavra nova.  É o fato de que não flamamos mais, ou pouca gente flana.

Isso. O que muita gente está fazendo não é flanando, mas caminhando para corrigir velhas práticas errôneas da vida. É uma maneira de queimar calorias nas andanças rápidas.

Observei através do texto O que a vida oferece, de Martha Medeiros, que ao flanar, a gente aproveita pequenas práticas que nos fazem bem, como passar pelas ruas e encontrar pessoas e saudar com um bom dia e também fazer novas amizades ou até encontrar um novo amor.

São tantos os benefícios de uma flanada que daria para encher muitas páginas, caso fôssemos nomear.

Basta. Agora quem quiser ler o texto na íntegra é só pesquisar o nome do texto e autora. Quanto ao significado de flanar, não precisa, pois eu já o fiz.

Basicamente, o significado de flanar é perambular, passear ociosamente, sem rumo certo. Com certeza, quem o fizer, terá muitas surpresas agradáveis.


domingo, 22 de junho de 2014

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra do café torrado na hora em que se comprava o café?

Pois bem. Nesse momento, foge à minha memória o ano, mas arrisco. Deve ter sido em 1980, quando o senhor Antônio Marques tinha um comércio, cujo nome se não me engano era Torrefação e Moagem Vitória. O estabelecimento comercial  era na Avenida Getúlio Vargas, em frente à farmácia de Antônio de Elizeu.

Naquela época os conceitos de rico e pobre eram medidos pela carne que se comia ou quem comia carne quase todos os dias; pelo cuscuz se era empacotado ou moído em moinho caseiro; se tinha TV em casa; se fumava desfiado ou brejeiro; se vestia certas roupas e se tomava café em grãos (moído em casa ou no comércio local) ou nescafé. 


sábado, 21 de junho de 2014

E POR FALAR EM HEIN

Num daqueles desafios que os professores fazem aos estudantes, perguntei a uma turma inteira se alguém sabia como devíamos escrever hein como interjeição, sentido que vou dar nesse texto.

Qual não foi minha alegria quando um bom número deles responderam corretamente.

Certamente, disse à turma, não são vocês que escrevem tão mal nas redes sociais. Há gente demais escrevendo em no lugar de hein.

Como já perceberam, em português há dois: um em é preposição e outro hein, interjeição. A interjeição na língua Indica admiração e interrogação. 

Todos os leitores sabiam dessas informações? Hein?

sexta-feira, 20 de junho de 2014

ASSISTIR O OU AO?

Assistir o jogo ou assistir ao jogo não há nenhuma diferença se estivermos conversando à boca solta, sem nenhuma preocupação formal. 

No entanto, se estivermos escrevendo um texto formal, os examinadores não perdoam. Só admitem o verbo assistir como transitivo indireto, ou seja, com o uso da preposição a

Traduzindo melhor: assistimos ao jogo e não o jogo.

Estejam plugados, hein, estudantes!


MASCULINA OU FEMININA?

Não tem conversa, não. A língua formal é mesmo complicada. Mas às vezes ela não é tão difícil de engolir como se pinta por aí.

O que ocorre é que muitas vezes a gente é que prefere complicar mesmo a fazer uma modesta pesquisa, até mesmo em um dicionário ou gramática.

O que está na grande imprensa hoje é uma pequena amostra do que falei. 

EMBAIXADORA DO UNICEF RENUNCIA APÓS PIADA CONTRA JOGADORES COLOMBIANOS (O GLOBO )

EMBAIXADORA DA UNICEF RENUNCIA APÓS PIADA CONTRA COLOMBIANOS (ESPORTES.TERRA.COMBR)

UNICEF é sigla do inglês (United Nations International Children's Emergency Fund,) que se traduz por Fundo Internacional de Emergência para a Infância das Nações. 

Os dois exemplos acima são para análise. O primeiro, segundo a lógica, deve estar correto, pois UNICEF é sigla que começa com uma palavra masculina, FUNDO

Apesar das controvérsias, pois há quem defenda ser do gênero feminino, acredito se encaixar no gênero masculino pela explicação acima.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

GOLS CONTRA

Quantos gols contra já marcamos na vida?

Ah! Nem pensar! 

Se fôssemos catalogar todos as nossas bolas-fora, os gols contra, os passes errados, as jogadas mal feitas, as agressões, as porradas, as cabeçadas, os xingamentos, as matadas no peito para o adversário, os encontrões, as trombadas, as joelhadas,enfim, as faltas em geral que cometemos em nossas vidas, daria laudas e mais laudas de páginas para descrevermos.






quarta-feira, 18 de junho de 2014

ZERO A ZERO

Ainda está zero a zero o placar das disputas de 5 de outubro. 

Apesar, de já haver pesquisas de opinião que apontam alguns candidatos na dianteira, ainda podemos dizer que a corrida para a chegada ao poder ainda não começou.

Sei que de verdade já há alguém que botou na frente a bola e já corre há meses na frente, mesmo que os tentos ainda não valham oficialmente.

Enquanto está zero a zero, cuidemos nós para que não nos entorpeçamos tanto com o que vem por aí: muita conversa fiada em forma de memórias, anedotas, historietas e desabafos.

Eles, os jogadores ainda não estão nem inscritos para o jogo, mas já vale a pena a gente se precaver. 

terça-feira, 17 de junho de 2014

AS IDEIAS DE SÊNECA

"Ninguém pode ser feliz se não tiver a mente sadia, e, certamente, não a tem quem opta por aquilo que vai prejudicá-lo."

A frase acima foi extraída do livreto Da felicidade, de Sêneca, filósofo e político romano.

Interessante como um texto escrito há mais de dois mil anos seja tão atual. É o retrato de uma parcela da sociedade que pratica às claras ou às escuras atos que prejudicam aos aos outros e a si mesmo.

DÁ DOMINADO!

Durante um mês o principal assunto dos brasileiros será a Copa de Futebol. Notícias de corrupção e convenções na política serão assuntos que pouca atenção daremos. 

Os estragos das chuvas em Natal não podem ser focos de atenção da população natalense, nem os protestos pelo Brasil a fora idem.

Lá para o meado de julho, tudo voltará ao normal. As aulas vão retornar e outro assunto tomará conta do brasileiro: a política. Sobre este assunto os brasileiros gostam e desgostam ao mesmo tempo, assim como fazem com o futebol.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

A VIDA COMO ELA É

De repente a vida se vai. Ela vai de muitas maneiras, em qualquer tempo, em qualquer idade, em qualquer classe social. É bom que os mais jovens vão logo se acostumando com isso. E os que pensam que porque estão no auge do poder econômico, político, social, de famosidade, estejam isentos dessa lista, precisam ficar mais atentos.

Não se trata de querer meter medo em ninguém, mas de deixar a todos cônscios dessa realidade, mais que dura realidade.

A alta blogagem local anuncia que o corpo de um senhor de 76, desaparecido há aproximadamente vinte dias foi encontrado. Lembremos que ele não é o primeiro nem será o último. Outras pessoas aqui e alhures foram também encontrados no mesmo estado e depois de vários dias desparecidos.

A vida é desse jeito. Há momentos de alegria e outros de tristeza. Nada mais óbvio.


domingo, 15 de junho de 2014

LIÇÕES DO FUTEBOL

Apesar de futebol ser jogo  -  e jogo é disputa, guerra, erros e até injustiça, traz muitas lições positivas que vale a pena ser seguidas e aplaudidas.

Uma delas é sobre a questão disciplinar. Não há nada que possamos nos espelhar com tanta realeza sobre esse assunto como o futebol e suas regras com cartões vermelhos e amarelos. 

Pode até o jogador não gostar dessas cores, mas ele tem que vê-los bem de perto, caso cometa uma infração.

Vejo que as regras do futebol de tempos em tempos mudam para melhor. 

Com a intenção de dinamizar as partidas, inventaram a regra do impedimento, a popular banheira. Com ela, os jogadores garapeiros e cansados não podem ficar parados a frente da defesa.

O atraso de bola para o goleiro também foi outra malandragem que uma regra deu um basta. 

A cera foi amenizada depois que resolveram deixar que o goleiro passasse somente x segundos com a bola depois de retê-la. 

Bem que muitos alunos que ao mesmo tempo são desportistas e indisciplinados poderiam refletir melhor e verem que o campo de futebol e a sala são parecidos nesse item: precisam de regras para funcionarem melhor. A grande diferença é que a sala de aula não é lugar de disputa. É lugar de harmonia e paz. As regras são indispensáveis. Pena, mas muita pena mesmo que os indisciplinados não conseguem enxergar isso.  




DICAS PARA QUEM QUER TIRAR BOM PROVEITO ESTUDANDO PRA CONCURSO EM MEIO AO SERVIÇO PUXADO

Aproveitando as dicas que dei a um feiciano que trabalha e quer estudar para fazer concurso, publico aqui as mesmas dicas e outras que vierem na mente:

Tem que ser em casa, nas horas vagas;

No limite. Cada um tem seu limite. Se a pessoa só pode estudar uma hora, que seja uma hora. Se está estudando e vê que não está assimilando mais nada, é melhor descansar um pouco, pois as palavras não estão entrando mais;

É preciso renúncia a alguns prazeres como o lazer do final de semana. Não é fácil a gente vê os outros se divertindo e a gente aqui, ralando para compreender algumas questões de matemática ou qualquer outra matéria;

Reduzir as horas de lazer e descanso;

Os concursos, dependendo do tipo, os assuntos são os mesmos. O material sempre os ex-alunos têm em casa. Se não, há sempre disponível nas livrarias;

Se a pessoa não está trabalhando perto de casa, é mais difícil, mas sempre há um jeito para quem quer mesmo estudar para concurso. Estar no mundo e misturado a mais pessoas, fica complicado. Mesmo assim, a alternativa é carregar pelo menos um livro para folhear nas horas vagas. Sempre  haverá um momento em que se está só. O  mais difícil é a renúncia de estudar só, indo até contra colegas de trabalho. E o barulho? Nem se fala!;

Um caderno. Bom também é ter um caderno, daqueles de 94 folhas, para rabiscar o que aprendeu ou fazer resumo do que leu. Isso ajuda a assimilar melhor. Escrever faz um bem danado. num contexto em que há abundância de livros, há a falsa ideia de que não precisamos mais escrever coisa alguma. Digo às vezes aos alunos que muitos deles não sabem mais escrever com caneta. Infelizmente muitos ainda pensam que estão no pré;

De preferência, escrever formalmente, de acordo com as normas gramaticais, para ir se acostumando, pois nos concursos há rigorosidade quanto a isso. É bom escrever de acordo com as normas padrão da linguagem para “desintoxicar” da linguagem que praticamos diariamente na fala e na escrita dos faces e outras mídias. Até mesmo a TV, que deveria ser fonte de cultura e formalidade, esta não ajuda. Antes, atrapalha;

O uso de letras maiúsculas em nomes próprios, antes de iniciar uma frase, etc  é o bê-á--bá de tudo.

Voltarei ao assunto, se preciso for.


QUEM SE LEMBRA?

Lembra bem a professora Régia que houve um tempo em que alguns professores dividiam a turma em duas, quando faziam provas.

Uma das razões era o fato de haver alunos demais numa classe. Assim, os números pares faziam num dia e os ímpares, no outro.

Havia até professores que levavam para a classe um outro para auxiliá-lo no sentido de se protegerem contra os coladores. Alguns até chiavam, mas não davam jeito. O jeito mesmo era estudar.

Naquele tempo ainda não havia o instituto da abençoada progressão, que não faz ninguém progredir.

sábado, 14 de junho de 2014

AGRADAR A TODOS?

É ponto pacífico que ninguém pode agradar a todas as pessoas indistintamente. Sempre vai aparecer pelo menos uma para fazer você sofrer no paraíso.
Então, firmado nesse princípio, devemos lutar para praticar o bem na medida do possível.

CHUVA DE ONTEM

A chuva de ontem em Upanema foi de 16,7 mm, segundo informações de Yamashiro de Geraldo Messias. 

sexta-feira, 13 de junho de 2014

SEM ENERGIA

Nós do Pêgas, nas imediações do antigo estádio Calazans Freire ficamos sem energia cerca de duas horas. 

Foi um momento desconfortável, visto que o costume de termos energia vinte e quatro horas nos deixa bem acostumados. 

Se fosse nos anos 80, nem estaríamos surpresos. Naquelas eras, a falta de energia fazia parte do upanemense no período invernoso.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

TORCER PARA?

A língua usada no cotidiano é leve, solta, sem preocupação com a pronúncia correta ou construção correta quanto à exigência da gramática.

O que não se deve perder de vista é o fato de que há momentos que as convenções sociais não admitem de jeito nenhum que falemos ou escrevamos do jeito que queremos. São os momentos solenes e os concursos e seleções de candidatos.

A coisa só pega de verdade quando queremos usar a língua da mesma forma em todos os lugares. Na escrita, há exigências severas. 

Não faz muito tempo que ouvi uma doutora falar para um grande auditório de professores que tal curso online era GRATUÍTO. Fiquei horrorizado, não somente pelo grau da doutora, mas por causa do erro absurdo de prosódia, ou seja, da correta acentuação tônica das palavras.

Aliás, há outros erros idênticos, tais como, récem e récorde. A segunda já ganhou dupla ortografia depois de tanta divulgação pela mídia nacional. Por enquanto, só dois dicionários grafam também récorde como correta. Por enquanto, a maioria só admite recorde (cór).

O QUE DIZEM AS GRAMÁTICAS?

Quem torce - deseja a vitória, segundo Luiz Antonio Sacconi, torce por, pelo, e não para. Torço pelo Flamengo, mas sei que time ruim não ganha somente com torcida grande.

Na língua cotidiana, continua Sacconi, se vê usado assim: Torceu para o Flamengo. 

Pode-se dizer que torcia para que o time ganhasse. Mas aqui o verbo já não pede complemento, isto é, é intransitivo.

O dicionário de Verbos e Regimes, de Francisco Fernandes, faz um acurado estudo sobre o verbo torcer, mas, pasmem, não no sentido como estamos utilizando agora: fazer torcida. Não consegui entender o por quê disso, mas faço cá minhas conjecturas: será que naquele tempo (1969) não se dava tanta bola para o futebol, e por isso o autor não deu destaque ao verbo torcer como transitivo indireto? Ou o próprio autor não achou que seria importante incluir o verbo torcer nesse sentido?  

O certo é que o estudante deve ter muito cuidado com o que ouve e vê pela TV, pois lá, em raras exceções, o vernáculo é proclamado de acordo com a norma culta. Sei que a TV é lugar também da informalidade, mas não fazia mal nenhum eles, os senhores e senhoras da grande imprensa dizerem que o brasileiro deve torcer pelo Brasil e não para o Brasil.

Não faz mal a gente se acostumar a pronunciar as palavras direito, porque os exames de ENEM e vestibulares já estão bem aí. Lá, a língua deve se desdobrar do jeito que eles querem.

Lá não se torce para o Brasil, mas somente pelo Brasil.


PREFEITO LUIZ JAIRO CONSEGUE MAIS DE UM MILHÃO E MEIO DE REAIS EM EMENDAS PARLAMENTARES

A atuação do prefeito Luiz Jairo junto aos parlamentares estaduais e federais do Rio Grande do Norte continua surtindo efeitos positivos para Upanema. Em 2013, Upanema recebeu mais de um milhão e quatrocentos mil reais em emendas parlamentares. Neste ano, os recursos incluídos nos orçamentos do Estado e da União somam mais de um milhão e meio de reais.

São R$ 450 mil, somente no Orçamento Geral do Estado (OGE), para pavimentação asfáltica de diversas ruas, entre elas, a rua José Lopes, no prolongamento da Avenida Antônio Vitorino; rua Vereador José Fernandes da Rocha, ligando a Avenida 16 de Setembro com o Cemitério, passando pela Igreja Assembléia de Deus; e a rua João Lopes, do Portal do Sol até o Estádio Freirão.

Outros um milhão e duzentos mil reais foram incluídos no Orçamento Geral da União (OGU) para compra de diversos equipamentos para a saúde, incluindo desfibriladores, e pavimentação a paralelepípedo de ruas.

As emendas partiram dos deputados estaduais Leonardo Nogueira (Dem), Larissa Rosado (PSB), Ricardo Motta (Pros) e Gilson Moura (PV); além dos deputados federais João Maia (PR), Betinho Rosado (PP) e Sandra Rosado (PSB). São sete parlamentares de seis partidos diferentes. “Isso mostra que a nossa atuação política não se resume apenas ao meu partido. Temos procurado todos os parlamentares, de todas as legendas para assegurar recursos para Upanema, pois acima de qualquer discussão política, está a nossa cidade e nosso povo”, ressaltou Luiz Jairo.

O prefeito observou que visita os gabinetes de praticamente todos os parlamentares do estado nas viagens a Natal e a Brasília. “Quando eu saio de Upanema é para cumprir compromissos e também para lutar por mais recursos para a cidade. A prova são as emendas que conquistamos em 2013 e, agora, em 2014”, concluiu Luiz Jairo.

Prefeitura Municipal de Upanema
Assessoria de Imprensa
Magnos Alves

Coordenador

domingo, 8 de junho de 2014

QUEM SE LEMBRA?

Duas lembranças do passado me vieram à memória. A primeira, faz parte da escola do passado, quando eu ainda era menino sambudo e estudava na Escola Estadual Professor Alfredo Simonetti. Eram as carteiras duplas. Digo, eram as carteiras que cabiam dois alunos. 
Esse tipo de carteira escolar - desk -vim saber depois no inglês da antiga quinta série, era bastante pesada e de uma madeira dura, que não me ocorre o tipo.

Só sei que formávamos duplas. Havia uma desvantagem com relação a aprendizagem e o prestamento de atenção às aulas. Se um deles resolvesse não dar atenção ao que o professor explicava, já era aula. Só era muito bom para trabalhos em grupo. Para atividades individuais, era uma dificuldade: ou separava-se os alunos - aí faltavam carteiras, ou tinha que haver muita vigilância para que a cola não fosse inevitável.

Ainda lembro-me dos colegas que faziam dupla comigo. Eu até que gostava, pois não tinha nada que eu desgostasse em escola!

A outra lembrança é dos potes cheios de água para beber. Água friinha, limpa. Era inevitável que os sapos se encostassem para saborear o frio. Ninguém queria deixá-los ali. Por isso, o enxotamento de sapos era comum. 

Através do rei do baião soubemos que antigamente as cervejas eram conservadas em potes. É o que dá para lermos nas entrelinhas de uma música de Luiz Gonzaga.

Ao indagar a pessoas da zona rural sobre a existência de potes, eles disseram quase unânimes que isso não havia mais em suas casas. Nem fiquei surpreso, visto que os bens entre pessoas da zona urbana e rural não difere. Ora, se o consumo é idêntico - o lixo que o diga - então os potes lá também deram lugar às geladeiras assim como na zona urbana.

Quem se lembra das carteiras para dois e os potes?

 

sábado, 7 de junho de 2014

DIA BOM

Hoje tivemos um dia bom demais quanto ao clima. Chuvas e chuviscos e depois clima ameno, bom para tudo, principalmente para viajar ou dormir. 

Não digo que esse dia seja associado a um "bom lugar pra ler um livro", pois estaria repetindo Djavan em seu clássico "Nem um dia", tão bem interpretado por ele.

É um bom dia para mim, mas para outros, é péssimo, pois as juntas ficam doídas. Em outros, dor de cabeça. E assim por diante.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

ATENÇÃO ALUNOS: INÍCIO DAS AULAS PREPARATÓRIAS PARA A 2ª FASE DA OBMEP 2014

Todos os alunos upanemenses classificados para a segunda fase da Olimpíada Brasileira de Matemática estão sendo convidados para participarem dos aulões que serão realizados a partir do dia 9 de junho, segunda feira, às 19h na Escola Estadual Professor Alfredo Simonetti.

Neste ano, além dos níveis 1 e 2, também estaremos dando aula para o nível 3.
Calendário de aula:

Nível 1: Segunda feira (Início no dia 9/6);
Nível 2: Terça Feira (Início no dia 10/6);
Nível 3: Quarta feira (Início no dia 11/6)

Para o nível 3, contaremos com a presença de alunos do Calazans Freire e alunos upanemenses que estudam no IFRN, entre eles os dois medalhistas de ouro: Marcos (2013) e Letícia (2011).

Se você foi classificado para a segunda fase, não perca essa oportunidade. O material para estudo você vai encontrar em Erivan Cópias a partir de terça feira, (3).

Informações de Josiel Gondim