quarta-feira, 31 de agosto de 2011

NOVO PRÉ-CANDIDATO A DIRETOR

Está ficando dramática a sucessão para a direção da Escola Estadual José Calazans Freire. De acordo com o que sondei até agora, está difícil se arranjar um candidato sequer para suceder a Antônio Nicácio. O próprio, segundo já se pronunciou, não quer mais. A vice, Leia, não pode mais ser candidata, tendo em vista já ter participado da gestão duas vezes consecutivas.

Restaria a Júnior ser o candidato. Mas ele também não vai. 

Agora, só Francisco Diógenes poderá decidir a parada. Ele é o novo pré-candidato que acabei de lançar no final do expediente de hoje de manhã.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

PECUARISTAS DO MUNICÍPIO PARTICIPAM DE PALESTRA

A Prefeitura Municipal, através da Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Pesca objetivando melhorar nosso rebanho está realizando junto às comunidades/assentamentos rurais do nosso município, palestras com os produtores sobre diversos temas ligados diretamente a nossa região. Com essa atividade, pretendemos  ampliar o nível de  conhecimentos dos agricultores familiares quanto ao manejo,  principais doenças e alimentação do seu rebanho, permitindo melhor aproveitamento dos recursos naturais existentes em sua propriedade, explica o Secretário de Agricultura Aisamaque Dalyton.  Na maioria das vezes, a falta de prevenção é a principal causa da mortalidade de animais em nossa região. O agricultor não tem o conhecimento necessário, por isso não toma as providências cabíveis e acaba perdendo seu animal. Para o médico veterinário Andre Medeiros, as palestras são pautadas na prevenção das principais doenças de nossa região, fomentando assim os primeiros cuidados. Após a reunião, os agricultores puderam agendar uma visita in loco com o veterinário em sua propriedade, sem nenhum custo ao produtor.  Os interessados devem procurar a Secretaria Municipal de Agricultura para maiores informações. 

FONTE: Sec. de Agricultura, Pecuária e Pesca

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

CONVERSA COM JÂNIO

O entrevistado de sábado, no programa Educando com a 104, na FM 104, foi o professor Jânio Carvalho, que leciona Geografia e História, entre a Escola Estadual Professor Alfredo Simonetti e Escola Estadual José Calazans Freire.

De forma singela, ele recordou os momentos de sua infância, no Alfredo Simonettti, entre os quais o papel de sua mãe como primeira professora e educadora.

Viajou pelo Ensino Fundamental maior (antigo ginásio) até a Universidade.

Queria prestar vestibular para Química, mas como o acesso seria mais difícil, porque não havia transporte escolar pela manhã, ele preferiu dar uma guinada de 360 graus para o curso de Geografia, sua grande paixão.

Prestou concurso público e hoje é servidor do Estado. 

Seu testemunho serve para quem quer vencer na vida, vindo da camada humilde da sociedade.

domingo, 28 de agosto de 2011

QUEM SE LEMBRA?

Da série dominical "Quem se lembra" de hoje, faço os leitores lembrarem das figurinhas dos jogadores que iam pra Copa do mundo de futebol. 

Das figurinhas, tenho triste lembrança. Eu colecionava grandes jogadores do Brasil, entre os quais estavam Zico, Sócrates, João Leite, Reinaldo e Júnior.

Um triste dia, todo o pacote desapareceu misteriosamente. Até hoje não sei que possa ter levado aquelas figrinhas.

sábado, 27 de agosto de 2011

UPANEMA TEM UPANEMA WEB RÁDIO

Entre as coisas boas que Upanema tem podemos listar, além daquelas que listei no dia 24, nas postagens em homenagem a mim mesmo, por causa do aniversário: rádio, jornal, etc, ainda faltou muito. 

Acho que esqueci-me de dizer que a nossa barragem  - apesar de não ser muito explorada  - é uma das coisas boas da gente. 

Temos também a Upanema Web Rádio, nos informa Afonso Canuto.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

PREFEITURA REALIZA CONSERTO DE ESGOTO DE IMPORTANTE VIA DA CIDADE

O esgoto da Rua Manoel Bezerra, uma das principais vias de acesso aos conjuntos habitacionais da cidade, sempre foi um grande transtorno para moradores, motoristas e pedestres que passavam pelo local. Vários reparos paliativos já foram realizados, mas o problema sempre voltava, prejudicando a todos. Para tentar resolver o problema por definitivo, o prefeito Manoel Carlos, autorizou o secretário de Obras, Valmir Aquino, a realizar um serviço com mais investimento na base do local. Para isso, foi retirada toda estrutura anterior e colocada uma nova camada de concreto, baseando-se pelo nível da Rua. Em seguida será colocada a camada de asfalto.

ATRASO

Como o objetivo do prefeito era fazer um serviço que durasse um tempo maior do que os executados anteriormente, a intenção era colocar asfalto usinado em cima da antiga camada existente. Mas, segundo o prefeito, a empresa responsável pela produção do asfalto está com sua usina em manutenção, voltando a produzir o material somente na próxima semana. “Infelizmente isso atrasou os nossos planos”, disse o prefeito.

Para liberar o local com mais qualidade, a Secretaria de Obras, está colocando asfalto a frio, que já estava sendo utilizado em outra obra. O asfalto a frio será substituído assim que o asfalto a quente for adquirido pela Prefeitura, fazendo com que o serviço fique de acordo com o planejado e com durabilidade superior.
“Conheço um pouco da história desse esgoto e de vários problemas existentes em nossa cidade. Se é para Prefeitura fazer um serviço de reparo desses, tem que ser bem feito! Pra que depois não tenhamos que voltar a interditar uma via pública importante, sem falar no dinheiro do povo que foi desperdiçado”, completou o prefeito. O prefeito também reconheceu a insatisfação dos moradores com o atraso na conclusão do serviço, mas destacou que mais importante é o benefício que ela vai trazer. “

FONTE: Sec. de Turismo e Comunicação – www.prefeituradeupanema.blogspot.com

LUCIANA VEM AÍ

Luciana Dornellys, que foi a representante da paróquia de Nossa Senhora da Conceição na Jornada Mundial da Juventude deste ano em Madri, está de volta amanhã. 

Como ela mesma prometeu, vai falar de sua participação daquele evento. Aguardemos, pois.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

AGORA É QUARENTA E SEIS

Quem teve paciência ontem, leu os quarenta e seis textos que produzi, em sintonia com os meus quarenta e seis anos de idade que completei. Enquanto muitos escondem a idade, faço questão de dizê-lo, com todos os pingos nos is. Não por que me envergonhar da idade. Afinal, não estamos numa caminhada em direção à eternidade? Que jeito a gente pode dar se nos escondemos na idade?

AGRADECIMENTOS

Agradeço a todos os que mandaram parabéns, através do blog Upanema News e deste também.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

COMPLETEI A CONTA

Com esta postagem, completo uma conta de postagem, para combinar com o número de anos que faço hoje.

Desde o ano passado que no dia do meu aniversário escrevo o número de postagens iguais à minha idade. Hoje estoou repetindo a façanha.

Espero que os leitores que não concordarem comigo em algum ponto não interajam de forma errada. Se discordam de mim, escreva e se identifique. É assim que entendo a democracia.

UPANEMA TEM

Upanema tem:

Radio comunitária, jornal (Jornal de Upanema, oito anos), blogs (mais de vinte ativos), associação de universitários. O quê mais?

VICE DO CALAZANS

Como já postei neste blog hoje, um dos nomes cogitados a ser candidato a diretor na eleição de outubro no Calazans é Júnior. 

Mas o vice? Perguntará o leitor.

Há nomes para o vice. Mas um dos nomes mais fortes é o de Fátima Martins (Fatinha). É um dos nomes que pode decolar e compor a chapa única (?).


CUIDADO COM A CRUVIANA

A história da cruviana é muto manjada. Foi um velho que me contou. Tentarei resumir.

Uma noite, um homem foi hóspede numa casa de zona rural. Como fazia muito calor dentro de casa, o visitante preferiu dormir fora. O dono da casa o advertiu: pode dormir fora, mas de madrugada a cruviana pode te pegar. O homem não ligou para o aviso.

Quando chegou a madrugada, apareceu um bicho no escuro. O cara não perdeu tempo. Meteu o tiro. O bicho caiu.

No outro dia o dono perguntou: e a cruviana, não apareceu?

- Sim, mas taquei chumbo nela!

A cruviana, meus amigos, era o frio. O homem meteu fogo no próprio animal dele.

AVIÕEZINHOS

Hoje vi uma coisa que há muito não tinha visto: aviõezinhos de papel na escola. Foi numa aula vaga. Como sempre aparecem alunos que fazem isso. Não era bagunça, não. Hoje o formato de nossas salas não tem espaço para se jogar um objeto para outra. 

Os aviões de papel não fazem mais mal ao ensino. Ainda bem.

QUERIA TER

Queria estar completando hoje sessenta anos de idade. 

Que maluquice é essa?  Perguntará um curioso. Respondo. Se eu tivesse sessenta anos de idade hoje, eu teria conhecido o meu avô materno. Dizem seus contemporâneos que o velho era o cara. O velho era conversador e culto. Sabia chegar e sair. Ele esbanjava cultura. e olhe que estou falando dos anos cinquenta!

Seu nome: João Carlos da Costa.

A MARAVILHA DOS BLOGS

É clichê dizer que os blogs são instrumentos da nova democracia. Com eles, a ditadura dos meios de comunicação diminuiu. 

Só tenho pena é daqueles que não sabem usar a democracia em favor do bem. Muito pelo contrário: preferem se esconder no anonimato. Muito lamentável mesmo!

JUVENAL

Volto a lembrar de outra pessoa que se foi. Este não era, mas tornou-se conterrâneo dos upanemenses. Veio da Paraíba e estabeleu-se por aqui e não voltou mais.

Estou falando de Juvenal de Medeiros. Era filho de Seu Antônio Benvindo. Era professor de História, a exemplo de Ramos. Juvenal faleceu um dia depois de Ramos. Em 29 de agosto de 2002.

O CLAMOR DOS BLOGS

Quem acompanha a leitura dos blogs diariamente vê o clamor sobre o trânsito de Upanema. Todo mundo aposto em graves acidentes, principalmente no centro da cidade, onde há muito asfalto e pouca sinalização.

O trecho da 16 de Setembro é o ponto crítico. Muita gente que dirige as máquinas mortíferas não está pensando nem na vida deles nem na dos outros.

O VEREADOR DOS ALÔS

O vereador do PMDB, Montalgghan já se notabilou-se como o vereador que dá alô aos ouvintes, do outro lado da rádio.

As sessões transmitidas pela FM 104 é prato cheio para o edil.

VEREADOR PARABENIZA TRABALHO DO PREFEITO

O vereador Elzimar Carvalho parabenizou o trabalho do prefeito interino, Manezinho.

"Ele não faz diferença entre A ou B", completou o vereador.

CASA VAZIA

A Câmara de vereadores na sexta-feira estava quase vazia. Um vereador, no uso de sua palavra falou que a casa estava com pouca gente: três ao todo. Ele se esqueceu que as sessões estão sendo transmitidas pela FM 104, 9.

As sessões têm poucos ouvintes de corpo presente, mas tem um número muito bom, graças a rádio.

OS QUE GRITAM

Nem sempre os que gritam é que são ouvidos. Disse um sábio.

O VALOR DO EXERCÍCIO ESCRITO

Quem não sabe uma das razões de muitos alunos não aprenderem o que ensinado nas escolas, vou dizer. É porque muitos alunos não fazem exercícios do que é estudado.

Não exercitam nem a letra. Só querem escrever com letras maiúsculas. Quando são requisitados nas redações, não conseguem escrever correto.

TAL PAI

Não sei de quem puxei tanta craqueza. Pelo que sei, foi de papai.

Ele contava que uma vez, Antônio de Elizeu meteu-se a besta e começou a dar uns cortes por longe, tentando driblar ele.

Ele não contou conversa. Meteu o cara no chão!

O MELHOR GOLEIRO DE UPANEMA

Já tive a oportunidade de postar no blog Upanema News a seguinte informação:

O melhor goleiro de Upanema foi Chico de Chico Dantas.
Quem é Chico de Chico Dantas? É irmão de Dona Edineuza, de Valério Tavares. 

 O homem voava alto para apanhar a bola nas alturas. Nos cruzamentos altos ou escanteios, era preciso ser bom para superar Chico. Ele pegava bola como ninguém. Um cara daquele nasceu na região errada.

Dava gosto olhar Chico pegar bola. Eu era menino e já entendia um pouco de gente que faz a coisa boa e certa, com vocação. 

Grande Chico! Ele não me conhece, mas eu o conheço. Grande goleiro!

JOGADOR COMPLETO

Nonato de Roseno tinha uma intimidade enorme com a bola. Batia faltas bem, driblava, corria. Era bom mesmo. Ele jogava bola achando graça. Por isso, isso, minha opinião na postagem anterior.
 

O MAIOR CRAQUE DE FUTEBOL DE UPANEMA

Quem conheceu Dequinha Bezerra jogando não tem outro pensamento sobre ele: ele foi o maior de Upanema.

Conheci Dequinha em fim de carreira. No vigor de sua força física como jogador eu não o conheci. Prefiro dizer que Nonato de Rosano foi o maior de Upanema. Quem viu Valdeir de Zé Simplício jogar, certamente dirá que foi melhor do que Nonato.

Miau também foi bom. Wilneram Cabral (que traz o nome do ginásio de esportes) foi outro mestre na arte de tratar a bola.

Eu fico com Nonato. Tenho direito de optar. Está na Constituição.

SE CASAMENTO FOSSE BOM

Se casamento fosse bom, não tinha testemunha.

Conheço uma pessoa que adotou o provérbio acima como filosofia de vida. Resultado: Ele já casou duas vezes (com testemunhas) e casará de novo se preciso for.

CONSELHO

Quanto mais esse mundo fica moderno, mais as pessoas desprezam o conselho. Há quem diga que se conselho fosse bom, seria vendido e não dado.

Aí onde mora o equívoco. Quem foi que disse que as coisas boas não são dadas? A natureza, como a paisagem, o ar que respiramos, o vento, o frio, o calor, a inteligência e a saúde, não são dadas?

MATEMÁTICA NA MINHA VIDA

Matemática nunca foi minha praia. E não era por falta de bom professor. Taí Etinho Freire que não me deixa mentir. Meus fracassos não foram por causa do professor, não. 

Nunca compreendi aquele fenômeno.

ESTÃO TRANSFORMANDO O CELULAR EM VILÃO

Como falei na postagem anterior, o celular, em si, não é mal. Mal com ele, diria um gramatiqueiro choco.

Quando os celulares viraram moda, previ que ele iria perturbar os professores. Não. Não perturbou no começo. Mas. nos últimos dias encontrei alguns da classe discente pondo a gente e sua inteligência à prova. Estão utilizando aquela máquina maravillhosa de forma errada. Lamentável, enfim.

O MAL DOS CELULARES

Não teria nenhum sentido se disséssemos que os celulares têm o poder de fazer mal às pessoas. Serim motivo para sermos acusados de atrasados e do quadrado bem do bumba mesmo. Assim como do tempo da pedra lascada e polida.

Não há motivo para acusarmos o celular como o vilão de alguma coisa. O certo é que qualquer coisa nesse mundo que não seja usado adequadamente e no tempo certo, terá tudo para ser instrumento de maldade.

É o caso dos celulares na sala de aula. Também não tem nada de mais ele estar na sala. O problema é ele estar funcionando, com outros fins, em plena aula.

FEBRE ALTA

Uma febre alta está instalada no organismo da juventude. É a febre dos celulares. Quem não tem um está se considerando inferior aos outros. 

O pior disso é que a tendência é aumentar mais ainda. A cada momento, lançam-se novos modelos. Um bom da coisa é que os preços caem, devido a oferta ser maior que a procura.

OUTUBRO ESTÁ LONGE

Outubro de 2012 está longe para se votar, mas bem pertinho para quem vai ser candidato. É que a justiça eleitoral exige prazos para que sejam cumpridos rigorosamente pelos candidatos. O final de setembro marca o prazo último para quem quer disputar cargos no próximo ano. 

De outubro a um ano, ocorrerão as eleições municipais. Quem estiver pensando em ser candidato, o tempo está abreviado. Não há tempo a perder.

OUTUBRO VEM AÍ

Há um ano da eleição que elegeremos o próximo prefeito e os nove vereadores, teremos eleições nas escolas estaduais.

Na Escola Estadual Professor Alfredo Simonetti, é bem provável, que Dário será reconduzido ao cargo. Já no Calazans, Antônio Nicácio não vai concorrer a reeleição. É o que se diz.

E quem será? Eu? Não. Já disse.

Temos pré-candidatos ao cargo. Um deles é Júnior, que já foi diretor e vice. Pelo andar da carruagem, ele será o candidato único. Só falta o vice. Também não será eu.


DIREÇÃO DE ESCOLA

Mandar é uma das tarefas mais difíceis do ser humano. Se os alunos adivinhassem que eu não gosto de mandar em ninguém, eles fariam tudo certinho.

É coisa chata mandar nos outros. Tanger os outros, assim com se faz com os bichos, não é tão difícil, porque a gente pode muito bem usar a força bruta, na porrada. Com seres humanos é muito diferente.

Por isso que dirigir uma escola requer muita vocação e força de vontade. Dirigir não é comigo. Tomara que eu não mude daqui para a próxima eleição de diretor.

CARREIRA DE PROFESSOR

Comecei ganhando merreca, no tempo que ainda era CNEC. Depois ingressei na prefeitura, como contratado. Entrei no Estado através de concurso. Depois na Prefeitura, idem e depois de novo no Estado através do concurso. Depois pedi demissão da Prefeitura.


COMO JOÃO LEITE

Vou repetir pela décima vez que na infância eu queria ser goleiro. Queria se espelhar nos bons jogadores. Assim, muitas vezes, quando jogava bola, nem precisava me botar no gol, porque eu queria ser goleiro.
E queria ser goleiro bom, assim como João Leite do Atlético Mineiro. Todas as vezes que a bola vinha em minha direção, eu gritava: João Leite! Geralmente, creiam, a bola entrava com a maior facilidade!

OS BONS MORREM ANTES?

"É tão estranho
Os bons morrem antes.

Cantou Renato Russo os versos acima.

Acho que não tem nada a ver. É só poesia mesmo. Morrem bons e maus indiscriminadamente. As pessoas morrem porque morrem mesmo. Ninguém fica pra semente, já diziam os mais velhos do que eu!

UMA HISTÓRIA SOBRE FELICITAÇÕES II

Depois do meu espanto com essa história de alegria e pavor, eu disse:

- Não, rapaz! Pavor é coisa ruim. Não pode ser. 

Aqui pra nós: tomara que ele não leia essa postagem. Acho que mesmo que leia, irá me perdoar, porque ele deve saber que eu estou precisando de completar aqui uma conta daqui pra o fim da noite.

UMA HISTÓRIA SOBRE FELICITAÇÕES

Quando estava lendo os parabéns que internautas mandavam pra mim no blog Upanema News lembrei-me de uma história ocorrida com um amigo meu de mocidade.

Era final de ano. Estávamos na febre de se mandar cartões de Natal e Ano Novo.

O meu amigo me mostra, com muita alegria, um desses cartões, e pede sugestão. Ele mandava para sua namorada. Dizia mais ou menos assim:
"Desejo a você um ano cheio de alegria e pavor."

Quase caí pra trás.

OS QUE SE FORAM II

Outro que se foi jovem também foi nosso conterrâneo Alcivn Dantas. Ele é o tipo de pessoa que a gente vez por outra se lembra. É alguém que a gente quando menos espera, sonha com ele, numa daquelas conversas legais, como se ele não tivesse morrido. 

Alcivan morreu em setembro de 1999.

OS QUE SE FORAM

Dos que já se foram, lembro-me com muita saudade. Prefiro muitas vezes esquecê-los, porque senão a gente sofre sem poder fazer nada.

Entre os que se foram, está Severino Ramos. Ele trabalhou em escola pública, primeiro no Alfredo Simonetti, na escola primária. Depois de se formar em História, foi lecionar essa disciplina no Calazans Freire.

HORA DE PERGUNTAR E HORA DE RESPONDER

As cabeças jovens, primcipalmente as de alunos, não conseguem entender que tudo tem sua hora e seu tempo. Ora, o tempo de tirar dúvidas é na sala de aula. Certo? Sim. Mas eles, muitas vezes exigem explicações das questões nos exames.

Se a escola é para a vida, como bem alardeiam certos teóricos, então não é possível que fiquemos explicando as questões na hora das atividades avaliativas.

Cada coisa a seu tempo. Nas aulas, é tempo de dirimir as dúvidas. Nos exames é tempo de responder as questões.

QUEM TIVER TEMPO, ACOMPANHE

Como no ano passado, tentarei postar o número de vezes que corresponde a minha idade, que está mudando hoje.

Quem tiver tempo e paciência, poderá me acompanhar. Tentarei cumprir aquilo que Silva Júnior chamou de façanha. Neste ano não pude cumprir tudo de uma vez. Vou, pelo menos, cumprir daqui até a noite.

EM 15 DE NOVEMBRO

Em 15 de novembro de 1972, o Brasil parava para votar. Só o interior do Brasil, porque as capitais não votavam. Era o regime em vigor. 
Naquele dia Rosvaldo Medeiros era eleito, ainda muito jovem, prefeito de Upanema. Como companheiro de chapa, Galdino Carlos. Ambos pertenciam ao MDB, que mais tarde se transformou no atual PMDB. Era o MDB de Aluízio Alves. O partido verdinho em folha.

Foi naquele dia que eu conheci a cidade. Morava na Baixa do Juazeiro. Vim de Jipe, de propriedade do então candidato a vice, Galdino. Só não me pergunte quem vinha dirigindo o carro. Acho que era o próprio.

SOU DO TEMPO II

Sou do tempo em que não havia internet por aqui, nem a instituição do anônimo. Esses vocacionados do descompromisso.

Não vou chamá-los de covardes porque eles não gostam.

UPANEMA DAS ANTIGAS

A edição de número 78 do Jornal de Upanema trouxe uma gama de fatos da Upanema do passado. São pequenos toques sobre a um passado remoto e próximo.

A página foi bem aceita e muito comentada pelos leitores. Que venha mais Upanema das antigas na próxima edição!

SOU DO TEMPO

Sou do tempo também do papel de embrulho que embrulhava sabão, rapadura, açúcar, arroz e quase tudo.

Em casa, o papel servia para a gente escrever bilhetinhos e outras coisas. Papai fazia cigarro com ele. A gente também fazia cigarro, só que sem o fumo, porque não queria fumar aquilo porque sabia que não prestava. O papel de embrulho também servia para outros fins impublicáveis.

DO TEMPO DO LÁPIS CARVÃO

Sou do tempo em que escrevíamos com lápis carvão. Depois passaram a chamar grafite e depois passaram a chamar poly, numa espécie de metonímia. 

Não comprávamos caneta pelo costume e também pela pobreza. Como era no primário, a professora não exigia da gente a caneta azul ou preta.

Quando chegávamos no ginásio, tínhamos imenso orgulho de vestir uma calça comprida e só escrevermos de caneta. Homem vestia calça comprida. Calção era coisa de menino véi sambudo.

O lápis comum, grafite ou carvão é usado abusivamente para responder os exercícios. São os parâmetros de ensino do novo tempo que estabeleceram parâmetros para dizer que não há parâmetro nenhum na aprendizagem.

"O importante é a aprendizagem", dizem eles. Certo. Mas certos parâmetros não podem ser esquecidos. O uso do rascunho e da caneta, para escrever as duas ou mais versões de um texto, não podem ser esquecidos. 

A decoreba, tão condenada hoje, precisa ser ressuscitada, porque ela está fazendo muita falta nas cabecinhas dos nossos adolescentes.

O VALOR DOS EDIS

Escuto muito depoimentos dos cidadãos sobre a atuação dos vereadores. As opiniões da maioria é de que eles não têm nenhum ou quase nenhum valor.

"Vereador não faz nada!"

"Pra que serve um vereador?"

São dua indagações que escutamos diariamente. O estranho de tudo isso é que eles estão conseguindo se elegerem e e se reelegerem. Por que os vereadores têm tantos votos ainda? Que mágica eles estão fazendo para captarem os votos?

EXPERIÊNCIA NO RIO

Por morar na beira do rio, aprendi a nadar logo cedo. Das minhas lembranças como nadador, lembro-me, que ainda muito criança, um cabrão, já rapaz, me pegou pelas pernas e saiu me arrastando contra a correnteza. Quase que morri afogado e com raiva dele.

Tive um final feliz porque consegui sair respirando, depois de beber uns bons goles d'água. Quando saí, resolvi vingar. Comecei a sacudir pedras no meliante, que se escondia debaixo d'água. Quando aparecia, eu metia uma pedra. Foi um momento de raiva, mas logo passou.

TIROS COM BALADEIRA

Nunca fui bom atirador de baladeira. a única vez que atirei num passarinho e acertei, um dos meus irmãos, safado, correu primeiro do que eu e chegou primeiro. Saiu, ainda por cima, alardeando que ele quem tinha acertado no bicho. O mérito ficou pra ele.

O GALÃO D'ÁGUA II

O galão era feito de madeira -às vezes um pau muito pesado - com duas correntes amarradas em cada ponta, que era presa a duas latas de querosene. Naquele tempo, poucas casas aqui tinham energia elétrica. 

Energia elétrica era para rico. Só restava comprar querosene, e de preferência, em lata, porque ficava mais barato.

Uma pessoa de nove anos de idade tinha pouca força para carregar duas latas cheias. O jeito era carregar as duas latas com água pela metade. 

A água era retirada de dois lugares: ou da cacimba de Lino, que era a água boa pra beber, ou das cacimbas do leito do rio, que tinha baixa  qualidade. As cacimbas do rio tinham águas com gosto ruim, porque eram contaminadas. Só serviam para a lavagem de roupa ou aguação de plantas.


O GALÃO D'ÁGUA

Quem hoje na casa dos quarenta anos pra baixo e não carregou água em galão?

Comecei a carregar água em galão quando tinha apenas nove anos. Meus irmãos iam para o cercado plantar ou para a olaria fabricar tijolos. De homem só ficava eu em casa. O jeito era ir botar água. Não tinha jeito, porque naquele tempo não havia sistema de água (CAERN) por aqui.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

OS MADRUGADORES

Os madrugadores foram acordados hoje pela pancada de uma boa chuva. É o fenômeno que pouco entende: chuvas no mês de agosto.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

É BOM QUE NOS PREPAREMOS

A cena que presenciamos ontem pela manhã, na Avenida 16 de Setembro deve servir como um alerta para todos upanemenses, principalmente para os que possuem veículos automotores. 

Agentes da PRF fizeram blitz naquela avenida. Nem precisa dizer para quê, não é?

O certo é que alguns ainda não concordam com esse tipo de trabalho. "Se não fazem o trabalho, há quem reclame. Se faz, idem," muito bem observou um cidadão.

Se não querem ser multados ou advertidos, então vendam o carro ou moto e comprem um cavalo e uma carroça. Ou, se preferirem, uma bicicleta, digo eu.

Se o sonho da BR se transformar em realidade, não sei o que esses reclamadores vão fazer.

domingo, 21 de agosto de 2011

QUEM SE LEMBRA?

Nos anos 80, os meninos brincavam com pipas, cavalo de pau, esconde-esconde, preso-salvo, mãos ao alto (manzualto). As meninas, de queimada, boneca, tica, etc.

Um brinquedo que fazia sucesso era o carrinho de frande(flandres). Era feito de lata, com pneus de umburana. Eram carros possantes. E havia um menino aqui que se notabilizou como construtor desses carrinhos. Ele tinha uma verdadeira concessionária de carros de brinquedo. O menino chamava-se Luiz de Seu Antônio Catarina.

Foram tempos áureos da vida de quem hoje tem lá seus cinquenta ou um pouco menos que isso.

Carlos Lopes, conterrâneo que mora em Mossoró, deve ter sido um daqueles meninos que brincou de carrinhos e outros brinquedos.

ADIVINHA PRA COMEÇAR O DOMINGO

Por que a manga cai do pé?

CAMONGE E O REI

O rei chama Camonge e fala:

- Camonge, você está vendo aquele touro? Amanhã quero que você tire leite nele.

Camonge volta para casa preocupado, e começa a pensar, pensar... De repente tem uma brilhante idéia.

No dia seguinte, o rei vai até Camonge  e no meio do caminho o vê em cima de uma árvore, tirando  várias folhas. O rei, tendo observado aquilo, pergunta:

- Para que tanta folha?

-  Camonge responde:

- Épara meu pai que está em casa dando a luz.  O  rei dá uma gargalhada e fala:

- Quem foi que já se viu homem dá a luz?

- Camonge, então, sábio, responde:

Quem já se viu tirar leite de touro, senhor rei?

(Enviado por Waldir Paz)