sexta-feira, 30 de junho de 2017

ABRAM AS PORTAS

Abram as portas, pois lá vem o carro fumacê.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

TARDE CHUVOSA

Chuva amena banha nossa cidade no meio da tarde.

Ótimo!

quarta-feira, 28 de junho de 2017

VIOLÊNCIA

A coisa está violácea
Roxa
Triste.

Fruto da violência
Que viola a liberdade
Destrói a felicidade
É contra a nossa vontade.

Vontade e direito
De ter paz.

Pax.

terça-feira, 27 de junho de 2017

A ÁGUA VOLTOU

Desde cedinho a água voltou às nossas torneiras, depois de dois dias sem o líquido precioso, como dizíamos nos tempos sombrios de escassez de água na cidade.

Falta d'água e de informação

Na era braba de informação de zap, face e similares, falta água e informação da razão da ausência da água e de previsão da volta.

No bairro onde moro é assim. Não sei no seu.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

CIDADE NUBLADA E FALTA D'ÁGUAA

Nesses dias vivemos dois momentos: um de céu nevoento e outro de falta d'água.

Na semana que passou, faltou água nas torneiras durante alguns dias. A cena  é repetida desde ontem.

Estamos sem água e sem notícias de sua volta.

domingo, 25 de junho de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra das merendas escolares de mil novecentos e antigamente?

Não tinha merenda fornecida pelo governo. A gente levava de casa alguma bolacha ou comprava bolo, pastél, cocada, maria maluca.

Depois de beber água, voltava pra sala. Depois esperava o "sineta tocou/ pra casa eu vou/vou ver mamãezinha/alegre e feliz..."

sábado, 24 de junho de 2017

QUE PALAVRA!

Bago sm. Cada fruto do cacho de uvas. Fruto ou grão que lembre a uva. (Minidicionário Aurélio).

Aqui no Nordeste, bago é também o testículo. No filme "Guerra de Canudos", um personagem faz alusão a bago nesse último sentido.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

NO CALAZANS, A FEIRA CONTINUA

Este ano a feira de ciências do Calazans ocorreu em dois tempos: quinta e sexta.

Hoje pela manhã e à tarde, as turmas que faltavam expuseram seus projetos.

Depois teceremos comentários sobre alguns deles.

PROGRAMAÇÃO DA MARIA GORETE

Hoje pela manhã e tarde ocorre a exposição de ciência e arte. Ainda pela tarde, a final do interclasse.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

X FEIRA

A Escola Estadual José Calazans Freire promove nos dias 22 e 23 a X Feira de Ciências.

Hoje houve as apresentações de algumas turmas do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

Amanhã as demais turmas fecharão a feira.

Destaque

Chamou a atenção a turma do Oitavo ano A o projeto do uso do celular a favor do aluno.

É um aplicativo que ainda está em fase de elaboração.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

EXPOSIÇÃO DE ARTE E CIÊNCIA

A escola municipal Maria Gorete promove a Exposição de Arte e Ciência nesta sexta, 23 de junho no turno matutino.


terça-feira, 20 de junho de 2017

QUE COISA!

Reportagem de hoje do Bom dia Brasil mostra o costume ruim de pessoas jogarem lixo nas rodovias.

Há uma prática aqui similar, que é jogar-se lixo em terreno baldio, apesar da coleta regular.

Práticas desse tipo é uma constante, mas essas pessoas não se emendam.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

EM RITMO DE FEIRA

A Escola Estadual José Calazans Freire fará sua feira de ciências na próxima quinta e sexta-feira.

domingo, 18 de junho de 2017

QUEM SE LEMBRA?

Quem se lembra das tardes de domingo?

O que faziam as pessoas outrora nos domingos, especialmente nas tardes?

"O que é que você vai fazer
Domingo à tarde?
Pois eu quero convidar você
Pra sair comigo."

As tardes a que me refiro eram embaladas por músicas como o trecho acima.

Finalzinho dos anos 60 e começo dos 70 pouca gente possuía rádio, imagina uma TV.

Então, por não ter outra coisa a fazer num domingo à tarde, aos jovens cabiam procurar uma casa onde tinha um rádio que tocava músicas do momento. A casa era ponto de encontro dos que saíam à tarde. Ali o namoro era possível, como sugere Nelson Ned em sua canção.

Os mais velhos saíam para a casa de amigos jogar cartas, futebol, jogar conversa fora, participar de uma rifa, etc.

As mulheres iam para a casa das cumades conversar.




sábado, 17 de junho de 2017

QUE PALAVRA!

Bagana: sf. guimba. (Minidicionário Aurélio)

Guimba para nós upanemenses não é sinônimo de bagana.

Bagana é comida fraca, não nutritiva.

Guimba no Aurélio é resto de cigarro.

Para nós resto de cigarro é piúba.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

O AZUL ENCOBERTO

Durante todo o dia de ontem o azul foi encoberto pelas nuvens.

Hoje o céu está descoberto a mostrar o espetáculo do azul do céu.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

DIA AGRADÁVEL

Agradável, não! Agradabilíssimo.

É o sentimento que tivemos durante este dia nublado, com brisa e bom para tudo: passear, dormir e ler um livro, diria Djavan.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

ALÉM DA VIDA

Além da vida salgada, temos que controlar o uso do sal diário.

Segundo a OMS, apenas cinco gramas devem ser consumidas por uma pessoa durante um dia.

Ao vermos uma tabela de consumo, veremos que não é nada fácil essa tarefa.

Então, cuidemos, pois.

CHUVINHA

Uma chuvinha caiu no final da madrugada de hoje.

Foi uma daquela que alegra o plantador, melhora o tempo e desestimula muita gente de sair da cama cedo.

terça-feira, 13 de junho de 2017

TEMPO DE ESTUDAR

Se as pessoas que estão na ativa, saudáveis, entendessem que o tempo é de estudar pra valer.

Há que se refletir sobre isso. Tudo passa pela consciência. É a consciência que move as pessoas.

Não adianta nada a gente desesperar-se com as pessoas que não produzem bons frutos. Um dia sentirão falta, mas nada podemos mais fazer.

NUVENS ESPARSAS

Upanema com nuvens esparsas pela manhã.

Nuvens esparsas não nos dizem nada. Pelo menos é o que as nuvens conseguem me dizer.

As nuvens esparsas não me dizem se chove ou não durante este dia. Ou diz alguma coisa ao leitor?

segunda-feira, 12 de junho de 2017

CÉU LIMPO

O céu está limpo desde a manhã e deve continuar durante o dia.

TÃO PEQUENO

A luta contra a dengue deve ser diária.

Disso sabemos, mas mesmo com passeatas de alertas feitas por escolas em pleno sábado de manhã, o bichinho não desiste da gente. 

domingo, 11 de junho de 2017

SEU MANEL

Partiu para a pátria definitiva ontem pela manhã o senhor Manoel da Cabeça Branca. Este é o nome pelo qual ficou conhecido. Tinha 75 anos.

A partida de seu Manel me fez lembrar do meu tempo de criança na Rua Francisco Agostinho.

Quase toda a década de 70 convivemos ali, na alegria e na necessidade. Dona Terezinha fica viúva com todos os filhos criados.

QUEM SE LEMBRA?

É lambreta!

Uma senhora atravessava todo mês, numa lambreta, a fronteira com um saco de areia no bagageiro.

Todo mês era a mesma coisa: o chefe da alfândega esvaziava o saco e só encontrava areia.

Enfezado, o homem diz para a senhora:

- Sou manjado nisso e sei que a senhora está contrabandeando alguma coisa. Então, diga-me qual é o contrabando? Juro que não vou multar.

- Jura que não espaia?
- Juro.
-É lambreta!

Quem se lembra da lambreta? Que tinha lambreta em Upanema?

A febre alta das lambretas no Brasil foi entre os anos 50 e 60.

sábado, 10 de junho de 2017

QUE PALAVRA!

Bagageiro: sm. Carregador de bagagens. Carro de bagagens. Estrutura metálica, no teto de carros, para transporte de volumes.

Bagageiro não é palavra estranha, como geralmente publico aqui toda semana uma, mas é algo que me faz lembrar as primeiras vezes que pedalei uma bicicleta e foi preciso carregar alguma coisa pesada no bagageiro.

Outra lembrança é o fato de grande parte das bicicletas daquele tempo não haver esse acessório. Naquele tempo a compra de um bagageiro não era fácil devido às condições difíceis.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

NEM TUDO É LIXO

Nem tudo que se considera lixo ou que se joga no lixão poderia não ser levado pra lá, caso observássemos leis do bom senso, entre as quais o não desperdício de comidas, o não rebolamento de objetos que ainda poderiam ser aproveitados e até reaproveitamento de materiais em geral.

Se o Brasil não é campeão na produção de lixo, chega pertinho. 

Quanto à nossa cidade, percebe-se o número elevado de lixo, pelo volume coletado durante a semana. 

Temos a coleta regular nos carros, mas ainda falta a seletiva e melhorar os serviços de reciclagem.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

MUDANÇA

Até o sol muda de lugar para lançar sua luz no horizonte.

Mas nós humanos, quando mudamos, quase sempre é pra pior.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

SISU

Estamos na primeira etapa das oportunidades que os alunos que realizaram provas do ENEM têm para ingressarem na Universidade.

O prazo dachamada de espera vai até o dia 19.

terça-feira, 6 de junho de 2017

DIA DE OBMEP

Alunos da rede pública e particular fazem hoje prova da olimpíada de matemática.

Neste ano, novos e velhos talentos na área serão descobertos.

Upanema já virou tradição nesse sentido. Aguardaremos o final das duas fases para conhecermos os novos talentos.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

CHUVA

A chuva de quarta-feira, último dia de maio, foi de 6mm.

Informação de Yamashiro.

domingo, 4 de junho de 2017

MILTON MAQUES ENTREVISTADO NO JORNAL DE UPANEMA

Continuação da entrevista do doutor Milton Marques:

MM: Lá em João Pessoa, quando terminei o científico, fiz o vestibular de medicina e tive a sorte de ser aprovado. No quarto ano, eu comecei a me interessar por psiquiatria graças ao professor Heronildes da Silva. Resultado: quando abriu o concurso para fazer residência na USP em São Paulo, uma concorrência violenta, eu consegui passar. Foi outra grande vitória que achei em minha vida. Passei um ano fazendo esse curso e, apesar de ter passado em alguns concursos em São Paulo, voltei para Mossoró. Não sei se por causa de minha mãe ou por causa de minha namorada Zilene que hoje é minha esposa.

Aqui em Mossoró não tinha médico psiquiatra. Então, comecei a fazer psiquiatria aqui e entendi de fazer uma casa de saúde. Naquela época, os pacientes ficavam na cadeia pública até juntar 4 ou 5 pacientes para levá-los a Natal. Eu achei aquilo um tanto animalesco e resolvi fazer a casa de saúde. Eu não tinha capital para fazê-la. Então fiz uma sociedade de 5 médicos. Alugamos uma casa no centro da cidade. De lá, depois de dois anos, eu comecei a construir a Casa de Saúde São Camilo.

JU: O senhor foi o pioneiro na TV em Mossoró. Nos fale um pouco sobre este arrojado projeto.

MM: É que eu pensava: por que que Mossoró continua tendo a mesma era só do rádio? Já faz tanto tempo que temos televisão em todo canto. Por que que Mossoró não tem? Campina Grande já tem televisão há mais de vinte anos. Eu comecei a perceber que tinha que ter uma televisão em Mossoró. Só que uma televisão aberta em Mossoró para ser paga pelo comércio local não seria fácil, pois a televisão é um produto caro. Aí foi quando eu parti para a possibilidade de ter uma a cabo. Por que a cabo? Porque uma parte pode ser custeada pelo comércio e a parte pelo usuário. Ela está começando a aparecer, a existir. Claro, que ainda está muito tímida, sem progração definida. Nós estamos construindo aqui o prédio para o canal local. Com mais três meses, a gente estará com o canal pronto. Certamente prestará um serviço melhor à cidade.

JU: Como está a expansão da TCM?

MM: A expansão da TCM está se dando. Nós hoje estamos com 22 por cento da cidade, mas até dezembro com 42 por cento. A meta agora é atingir mais três bairros grandes, ou seja, Alto da Conceição, o restante da Boa Vista com o restante do Nova Betânia e também o Alto São Manuel. Logo depois a meta é descer para o Centro da cidade. Aí você me pergunta: por que não para o Centro agora? É que nós queríamos chegar no centro da cidade quando tivéssemos condições de oferecer internet. E internet você só oferce depois de atingir 40 por cento dos lares da cidade. Esse é um princípio da Anatel.


MENINO RUIM DE CONTA

Quando criança, ouvi de um estudante a seguinte conta de matemática:

Sete e sete, quatorze, três vezes sete, vinte e um, boto o sete e leva o um.

QUEM SE LEMBRA?

Na minha meninice e até adulto havia um remédio contra feridas, muito eficaz, por sinal.

Chamava-se merthiolate. Ardia muito a ponto da gente gritar e espernear. Mas a gente tinha certeza de que ficava logo bom.

Naquele tempo as feridas eram ocasionadas por quedas em bicicletas, cavalo de talo, quedas de jumento, dos mandados que fazíamos para nossas mães ou mesmo nas brincadeiras de esconde-esconde e similares.

O merthiolate tornou-se metonímia, (marca no lugar do produto) pois depois apareceram outros nomes comerciais, mas continuávamos chamando merthiolate ou simplesmente metiolate.

Falei em passado por que não sei se ainda há esse produto na praça.

Quem se lembra desse produto ardente?


TEMPO BOM

Considerando o conceito de tempo e clima, o tempo em Upanema neste começo de manhã é agradabilíssimo.

sábado, 3 de junho de 2017

EU SOU LUZ

Seu sorriso nos encanta
Clareia a cidade
Esquenta o chão
Seca a roupa
Multiplica os suores.

Pouca poesia
Ele inspira.
A lua, sim.
Aparece de noite
Num tempo diferente
Formato diferente
Inspira as pessoas
Clareia os becos
Onde não há luz municipal.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

SEMANA DO MEIO AMBIENTE

Estamos vivendo a semana mundial do meio ambiente. É um momento em que todos devem ser alertados sobre medidas em defesa da vida ambiental.

Não só os governos, mas toda a população civil deve ter essa preocupação. 

UMA BOA CHUVA

Uma boa chuva caiu no final da tarde e início da noite de ontem.

Foi rápida, mas forte, despejante.

Ótimo!

quinta-feira, 1 de junho de 2017

MAIO SE FOI

Maio já foi e com ele as chuvas. Segundo previsões, choveria em maio e pronto.

No domingo, 28, uma chuva banhou a cidade, dando tchau às chuvas deste ano. Se configurar as previsões.