domingo, 31 de março de 2019

31 DE MARÇO II

Foi no governo Rosvaldo Bezerra que a então "Escola Agrícola Municipal" passou a ser a "Escola Municipal 31 de março".

É o que disse uma historiadora local.

Rosvaldo Bezerra de Medeiros administrou a cidade de 1973 a 1976. Ganhou a eleição pelo antigo MDB e tinha com companheiro de chapa o Senhor Galdino Carlos.

Era o tempo em que ainda chamávamos os administradores de administradores. Hoje a palavra administrador saiu do vocabulário das pessoas, principalmente da imprensa. Hoje são gestores.

Nossa!

MUNDO AZUL

Tudo está azul

Ao redor da cidade está tudo azul. É o famoso mundão de chuva preparado para despejar a qualquer minuto.


31 DE MARÇO

Hoje, 31 de março

Nunca esta data foi tão lembrada como neste dia de hoje: 31 de março de 2019.

Há discussões de parte a parte hoje em dia. Antigamente não era assim. O que ficava na nossa cabeça era que nesta data, há 55 anos, os militares tomaram o poder e começaram a governar o país.

Hoje sei que não foi assim. Também pergunta-s se houve golpe ou não e  se houve ditadura ou não. Todos os livros de história que chegam à escola dizem a mesma coisa.

Escola com este nome

Em Upanema havia uma escola chamada Escola Municipal 31 de Março, que funcionava onde é a atual "Escola Estadual José Calazans Freire", n Avenida Getúlio Vargas, Centro.

POESIA

Doce

Doce é o açúcar
Seu sorriso muito mais
Acho até que é sweet
Para ser mais chique
Ou chic
Pois chic é demais.

És um doce que adoça
Na medida exata
Não naquela adocica
Faz mal e maltrata.

És um doce que adoça
Com mistura misturada
Com substância apurada
Pela maioria aprovada.




NOVE

Nove mm foi o pinga-pinga de ontem na cidade.

POESIA

Fênix

Estava a afogar-se
Te vi porto
Eras âncora.

Estava a perder-se
Te vi caminho
Eras atalho.

Estava a escurecer-se
Te vi Luz
Eras trevas.

Te vi liberdade
Eras prisão
Quebrei as grades.

Júlia Costa

sábado, 30 de março de 2019

PROGRAMA "EDUCANDO COM A 104" RECEBE ODONTÓLOGO


Entrevista a Johnson Júnior, filho de Johnson do Grupo Buchada e Mocinha

Pela manhã de hoje, o odontólogo Johnson Júnior participou do "Programa Educando com a 104". Falou da sua trajetória como estudante e como chegou a estagiário em sua área na cidade de Upanema.

"Estou para servir as pessoas", falou o profissional.

Promoção de saúde

Explicou também o que significa promoção de saúde e prevenção. Promover a saúde é expor os cuidados que devemos ter para com ela. Prevenir é utilizar na prática como podemos evitar uma doença.

Júnior falou também sobre as lesões na boca do paciente, como nos lábios, na língua e céu da boca.

Quem estiver interessado em ser odontólogo, o que deve fazer?
"Gostar do que faz", disse o profissional.

DEZOITO

A chuva da tarde-noite de ontem foi de dezoito mm.

POESIA

Chato

Chata é a vida
Repetida
Cotidianamente
Quotidianamente
Diariamente.

Mais chato ainda
É não viver
Dignamente
O presente
E esquecer-se
Do passado
E não ligar
Para o futuro.

Ser ingrato
Com os que dão presente
E xingar os outros
Sem motivo aparente
Viver uma vida descontente
Reclamar de ter tudo
Até do que não sente.

sexta-feira, 29 de março de 2019

FRASE

Carro, álcool e gente

"Se um carro que é feito para ser movido a álcool dá problemas, imaginem para uma pessoa."

Frase dita recentemente por um senhor do meu bairro.

CINQUENTA E DOIS

Cinquenta e dois milímetros foi a precipitação das chuvas de ontem aqui na cidade.

quinta-feira, 28 de março de 2019

DEZ

Pingos de ontem

Os pingos grossos e esparsos de ontem pela tarde renderam  apenas dez milímetros.

BURACO

Um vazamento na tubulação da caern perdura há aproximadamente um mês nas imediações do prédio do Complexo Cultural.

quarta-feira, 27 de março de 2019

CIDADE FELIZ

Todos podem colaborar para a melhoria da cidade.

Alertar ao poder público de um serviço mal feito de um servidor é um bom exemplo disso.

MAIS UMA VEZ

Dois, três olhares, às vezes não são suficientes para termos a certeza se aquilo que vimos é verdadeiro.

DECISÕES E MAUS EXEMPLOS

Ainda sobre disciplina e indisciplina

Nesta semana haverá decisões de campeonatos estaduais de futebol. Com ela, o comportamento dos jogadores, principalmente os maus exemplos é que fazem a diferença. Infelizmente é isso o que acontece.

Diante disso, o que sobra é o que a justiça deve fazer com os que cometem indisciplina: passar a mão na cabeça ou puni-los? 

Fora o espetáculo, o outro fator positivo é justiça sendo feita. 

RACIOCÍNIO RÁPIDO: O QUE O FUTEBOL PODE NOS ENSINAR?

Não só o futebol pode nos ensinar muitas coisas, mas todos os jogos esportivos. 

A disciplina é indispensável. Tem que gostar daquilo que se faz.

terça-feira, 26 de março de 2019

NÃO CHOVERÁ HOJE AQUI, DIZEM AS TORRES

As nuvens que se formaram hoje pela manhã cedinho nos esclarecem muita coisa.

As torres que se levantaram no Norte dizem respeito às chuvas para as bandas de lá.

As que se levantaram no Leste, essas, sim, são para nós. E hoje elas nada nos disseram. Elas precisam estar firmes, alegres.

São palavras de experts no tempo.

CANTAR O HINO DIANTE DA BANDEIRA

Polêmica nacional que me faz lembrar o aqui dos primeiros anos de escola.

Nos bons tempos de escola, cantávamos o hino nacional brasileiro. E isso era natural, normal.

Hoje ainda há resistência quando se fala em cantar o hino nacional.

Bem que as escolas poderiam adotar como uma das metas a serem implementadas durante o ano letivo.

Assim, quem sabe, nossos alunos ficassem mais calmos e consequentemente, mais disciplinados e aprendidos.

segunda-feira, 25 de março de 2019

QUE FELICIDADE!

Felicidade é algo subjetivo.

É substantivo, por isso, cheio de muita substância.

MAL DE TI

Estou de mal de ti

Daqueles que não estão nem aí pra mim na vida real e me esculhambam, deitados em redes esplêndidas.

domingo, 24 de março de 2019

TODOS OS ANOS A GENTE LEMBRA DELE

Tem asas, voa, mas não é avião.

Quando a gente já está se esquecendo dele, vem a chuva, e com ela, ele.

Então, o governo lança uma peça publicitária alertando dos perigos que ele pode causar às pessoas.

"Cuidado, pois ele pode te pegar!"

"Ele não se esqueceu de você, ainda que você tenha dele se esquecido".

O nome do bichinho - que poderia ser chamado de coisa - é o mosquito da dengue.

QUEM SE LEMBRA?

Sabão em barra

O sabão em barra é um produto que vence o tempo sem mudar seu formato e sem deixar de existir e nem se encaixa bem no meu "quem se lembra".

Ele não deixou de existir e ainda de quebra está vivíssimo desde as pequenas mercearias aos grandes supermercados. 

Ao seu lado, estão os sabões líquidos, uma forma moderna, com outros odores e formatos.

Uma barra de sabão numa casa era indispensável, assim como o feijão e o cuscuz. O que diferencia hoje dos tempos passados com relação ao sabão não é tê-lo, mas da quantidade que possuímos em casa.

Outrora nem sempre comprávamos uma barra. Muitas vezes o poder de compra não permitia isso. O jeito era trazer meia barra ou a quarta parte de uma.

Esse fato é um dos que separa o passado e o presente. 

Prego em barra de sabão

"Não dar um prego numa barra de sabão" é expressão ainda usada entre nós para significar que tal pessoa não faz nada.

A barra de sabão por ser tão mole, simboliza algo muito fácil de se fazer e muitos não o fazem.

CAMINHANDO

Estamos caminhando e nem sempre cantando.

POESIA

Tranca

Ninguém tem a chave para destrancar
E retirar
O que dentro há
No meu coração.

Eu mesmo já tentei
Entender o que há
Por dentro
No centro
No meio
E bem aqui
O que há
Dentro do meu coração.

Barulhos há
Resmungos
Mas não entendo
O linguajar
Das falas que há
No meu coração.

Se não posso entendê-lo
Por que outros tentam
Desvendar e entender
O que há aqui dentro
Do meu coração.

Se nem teu tenho a chave
Que possa abrir e ver
O que há aqui
Como intentas entender
E sentir o que há
Dentro do meu coração?

sábado, 23 de março de 2019

O DIA COMEÇA

O dia começa nublado 

Ontem também foi assim e não tivemos chuva. Muitas nuvens e nenhuma chuva.

Olhemos para o céu com esperança. Chuva sempre é bom.

QUE PALAVRA!

Bruaca - Saco ou mala de couro cru. Popularmente, uma mulher muito feia. (Aurélio).

Bruaca no sentido figurado é usualmente entre nós. É um xingamento forte.

As bruacas-mala há poucas. Nunca mais vi ninguém com bruaca. Digo que ainda existe, pois ainda há gente que usa pote de barro e bule de café feito também em barro.

POESIA

Prisão

Não posso pensar em ti
Sem suspirar de saudade
Meus dias não são mais aqueles
Que vivi outrora
Quando dentro de mim
Era um caos
Um vazio total.

Uma nova realidade se instala
No meu pobre e sofrido coração
Que pulsa lento
Ou apressado
Consoante sua presença
Ou ausência.

O bom de tudo hoje
É que a saudade não me deixa
Não me larga
Qual abelha de arapuá.

Não reclamo disso
Apenas registro:
Que a saudade
Como uma ponte
Faz presença
Na sua ausência.

sexta-feira, 22 de março de 2019

INCLUSIVE EU

Estou incluso entre os que pouco entendem sobre a nova previdência. A diferença é que eu não opino nada ou quase nada.

Não faço como muitos que pouco entendem ou não entendem nada, mas ficam dando pitacos ao sabor do vento.

PARADA NA EDUCAÇÃO

Hoje as escolas da cidade e muitas outras do país estão paradas para reflexão sobre a reforma ou nova Previdência proposta pelo presidente.

Há muito o que entender sobre o assunto.

EU QUERO ÁGUA

Frases sobre a água

Agar dois ó é o nome conhecido cientificamente.

Duas palavras-chave não podem faltar em relação à água: preservação e cuidado.

A ninguém devemos negar um copo d'água.

Água em sentido conotativo é uma coisa fácil de se realizar.

quinta-feira, 21 de março de 2019

CHUVINHA

Mais oito

Mais oito milímetros de chuva. O que parecia ser um chuvão, virou chuvinha hoje à tarde.

CHUVÃO

O tempo promete uma grande chuva hoje à tarde.

Aguardemos, pois!

quarta-feira, 20 de março de 2019

A QUEM DEVEMOS OUVIR

Os que nos aconselham para o nosso bem ou nos dão bons exemplos.

Afinal, os bons conselhos e bons exemplos nos arrastam para lugares bons.

Claro!

REAJUSTE DO PISO

O piso salarial dos servidores da educação terá reajuste neste mês. 

Informa o Sinte do RN.

SEGUNDA PRECIPITAÇÃO

Precipitação pluviométrica

Ontem pela tarde, a segunda precipitação pluviométrica foi de 10mm.

Pluviométrica e sua origem

Pluviam é palavra latina que significa chuva. Então, tudo fica mais fácil: pluviométrica tem tudo a ver com chuva.

É a grande mãe que auxilia sua filha para que a entendamos melhor.


ACIDENTE NA BR

Poucos acidentes na nossa BR, no perímetro urbano, se olharmos pelo lado da periculosidade que presenciamos diariamente.

Dá até para contar nos dedos os que ocorreram depois da chegada do asfalto. Ainda bem, podemos dizer.

Entretanto, muitos trechos são perigosíssimos, tão perigosos que às vezes dá medo nas pessoas que trafegam com responsabilidade.

Um gato

Neste fim de semana vi um gato acidentado à beira do asfalto. O coitadinho não teve sorte.

terça-feira, 19 de março de 2019

ORDENADO

O mundo para funcionar bem, segue uma ordem. 

Aliás, todas as coisas são assim. Na aprendizagem prefere-se iniciar pelas mais fáceis para depois as mais complexas. Aprende-se primeiros as notas musicais mais fáceis. Não se aprende a andar num truck para depois dirigir um fusca.

Concluo dizendo que querermos ensinar o alfabeto começando da letrinha ene só para mostrarmos que é uma metodologia revolucionária, não é nada inteligente ou interessante.

ENREDADOS

Vejo de longe como uma grande parcela da população está enredada na grande rede mundial de comunicação. 

Por mais que se grite, eles não ouvem. 

A juventude, na sua grande maioria, não aproveita bem a mega tecnologia, aliada da web. Preferem lamentar depois.

Os grandes, que deveriam dar exemplo, não ficam para trás. Estão enganchados, pés e mãos, nas prisões dos apps.

VIAGEM E VIAJEM

A leitura é uma viagem e não uma viajem.

A frase acima é um dos muitos exemplos que quase todo mundo escorrega quando se trata de diferençar viagem e viajem. É coisíssima chata aplicar no lugar certo e faz a língua de Camões a cada mais levar a fama de difícil.

Com atenção aprende-se: viagem com gê é substantivo: aquilo que se faz, algo realizável. Viajem com jota é verbo: aquilo que se conjuga.

segunda-feira, 18 de março de 2019

PERIGOSO É VIVER

Conheci uma música no passado, lá nas eras de fins do ano 70 uma música chamada Perigoso é viver.

Pois é. Não é que isto é uma realidade mesmo?

A música era cantada por Iranfe e César Augusto, uma dupla sertaneja, cuja letra não sei mais uma linha, mas o título diz tudo:

Perigoso é viver. Lutamos diariamente para vivermos, mas vivemos em perigo a todo minuto. E um dia chega a hora. 

domingo, 17 de março de 2019

LONGE DELA

Cada vez mais

Será essa a tendência de a cada dia ficarmos mais distante dela?

A TV não é mais o principal veículo de entretenimento. A grande rede dá de goleada, pois presta um serviço múltiplo.

Assim, a TV na TV(aparelho) também perde para outros aparelhos como o celular.

Vivo distante da TV também pela  qualidade da programação, que desagrada, principalmente a mim que já me sinto da velha guarda.

POESIA

Liberdade

Já posso pensar em ti
Sem suspirar de saudade
Sinto que estar por vir
Minha plena liberdade.

Teu amor é algemas
Entrelaçadas às mãos
É gaiola para mente
Torna ilógica a razão.

Mas ouvi minha alma
A poesia me libertou
Sentimento que prende
Nunca será o amor.

Júlia Costa

PELOS POROS

Gosto das pessoas que exalam pelos poros muita cultura e sabedoria. Quanto mais dias vivo, mais me abro para novos conhecimentos.

Só sei que pouco sei. Outrora copiava a frase "só sei  que nada sei", atribuída atribuída ao filósofo grego Sócrates.

Hoje penso que ele exagerou. Foi modesto demais. Para seu tempo, ele era muito culto e não precisava dar a entender que era tão ignorante (no sentido de não saber tanto) e esvaziar-se tanto. 

QUEM SE LEMBRA?

Rei ou relho

Nas eras mais remotas, aí pelo começo do século XX era comum a posse e uso do chicote de couro torcido, como bem define o lexicógrafo Aurélio Buarque que Holanda Ferreira.

Relho é popularmente conhecido por rei. Daí a dificuldade do iletrado de articular o lh corretamente. A letra e tem o acento tônico fechado (ê).

Os relhos serviam principalmente para serem usados nos couros dos animais, mas também serviam para espinhaços de meninos desobedientes aos pais ou como arma de ataque ou auto-defesa.

Esse instrumento não foi extinto, mas que está bem sumido do nosso meio, isso está.

Quem apanhou de rei?

Eu, não. Só de palmada, talo de carnaúba e chinelada. 

Ai! 

sábado, 16 de março de 2019

ETERNO APRENDIZ

Uma das coisas boas da vida é que sempre, sempre temos o quê aprender.

POESIA

O amor que amo

O amor que amo
É amor bem amado
É amor bem construído
É amor bem trabalhado.

Além de tudo isso
Ele fala alto pelos cantos
Grita nos meus ouvidos
E alarma meu coração.

Faz-me sorrir
Mesmo chorando por dentro
Pula de alegria
Mas não sei
Se saltasse de dentro de mim
Você veria.

sexta-feira, 15 de março de 2019

CRATERAS NA BR

Registro

Nas proximidades do Posto Glenda na direção para Mossoró, mão direita há algumas crateras comprometedoras, perigosas, para ser mais exato.

CADEIAS VIRTUAIS

As cadeias virtuais prendem as pessoas com grades invisíveis. 

OS MUROS DE LÁ E AS CERCAS DAQUI

Os muros simbólicos são tão contundentes quanto os concretos.

Noutras eras havia as cercas que cercavam as cidades. Agora são os muros de nossas casas que nos protegem dos perigos e inimigos, mas nos afastam dos amigos. 

Estamos dentro dos mesmos cômodos, mas há muros simbólicos e virtuais que nos afastam dos outros.


quinta-feira, 14 de março de 2019

EMPREGO E TRABALHO VERSUS POLÍTICAS PÚBLICAS

As políticas públicas confundem algumas vezes com assistencialismo. Assistencialismo todo político condena, mas quase todos praticam as políticas públicas.

Sinto falta de defensores do emprego e trabalho. Hoje vejo muitas pessoas defendendo a adoção de políticas públicas e quase ninguém o trabalho para a pessoas.

Se todos tivessem trabalho, não era necessário política pública.

quarta-feira, 13 de março de 2019

UM PALPITE

Acho que a sociedade metida a moderninha não vai aguentar com esse rojão na área da cultura.

Uma verdadeira contradição: tanto conhecimento de tão pouca alta cultura.

Acho que não vai demorar a volta da leitura de livros exclusivamente em papel e a diminuição desse desenfreado acesso às redes sociais.

ESCOLA

O que um aluno precisa saber: 

O gol de um jogador famoso ou 
O valor de x numa simples equação?
Que time está liderando o campeonato ou
Escrever bem na sua própria língua?

SORRISOS FEICIBUQUIANOS E DOS POLÍTICOS

O que  há em comum

O que tem em comum entre um sorriso feicibuquiano e um político em época de eleição?

Tudo a ver. São sorrisos falsos, inventados, cada um com seus motivos. O político em época de eleição sorri para os eleitores pois imagina que eles não iriam gostar de vê-lo de cara carrancuda.

Quem se deixa fotografar com sorriso feicibuquiano é porque pensa que seus seguidores não gostariam de vê-los com uma cara carrancuda ou com um sorriso natural, que muitas vezes é muito, muito, muito mais bonito.

Isso é o que eu penso.

PRAZO

Consoante o regimento interno das escolas, o uso de uniforme escolar tem a força de lei.

Baseado nisso, a Escola Estadual José Calazans Freire, depois de largamente anunciado na comunidade escolar, a partir do dia 18, segunda-feira, os alunos devem usar o uniforme escolar. 

Impreterivelmente.

terça-feira, 12 de março de 2019

REDES

Redes que enredam
Que nos prendem
E nos fazem enlinhar.

Redes que nos atrapalham
Que nos enroscam
Em seus fios
E nos fazem tropeçar.

Redes que desafiam
Outras redes
E chegam a prejudicar.

Redes que roubam nosso tempo
Nossa liberdade
E adiam até nosso café
Almoço e jantar.

Que rede é essa?
Decifra-a ou ela te devora.

HÁ, AH!

Questões da língua portuguesa

Parece simples para todo mundo, mas não é. O uso do há é usado erroneamente por muitos escreventes da língua falada por Camões.

É simples para quem trabalha quotidianamente com as palavras. Com o verbo haver no presente ou no passado, usamos há: Há muita gente na praça. Há alguns anos, fui ao exterior. Há também o a e ah. A é para quando nos referimos ao futuro ou indica distância. Ah! Quando exclamamos. 

segunda-feira, 11 de março de 2019

ESTUDOU PRA QUÊ? II

O "estudou pra pra quê" é frase velha e corrente entre pessoas de todas as camadas da sociedade. Isso é bom sinal de que a escola ainda é considerada valiosa para todas as pessoas.

Se uma pessoa vai à escola, deve provar que aprendeu lá alguma coisa. Se está na escola, precisa dar conta do recado e provar que a escola entrou dentro de si e não que apenas entrou na escola.

O estudo deve aprimorar os que lá frequentam para que adquiram cultura geral e saiam de lá com uma formação adequada, pronto para enfrentar os desafios do mundo lá fora dos portões.

"Estudou pra quê? Pra ser besta?"

É o que tenho ouvido por aí desde criança.

BOA ÁGUA OU BO'ÁGUA?

Perguntaram a mim se o certo era Boa Água ou Bo'água.

As duas são corretas. A segunda forma consagrou-se e prefiro à primeira. Fica mais elegante e não o contrário, como muitos pensam. Há pessoas que pede um copo com água ou um copo cheio de água.

Dizem assim com medo de ser errado pedir um copo d'água. Pensam que estão pedindo um copo feito de água. Que bobagem! Peçam um copo d'água e deixem comigo!

POESIA

Dói

Dói viver dignamente
Ler em voz alta dói
Gastar só o que se pode, dói
Dói ouvir os outros
Dói dormir na hora certa
Acordar na hora certa também dói.




domingo, 10 de março de 2019

ESTUDOU PRA QUÊ?

Escola deve ensinar boas maneiras?

"Estudou pra quê?"

Foi o que disse um certo senhor a um filho quando este não praticava as boas maneiras.

Fiquei a refletir com aquilo, sobre o que se entende da função da escola, digo, da educação como dizem outros.

Nas antigas a escola completava e apoiava as boas maneiras dos alunos. Os pais, por seu turno, apoiava o que a escola ensinava nas suas tarefas escolares.

Família educava mais; escola ensinava mais. 

Hoje, a escola pede o apoio da família na educação. Tudo errado. Se a escola se restringisse a ensinar mais e educar menos, tudo seria melhor.

Conclusão: as boas maneiras vêm de casa. O ensino, da escola. Ambos se completam.

Essa historinha de escola servir para conscientizar as pessoas de sua cidadania é conversinha que não convence nem cabrito mais.

É por causa dessas coisinhas aí e outra mais é que o ensino-aprendizagem está indo para o brejo. Estamos perdendo muito tempo com matérias que não dizem respeito àquilo que cai em exames de vestibulares e enem.

"Mentira, Terta?"

"Verdade". 

VOLTAM AS CHUVAS

Tarde-noite  chuvosa confirma ano de boas chuvas. 

Se houvesse incentivo de verdade para o homem do campo e política pública é destinado ao carnaval, o quadro seria outro.

HISTÓRIA QUE ME CONTARAM

Chico chegou?

Chico morava em São Paulo e estava aqui de férias, na casa dos pais.

Todas as vezes que Chico voltava, era uma procura por sua pessoa, por ser uma pessoa querida de todos.

O pai de Chico tinha uma pequena mercearia em sua casa. Vivia preso ali despachando os clientes durante todo o dia. E não tinha tempo de ficar de conversas que não fossem do trabalho.

E foi então que começou a chegar as pessoas perguntando pelo Chico:

"Chico chegou?"

"Sim, Chico chegou", respondia o velho.

"Chico chegou?"

"Sim, chegou".

"Chico chegou?"

"Chegou".

"Chico chegou?"

"Sim".

E foi nessa pisada o dia inteiro. Chico devia ter saído ou talvez tivesse dormindo em casa.

No dia seguinte, mais pessoas perguntavam por Chico. Foi aí que o velho, já injuriado de responder a mesma coisa, teve uma ideia para evitar aquele aborrecimento e não aborrecer os outros. Chamou um menino e o instruiu para responder "chegou" quando alguém fizesse a pergunta se Chico tinha chegado. E estipulou uma quantidade de dinheiro como forma de pagamento.

"Fique aí somente para responder a quem perguntar se Chico chegou."

O dia passou na mesma pisada do anterior. Quando chegou a tardinha, ao receber o dinheiro e se despedir do velho, o menino chamou-o num canto e perguntou bem baixinho:

"Seu fulano, Chico chegou mesmo?"



QUEM SE LEMBRA?

Pote

Quem se lembra do tempo em que nossas águas de beber e de cozinhar eram colocadas em potes?

E a água de tomar banho? Raramente pegava-se água de pote para tomar-se banho. Água de banho era tirada diretamente das cacimbas. Banheiro praticamente não existia nos tempos dos potes.

Quando o homem da casa não podia buscar água no rio ou em cacimbas, era a mulher que fazia isso. Ou traria água ou não tinha com quê cozinhar o feijão.

E muitas vezes ela levava o pote para o local. Imagina que elas traziam na cabeça o pote cheio d'água. E mais incrível ainda era o fato de ainda trazer uma trouxa de roupa de lado e um filho ao mesmo tempo. E mais: a cabeça era forrada com uma rodia (rodilha) de pano com formato para assentar o fundo do pote. Daí foi que surgiu o ditado popular: "Quem não pode com o pote, não pega na rodilha".

Incrível, não?

Não seria um tempo em que as mulheres eram de fato guerreiras no sentido mais exato da palavra?

MODEBRÁS - O QUE É ISSO?

Quem sabe, diga

Duvideodó que algum dos meus seis leitores saibam o que venha a ser Modebrás. 

Primeira dica: não é uma palavra comum, mas uma sigla. Uma sigla de quê?

Será que refere-se à um comércio de São Paulo? Uma empresa de eletro? Uma empresa de ferragens? Nome de um comércio de roupas na grande São Paulo dos anos 50?

Nenhuma das alternativas acima. 

Primeiro: descobri a sigla acima quando lia "O sorriso do lagarto", livro de João Ubaldo Ribeiro, posteriormente uma série da Globo em 1991.

Lá pelas tantas, um personagem do "Sorriso do lagarto", envolvido na política, é identificado nos seguintes termos:

"Quando ingressou na Arena, ainda no tempo em que o MDB se chamava Modebrás, houve quem visse naquilo uma traição a seus princípios." 

Foi aí que descobri que havia esse partido no passado, com o nome que hoje chama-se MDB.

Deixemos que Pedro Doria, autor de um artigo captado da grande rede, complete a informação:

Chamava-se Modebrás por aqueles dias. Movimento Democrático Brasileiro. Foi só meses depois que alguém teve a ideia de rebatizá-lo MDB. (Em "Uma história do PMDB", Por Pedro Doria - www.pedrodoria.com.br)

"Aqueles dias" eram no ano de 1966, ano de eleição quando só havia a Arena - situação - e outro partido - oposição.

Tancredo Neves e Ulisses Guimarães já faziam parte daquele partido naqueles anos.




POEMA

Nossos eus

Os eus líricos
Às vezes se confundem
Se atrapalham
Se enrolam
Se encontram
Sofrem
E não confessam tudo.

Vivem sem viver
Porque sofrem
Sem poder des-sofrer.

Estão aprisionados
Por uma corrente cruel
Do destino
Sei lá
Da vida que Deus os deu
Sei lá de novo.

Só sei
Que nada sei
Que me perdoe Sócrates
A cópia de sua frase
Me perdoe outra vez
Porque de alguma coisa sei
É que isto não é poema
É desvario.

sábado, 9 de março de 2019

EDUCANDO

No "Educando com a 104" de hoje algumas questões foram levantadas sobre o falar a Língua Portuguesa.

Que são palíndromos? 

O que é eufemismo?

Como se deve dizer: Bom dia a todos e a todas ou apenas bom dia a todos?

São reflexões da língua que muitas pessoas fazem diariamente e que são discutidas naquele canal.

POESIA

Venta

Venta vento forte
Do sul, do leste
Do oeste e norte.

Derruba elementos frágeis
Derriba elementos desprotegidos
Derriba elementos frouxos.

Venta forte
E espalha a chuva pra lá
Ou traz a de lá pra cá.

Eta mundo bom!

QUE PALAVRA!

Brotinho - Bras. Pop. Moça ou rapaz no começo da adolescência entre 14 e 18 anos; broto. (Aurélio)

Brotinho é uma das palavras que está sumida entre os falantes hodiernos.

Brotinho sem juízo, Broto do jacaré e Na lua não há, de Roberto Carlos e Broto legal, de Celly Campelo são músicas que tematizaram o broto.

O cronista Paulo Mendes Campos também escreveu sobre o brotinho em seu "Ser brotinho":

"Ser brotinho não é viver em um píncaro azulado: é muito mais! Ser brotinho é sorrir bastante dos homens e rir interminavelmente das mulheres, rir como se o ridículo, visível ou invisível, provocasse uma tosse de riso irresistível."

POESIA

Divã

O que seria de mim
Sem teu ombro amigo
Estaria  vulnerável
Como pássaro ferido.

O que seria de mim
Sem a tua atenção
Estaria submersa
No mar de solidão.

O que  seria de mim
Sem a tua poesia
Estaria  melancólica
Lamentando meus dias.

Júlia Costa

SECRETARIA DA ALFABETIZAÇÃO

O governo federal criou a Secretaria de Alfabetização.

Não sei quem foi que cochichou nos ouvidos do presidente para informar que grande parte dos ditos estudantes não estão sendo alfabetizados adequadamente.

O que será que está ocorrendo? Vamos descobrir? 

ANIMO-ME

Grossos volumes

Quando vejo, em plena era das mídias-carceragens, uma pessoa, seja aluno ou não, com um livro volumoso, fico animado a ponto de não acreditar que tudo está perdido na área do saber.

A regra é a simplificação, o resumo de tudo, seja na leitura, seja produção textual.

E nesse embalo, seguimos nós também, numa tirada que está nos metendo no mesmo buraco.

sexta-feira, 8 de março de 2019

NOBÉL OU NÓBEL?

Eis a questão

Recentemente escutei de um figurão da mídia brasileira pronunciar prêmio Nobel da Paz como se Nobel fosse palavra paroxítona. 

Percebi isso porque sou dessa área do conhecimento. Assim como os pedreiros enxergam de longe uma parede torta. 

Nobel é palavra oxítona: a sílaba tônica recai na última sílaba. É como se fosse escrita assim: Nobél.


VOLTA

Depois de uma breve trégua, chuva volta a cair na região.

IGUALDADE? QUE CONVERSA MOLE É ESSA?

Apesar de não ser tão velho, conheço a história da luta das mulheres pela igualdade.

Ao longo do tempo, essa igualdade tornou-se desigual. Aliás, começou desigual quando foi criado o dia para elas e não para eles.

Então, a luta pela igualdade transformou-se em desigualdade.

TRÊS DIAS DEPOIS DO FIM

Depois de três dias da festa que não aprecio, mas respeito quem dela participou. Só não abro mão das minhas opiniões que são as de muitos. Não acho bonito as músicas, os trajes, os aparatos, entre eles aqueles que parecem espantalhos para passarinhos.

Mas isso é carnaval. 

quinta-feira, 7 de março de 2019

A UM ANO

Acabou-se. A alegria só voltará daqui a um ano.

De novo será preciso mais política pública e investimento pessoal para que tudo se repita, menos os mesmos zuadeiros.

Então o Brasil de novo parará. E Upanema seguirá este ritmo. Cidade que não mais tem uma biblioteca pública municipal, mas tem carnaval.

Fazer o quê?

quarta-feira, 6 de março de 2019

O VELHO E O NOVO JUNTOS

As coisas boas que edificam e botam a gente pra frente devem permanecer. Essa ideia é ponto pacífico, mas nem todos se dispõem a por em prática.

Na área da educação, não segue-se a regra do conservar o que é bom. Aos poucos foi-se deixando  aquilo que dava certo no passado e inovando com o que não dá certo nem aqui nem na China.

Querem ver um exemplo? Confundir ensino com educação é um exemplo que não me canso de repetir.

Aos poucos, tiramos da família o papel de educar. Tiramos quase que na sua totalidade. Por seu turno, a escola começou a querer exercer esse papel. Resultado: vez por outra pegamos em flagrante as autoridades educacionais chamando a família para ajudar a educar os alunos. Os papeis estão invertidos. Outrora era o contrário.

"Mentira, Terta?"

"Verdade!"

QUANTO CUSTOU A ALEGRIA?

O preço da alegria

Quanto custou para que os que pulam carnaval tivessem tanta alegria durante os quatro dias? Hein?

Façam as contas e publiquem.

ACABOU-SE!

Acabou-se
O que não era doce
Mas amargo
Não tragável
Por quaisquer paladares.

Hoje é cinzas.

PUCO PUCO

Puco, puco

No atual formato dos carnavais, o principal barulho que escutamos é "puco, puco".

terça-feira, 5 de março de 2019

SE TODOS PENSASSEM BEM, VERIAM QUE NÃO VALE A PENA

Alguns dias que precediam o carnaval, recebi na sala de aula uma equipe de jovens em nome  do crás e similares que faziam, alguns alertas sobre o carnaval. Era o básico. Aquilo que todo adolescente já sabe antes de nascer:

Não se envolver com estranhos
Não beber demais
Usar camisinha, caso já pratique sexo
Não expor o celular.

Então, vale a pena irmos a uma festa dessa qualidade se merece tantos cuidados?

E o investimento de dinheiro público não seria um erro crasso? Ponderei. E não tive resposta.

CARNAVAL E CULTURA

Embora muitos insistam em relacionar as duas palavras, não vejo nada que as relacione. 

A única coisa que poderia ligar as duas palavras seria a música. Esta, pobrezinha, está cada vez mais sofrida, massacrada.

segunda-feira, 4 de março de 2019

NOVENTA POR CENTO

Noventa por cento dos acidentes de trânsito são motivados por falha humana, informa a grande imprensa.

Nem precisava de dados estatísticos. A gente vê isso no olhômetro. 

PROMETE

O cenário promete muita chuva hoje de novo.

HÁ DEZ ANOS, BOAS CHUVAS

Dois mil e nove, ano de muitas chuvas

O ano de 2009 ficou marcado como ano de grandes chuvas. Ano que nos fez recordar os grandes invernos: 1974, 1975, 1984 e 1985.

Neste ano, algo está se parecendo com aqueles anos. Se continuar nessa pisada até abril, não será diferente.

Em mil novecentos e oitenta e cinco a estrada que vai para Campo Grande foi arrebentada pela força das águas. A parte de baixo da Avenida Getúlio Vargas foi tomada por aquelas águas. No mês de abril daquele ano morria o então presidente da República eleito, Tancredo Neves, cujo mandato nem chegou a assumir por causa de uma doença desconhecida pela maioria dos brasileiros.  

domingo, 3 de março de 2019

FORTE CHUVA

Forte chuva cai na cidade neste domingo, neste momento em Upanema. É uma chuva muito boa que espanta quem não pode ou não quer se molhar.

ANO DE ENCHER AS VASILHAS

Ao ver chuvas do porte deste ano, lembro-me dos tempos em que a água de consumo - e às vezes a de beber - era em grande parte tirada da chuva. 

No tempo seco, enchíamos as vasilhas com água das cacimbas do rio ou da várzea. Quando chovia, não perdíamos uma gota d'água nas bicas e goteiras da casa.

Agora, quem tiver vasilha, pode enchê-las por que água não vai faltar.

ANO PROMETE

Como em 2009, este ano promete haver grandes chuvas. É o que está dizendo os observadores das chuvas.

QUEM SE LEMBRA?

Inverno de 2009

Quem se lembra do grande inverno de 2009? Do histórico inverno em que fez nós da velha guarda recordar os anos de 1974, 75, 84 e 85?

Quem se lembra do inverno que destruiu as estradas e paralisou as escolas da cidade pela inviabilidade de locomoção?

Do inverno que destruiu parte da Praça de Eventos, parte da estrada que vai para Campo Grande, arrasou a Passagem Molhada? E derrubou postes próximo da mesma passagem?

sábado, 2 de março de 2019

POR UM INSTANTE

Por um instante o carnaval da alegria transformou-se no carnaval sem energia.

QUE PALAVRA!

Bem-te-vi - Sua origem

Bem que desconfiava que o nome do bem-te-vi tinha muito a ver com o seu canto. Já repararam que ele diz seu próprio nome?

É "ave passeriforme da família dos tiranídeos, de origem onomatopaica", informa Antônio Geraldo da Cunha em seu Dicionário etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa.





DUAS HORAS SEM

Duas horas sem energia elétrica em Upanema. Com o coração partido estavam os puladores de carnaval com medo de que a preciosa luz não voltasse.

E eu e mais um bocado de gente não estávamos nem aí para isso.

Afinal, dinheiro público - de todos - está beneficiando diretamente os foliões.

- Mentira, Terta?

- Verdade!



REDUNDÂNCIA

Dizer "carnaval no escuro" é redundância.

PRÉVIA E COMEÇO

Hoje começa de verdade aqueles dias anormais do ano. Não é a mesma coisa dos outros dias do ano. A marca dos dias é a barulheira sem graça para quem não está dentro dela.

Lamentável isso. O pior: o gasto público é descabido. 

Sempre defendi que os gastos do carnaval devem ser feitos por quem os têm. Quer pular, pule. Não é proibido. 

Gasto público em carnaval não é necessário pela simples: não é essencial para o ser humano. Essencial é saúde, educação e segurança. Até quem vai nascer amanhã sabe disso.

sexta-feira, 1 de março de 2019

SALVE, SALVE, MÊS DE MARÇO!

Março entra bem com boa chuva e sem falta permanente de energia. Pelo menos até agora quando escrevo estas mal traçadas linhas.

Chuva ou pinga-pinga promete entrar de noite a dentro.

FUZUÊ PREJUDICADO

Com a boa chuva da tarde noite, pré-fuzuê pode ser prejudicado na noite deste dia.