segunda-feira, 7 de novembro de 2022

SOBRE CHEIROS E BAFOS

É sobre isso que vamos voltar a conviver: Cheiros e bafos de chuva.

Ontem um forte cheiro chegou por aqui. Um aroma arretado que prenuncia uma chuva. Chuva - nada fora do normal - mas é algo natural, que mexe e espalha e divide boa parte da população sobre sua função na nossa vida. Há quem deteste e ame ao mesmo tempo. 

Quando a chuva vem, apaga a poeira, molha a roupa no corpo ou no varal. São ações múltiplas que deixam a população e a própria pessoa dividida.

E os bafos?

Para uns, é uma gripe ou dor de garganta na certa. No asfalto é muito, mas muito pior.

Há ainda os trovões ao longe ou daqueles bem pertinhos que podem fazer estremecer o mais desassombrado na face da Terra.

No fim da noite, ainda pingou poucos pingos na cidade. 

Um bom início de um período invernoso?

Nenhum comentário:

PROVÉRBIO

A boa prática é obra da alma triste.