segunda-feira, 25 de outubro de 2021

RIO

Um rio corre. Primeiro, lentamente. Depois o passo acelera e já incomoda seu principal afluente, pois não há lenço que esbarre a sangria. 

Ardência e comichão precede o desaguar. Dores e fadigas são companheiras do despejar desse rio. Todos os anos esse rio corre e é despejado fora, aos poucos. Algumas cápsulas são mais eficientes do que os melhores lenços.

E assim, passa um dia e mais outro e mais outro. De repente, já nem mais se vê o despejar das águas. Responde em outro lugar um tossir seco, enjoado, que parece com uma corda quebrando ou tambor rouco. 

Depois - ainda bem - passa, para em outro momento sem hora, dia ou mês marcado, voltar esse escorrer chato e enjoado. 

Nenhum comentário:

DIAS NUBLADOS

Voltam os dias nublados para quebrar a rotina dos dias ensolarados.  São obras da natureza que nos ensinam que precisamos quebrar a rotina s...