domingo, 21 de novembro de 2010

NÃO ALCANCEI OS BLACKBOARDS

Os blackboards ou quadros-negros são de uma época um pouco anterior a mim. Quando comecei a estudar no começo do anos 70, os quadros de parede já eram “bacuraus”.

Minhas professoras escreviam nele com giz e usavam uma esponja como apagador. Naquele tempo eu já observava a dificuldade que elas tinham diante da profissão que abraçavam. O pó de giz na roupa era um dos pontos que dava pra notar quão difícil é a tarefa de lecionar. Afora isso, já percebia que nossas professoras tinham amor ao que faziam.

Juntando o amor delas com o meu, veio a aprendizagem cedo de algumas lições, como o aprendizado da tabuada, da leitura e da escrita. O quadro servia como instrumento de treino da nossa escrita. Chamar alguém ao quadro fazia parte de uma didática rotineira das nossas professoras.

A prática era certa nas aulas de matemática, principalmente quando resolvíamos “problemas” e precisávamos armar umas continhas.

Nenhum comentário:

QUE PALAVRA!

Carrapeta Pequeno pião que se faz girar com os dedos. (Aurélio) Espécie de pião que é girado com os dedos. (Soares Amora) Pequeno pião. (Ant...